Recortes de uma chacina laboral (2011-2015)

1Maio0

Aparentemente, Pedro Passos Coelho não encontra motivos para celebrar o Dia do Trabalhador. Segundo o ex-primeiro-ministro que espezinhou direitos laborais e que se esforçou arduamente por precarizar e transformar o mercado laboral num oásis de mão-de-obra barata para abutres, a situação do emprego em Portugal é preocupante, isto apesar da tímida redução do desemprego registada em Março que, há uns meses atrás, seria motivo para fogo-de-artifício e bandas a tocar na São Caetano. 

Claro que a situação é preocupante e o país não precisa que Passos Coelho lho venha dizer. Mas este teatro contraditório do líder do PSD, que alega defender os trabalhadores ao mesmo tempo que critica a reposição de parte dos seus rendimentos e direitos, isto depois de mais de quatro anos a mascarar os números do desemprego e a criar condições para facilitar despedimentos, chega a ser anedótico. Vai daí, Uma Página Numa Rede Social decidiu compilar uma séria de recortes de jornal que nos recordam aquilo que foram os anos dourados do mercado laboral durante o consulado Passos/Portas. Para memória futura.

Comments


  1. Está tudo doido !!! a mania e o hábito da “batota”, agora chamam-lhe mercados,não vão conseguir resolver a situação económica mundial por ausa da “globalização” e da ambição e egoísmo natural da raça humana !!! Estaremos condenados a escravatura ???


  2. Só o título do primeiro recorte (“Emprego só cresce para salários até 310€”), e na mesma edição, mais abaixo (“Presidente do BCP defende cortes nos ordenados para manter postos de trabalho”) — é todo um tratado sobre o que é a verdadeira e única ideologia do regime. A verdadeira e única “reforma estrutural” que esta gente defende. As duas notícias estão aliás interligadas: os donos disto tudo são essa malta fixe dos bancos, sempre prontos a dar a sua receita sábia para diminuir o défice, eles que foram e continuarão tendo palco na imprensa (que eles pagam e portanto controlam) como se fossem os maiores experts em gestão responsável. Sim, nós sabemos.

    Sabemos que a mentalidade de ‘traficantes de negros’ continua tão viva hoje como era há vários séculos atrás.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.