Um pretexto para o negócio, obviamente

Trump said Tuesday that he’s “looking into” the idea, saying making 3D plastic guns available to the public “doesn’t seem to make much sense!”

Alguém quer publicar ficheiros que permitirão a qualquer um com uma impressora 3D fazer uma arma em casa. Num país onde tantos acreditam que se está mais seguro possuindo-se armas, grupo onde se inclui Trump, o qual afirmou que dar armas aos professores era a melhor forma de parar os tiroteios nas escolas, conclui-se que, afinal, essa segurança só existe se a arma for comprada a um associado da NRA.

Já agora, antecipando o argumento, é de notar que o registo de uma arma comprada, com a possibilidade de associar um disparo ao seu autor, apenas serve para ir atrás do mal feito. E que o mercado negro está à mão de quem não quiser ser identificado.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Eu acho que deviam facilitar mais e mais o uso de armas nos EUA. Dessa forma não perderiam os hábitos que tão duramente adquiriram desde o século XVIII. É bom que se entretenham com umas guerras internas e que sintam o caos que criam em países soberanos que miseravelmente invadiram a pretexto de uma democracia e liberdade a que se chama petróleo.
    A táctica americana foi, após o genocídio dos índios e a guerra da Secessão, empurrar os conflitos para fora do seu país.
    Pode ser que com esta liberalização das arma, arranjem algo para se entreter dentro das suas fronteiras.
    Afinal, eles até gostam …

  2. ZE LOPES says:

    Inicialmente os tipos da NRA desvalorizaram o caso. Lá nos bares da NRA até era frequente ouvir-se coisas como “isso aí é mesmo uma arma ou é só impressão?”. Depois riam-se muito.

    Mas agora não me admiraria que a NRA passasse a fazer lobby contra as impressoras. As 3D e as outras. Num mundo fortemente armado não há tempo para ler coisa nenhuma. Uma distração pode ser fatal!

    No entanto, soube de fonte segura, há diretores de escolas nos EUA muito contentes com a notícia. É que, a partir de agora, se for detetado algum estranho armado, bastará um telefonema para a reprografia: “depressa! Imprima seis pistolas e duas “shotguns” que eu já passo por aí!”.

    Quem também já se está a adaptar à nova realidade é Hollywwod. Vêm aí filmes como “007 Licença Para Imprimir”, “12 Indomáveis Printers” ou “Plottoon-Os Bravos do Pelotão de Impressão”.

    Segundo a Guida dos argumentistas, o fim clássico dos fimes de western terá de mudar de paradigma. O cowboy beija na mesma a mulher e casa igualmente com o cavalo (se não for égua, só em alguns estados), mas quem recolhe ao convento são as impressoras.