E daquela vez em que Bolsonaro afirmou que Hugo Chávez era uma esperança para a América Latina?

Alguns bolsonazis sentir-se-ão tentados a afirmar que a imagem em cima é uma montagem, um pérfido exemplo das mais odiosas fake news à la Trump. Outros sentir-se-ão deprimidos, já que o único argumento que lhes resta é o “Então e a Venezuela?”. Mas Bolsonaro, não vai muito tempo, achava que Chávez era uma esperança para a América Latina e gostava que a filosofia chavista chegasse ao Brasil. Definia-o como “ímpar” e queria ir à Venezuela conhecê-lo. E isto tem que doer aos milhões de fanáticos fascistas que o seguem como uma divindade messiânica.

Comments

  1. Manuel says:

    Era, disse bem. Acabou por não se confirmar.

  2. Paulo Marques says:

    Uma coisa é mudar de opinião, outra é ir na onda.

  3. Miguel Bessa says:

    Não admira que na mesma altura também achasse que o problema da ditadura militar tinha sido torturar em vez de matar.

    Ainda bem que evoluiu.
    Ficar preso ao comunismo não diz muito bem sobre a inteligência de quem o faz.

    • Fernando Antunes says:

      Evoluiu? Sim, eu também acho: agora é um iluminado. Deve-se ter sentado debaixo da figueira como o Buda, e agora espalha sua sabedoria.

      Ele não era tão diferente na altura. Isto não tem nada a ver com ideologias.Gostou de Chavez porque era o tipo de líder carismático que ele no fundo quer ser. O Trump também se apaixonou pelo Kim Jong-un. É por isso que quando os fachos atacam a “esquerdalhada” com Coreias e Venezuelas (quando não tem nada a ver), se calhar é porque são na verdade, para eles, uma espécie de fétiche ou de prazer masturbatório.

      • Miguel Bessa says:

        Agora diz que vai respeitar a constituição. Evolução.
        Agora diz que vai negociar com todos os países numa economia de mercado. Evolução.

        Tal como disse, de alguém que fica preso ao comunismo não se espera muito mais que umas pseudo comparações, umas generalizações e um chamar nomes.

        PS. Pelo menos consegue implicitamente admitir que comunismo e fascismo são a mesma mxxxx.

        • Paulo Marques says:

          Negociar? Qual negociar? Foi à America dizer que assinava de cruz o que o Bannon mandasse.
          Mas adiante, só falta dizer que os EUA também negoceiam.

        • ZE LOPES says:

          A evolução de Bolsonaro tem sido tão grande, tão grande, que não me admiraria que em breve venha a aderir ao Movimento dos Sem Terra!

          É espantosa a evolução de um canalha que, aquando do “impeachment” de Dilma Rousseff prestou homenagem ao coronel Ustra, um tipo que torturava os pais à frente dos filhos crianças.

          Fica muito bem a um liberalote como V. Exa. a defesa de tal enegúmeno em evolução.

          A propósito, já comprou a passagem? Olhe que a “geringonça” vai ganhar as eleições e ainda acaba preso!

          • ZE LOPES says:

            No terceiro parágrafo deve ler-se “energúmeno”. Não haja confusões!

        • Pergunto_eu says:

          Diz o Bessa

          “Pelo menos consegue implicitamente admitir que comunismo e fascismo são a mesma mxxxx.”

          Não se percebe porque é que os seus post não são anti fascistas, muito antes pelo contrário

  4. JgMenos says:

    A esquerda está transformada numa agremiação de linguistas.
    Nem se preocupam em estabelecer qualquer acordo sobre políticas funcionais; desde que acordem sobre um qualquer léxico que construa um corretês que os conforte, logo os esquerdalhos se sentem realizados e focados tão só na dimensão do coral que formem.

    • João Mendes says:

      Oh, o Menos ficou tristinho porque o seu herói brasileiro aprecia as qualidade do papão chavista. Tadinho!

      • JgMenos says:

        Bolsonaro é tão só problema que não me interessa e Chavez tão só esquerdalho em tempo de vacas gordas, onde qualquer asno faz boa figura.

        • Manuel Silva says:

          Ó olharapo JGMenos, presentemente, José no Ladrões de Bicicletas, antigamente, tonibler no Quarta República, na realidade, sempre João Pires a Cruz.
          E tu, nem em tempo de vacas gordas nem em tempo de vacas magras consegues fazer boa figura: é só figuras tristes.
          Dedica-te à pesca e desampara a loja.

          :

          • JgMenos says:

            Lá vem o Manelzinho dos pomares com a sua costela de investigador falhado e suas ânsias censórias.

        • ZE LOPES says:

          Ah! Está explicado por que razão V. Exa. tem feito tão boa figura. Estamos em tempo de vacas gordas, não é?

    • Paulo Marques says:

      “Nem se preocupam em estabelecer qualquer acordo sobre políticas funcionais”
      Se a direita já desistiu de as ter… deiam luta, vá.

      • JgMenos says:

        Luta? Enquanto a mama estiver de bica aberta é vão esforço. Basta esperar sentado …

        • Paulo Marques says:

          O PS está como o PSD e CDS? Que novidade.

        • ZE LOPES says:

          Mais um título para JgMenos: DMT (Dono das Mamas Todas)! Não é surpresa. Não sei é porque só agora foi reconhecido. Burocracias!

        • ZE LOPES says:

          Ou seja, a esquerdalhada faz jus ao velho ditado: “mais vale uma na mão do que duas no soutien”. A direitrolhada não aprende…É triste!

        • Manuel Silva says:

          Ó olharapo JGMenos, presentemente, José no Ladrões de Bicicletas, antigamente, tonibler no Quarta República, na realidade, sempre João Pires a Cruz.
          A tua obsessão pelas mamas leva-me a crer que mamas todos os dias no biberão.
          Cuidado com as doenças contagiosas.
          Protege-te,rapazito.

          • malditapadralhada says:

            Palpita-me que o “menos por menos dá menos” e´um dos “Jesuítas” de Santo Tirso.
            Vai de vez em quando ao Porto às compras.
            Mas é da quadrilha dos PP. Não do partido da Cristas mas do partido da “padralhada pedófila”

    • ZE LOPES says:

      É caso para dizer: a esquerdalhada a cantar em coral e a direitrolhada em desafinação total! Olha, rimei!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.