What?? Santos Silva e EDP?

Alguém me pode explicar a que título é que o ministro dos negócios estrangeiros português foi inaugurar a nova sede da EDP no Brasil???

 

Comments

  1. Tal & Qual says:

    Ana:
    Você não percebe mesmo nada de politica.
    Tá como eu !

  2. Tal & Qual says:

    Ana:
    Você não percebe nada de politica pois não?
    Tá como eu!

  3. JgMenos says:

    É intolerável que se possa alardear que no Portugal de Abril subsiste uma grande empresa capitalista!!!!!!

    O ‘orgulhosamente mesquinhos’ pode ficar seriamente desprestigiado.

    • Filipe Bastos says:

      Creio que a questão não é tanto tal empresa ser “capitalista”, Jg, como ser o maior mamão nacional, um semi-monopólio que chula à tripa-forra o Estado e os consumidores num sector essencial, transversal a toda a economia, e que foi privatizado de forma criminosa pelo Centrão Podre.

      A cereja no bolo de hipocrisia é agora pertencer a uma terrível ditadura ‘comunista’, que mama alegre e indiscriminadamente em todos: socialistas, marxistas, centristas, cheguistas, até neoliberocas como o Jg – a menos que a rulote onde vive use uma puxada e não pague luz.

      E agora, não contentes em alienar património e monopólios naturais que deviam ser de todos nós, os nossos governantes até vão ao Brasil e onde for preciso para lamber o cu aos mamões que nos saqueiam. Está a ver, Jg?

      • JgMenos says:

        A empresa deixou de ser do Estado mas é ainda assim uma grande mama para o Estado, mais parece uma sucursal da autoridade tributária!
        Que um ministro corte uma qualquer fita, parece-me natural em tal parceria.

        • Carlos Almeida says:

          Sr JgMenos

          “Que um ministro corte uma qualquer fita, parece-me natural em tal parceria.”

          Claro, já no “Estado Novo ” era assim

          • JgMenos says:

            Sr Almeida

            O ‘Estado Novo’ até tinha um almirante para esse efeito.

          • POIS! says:

            Pois sim, mas há dois mistérios que continuam por desvendar.

            Primeiro: quando o almirante inaugurou o Oliveira da Cerejeira, cortou-lhe o quê?

            Segundo: e quem é que inaugurou o almirante? Onde foi o corte?

  4. João Paz says:

    A título de propaganda Ana Moreno.

    Provavelmente à custa dos contribuintes porque ainda será pior se for promoção paga pela EDP por conta de favores futuros. É bom sinal. É sinal que o governo , tantas vezes fascista (basta ver a repressão feita a sucessivas greves) já chegou a uma fase de desespero. Já lhe serve de pouco e cada vez menos a sua MÁSCARA de pretenso socialismo para conter a justa revolta dos muitos que trabalham ou trabalharam toda uma vida e se sentem atacados quando os grandes e fraudulentos banqueiros nos roubam e rebaixam a nossa qualidade de vida com a cobertura de P”S” e P”S”D são protegidos à força toda. Sim! Não há que tirar de um destes dois para colocar no outro. Só diferem no paleio e, às vezes, nem isso.

  5. Paulo Marques says:

    Porque criam emprego, riqueza e impostos. Pelo menos na visão do ministro, a realidade inclui as coisas mencionadas acima em percentagens discutíveis.

  6. Elvimonte says:

    Ora aqui está mais uma prova da idiotice da camarada Ana “cassete” Moreno. Mais uma vez a desviar com cortinas de fumo a atenção da realidade que nos interessa.

    Entre o essencial e o acessório, ela insurge-se contra o acessório do folclore governativo. Entre todo um corpo de delito ela escolhe exibir o pintelho.

    Dos 100 milhões de euros fiscalmente subtraídos da venda de barragens da EDP ela não fala.

    Sobre o processo disciplinar de que foi alvo o funcionário da AT que recolheu os elementos que deram origem ao processo ela nada diz.

    Na falta de desenvolvimentos processuais conhecidos ela cala-se.

    De CMEC, rendas excessivas comprovadas por estudo da Universidade Cambrigde, afastamento do governo do secretário de estado que encomendou o estudo, ela nem deve ter conhecimento.

    Não posso deixar de dar razão a José Saramago quando dizia: “Antes gostávamos de dizer que a direita era estúpida, mas hoje em dia não conheço nada mais estúpido que a esquerda.”

    • Paulo Marques says:

      Ora bem, a ideologia de privatizações criada pelos nazissempre foi um desastre.
      Ou não era essa a conclusão?

    • Ricardo Pinto says:

      Quem é que disse que a Ana nunca escreveu sobre os CMEC e as rendas excessivas da EDP? Escreveu e há bem pouco tempo.
      Se não sabe, não diz idiotices.


  7. Isso é sinal evidente de que o estado e as grandes empresas passaram a ser uma só e única entidade. E lá vamos cantando e rindo, levados, levados sim…

  8. Júlio Rolo Santos says:

    A. EDP ” mama” porque alguém lhe deu a teta para mamar e, esse alguém como consta, foi Manuel Pinho, conforme consta dos autos. A EDP limitou-se a aceitar tão “generosa” dádiva. Espera-se que a justiça faça o seu trabalho, com justiça rápida e ainda em vida do dito.

  9. POIS! says:

    Pois faltou o som. Foi pena.

    Porque ao ao mesmo tempo que decorria o descerramento ouvia-se uma canção a propósito.

    Começava assim:

    “A placa estava toda iluminada
    Muita gente convidada
    Eu também fui para ver.
    Ninguém sabe a tristeza que sentia
    Porque mesmo nesse dia
    Me cortaram a baixada” (…)

  10. Júlio Rolo Santos says:

    É destes poetas que o país precisa para dar alegria a malta. Porreiro, pá.

  11. balio says:

    Independentemente da nacionalidade dos principais detentores de ações, a generalidade dos acionistas paga imposto ao Estado português sobre os dividendos que recebe, mesmo que sejam estrangeiros.
    Um acionista com a nacionalidade A de uma empresa listada em bolsa no país B paga IRS sobre os dividendos tanto no país A como no B. Não é muito fácil escapar a esta dupla tributação.
    Por isso, é bom para Portugal que a EDP esteja listada na bolsa portuguesa. Ao contrário, diga-se, da EDP Renováveis, que está na bolsa espanhola.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.