BES? Está tudo bem!

RSBES

Enquanto nos vamos entretendo com movimentações partidárias e claques histéricas, a vida segue o seu curso e o caso BES também. Na Quarta-feira, o DN noticiava que o arresto de bens dos arguidos no caso – Ricardo Salgado, Morais Pires e José Espírito Santo – tinha sido considerado nulo pelo Tribunal da Relação de Lisboa. Portanto não só ninguém vai efectivamente preso – prisão domiciliária em mansão rodeada de luxo absoluto? Yeah right… – como nem um hectarzinho na Comporta é confiscado aos terroristas financeiros. Os otários do costume que paguem o buraco.  [Read more…]

A Rã que queria ser um Boi (nova release)

merkel17 amigos juntaram-se e acordaram entre si que futuramente dariam preferência, sobretudo, às transacções entre eles. Alguns poucos, e um em especial, tinham mais coisas e, sobretudo, incorporavam mais know how nos bens e serviços que vendiam e prestavam, que os restantes, a maioria.

Decidiram até criar mesmo uma unidade monetária comum para facilitar as transacções entre si, por mero acaso desenhada à medida dos interesses dos mais fortes.

Nesta “economia fechada” dos 17, as relações foram evoluindo de acordo com as regras de mercado e seguiram o seu curso natural e previsível. Os mais fortes foram acumulando riqueza, que emprestavam aos mais fracos para estes lhes comprarem mais bens e serviços, e os mais fracos acumularam dívidas, resultantes das aquisições acrescidas dos respectivos juros.

A Balança dos primeiros foi ficando cada vez mais Superavitária e a dos outros cada vez mais Deficitária, uma vez que nunca tinham liquidez para investir nas áreas adequadas ao equilíbrio das contas.

A certa altura os primeiros ficam preocupados com as dívidas e tentam obrigar os restantes, à força e de forma violenta, de repente, a equilibrar as respectivas Balanças, até anularem o deficit e pagarem as dívidas. Para isso forçam os países mais fracos a reduzir dramaticamente as suas despesas, através da redução dos consumos, de modo a encaminharem esse remanescente das receitas para o pagamento das dívidas. [Read more…]

Contribuição do Grupo BES para o PIB – 2

Submarino sem os serviços da ESCOM

Documento prova pagamento de luvas à empresa ESCOM, a tal que recebeu 30 milhões de euros por consultoria no negócio dos submarinos, titula hoje o Correio da Manhã.

Esta contribuição para o PIB já foi aqui tratada, após o presidente do BES  nos vir dizer que o Grupo é composto por 400 empresas e contribui para o PIB em 1,5%. Eu acredito que sim, embora a minha definição de contribuição para o PIB não seja bem a mesma, é que o Grupo BES está em todas as empresas que são  protegidas pelo Estado, onde retira, não só os seus rendimentos accionistas como vende os seus serviços financeiros, de seguros, de consultoria, onde coloca os seus quadros…

A minha admiração cresceria imenso se os investimentos do Grupo BES se orientassem para as actividades de bens e serviços transaccionáveis e exportáveis, operando em mercados competitivos e abertos sem estar envolvido com o Estado, por ele protegido, e não correndo riscos.

Cada vez mais no nosso país a soma é muito inferior às partes. Estas estão milionárias e recomendam-se, o país é que está cada vez mais pobre.

A posse do governo

Cavaco foi dizendo que o governo não só tem legitimidade com não tem desculpas nenhumas

 

Chamou a atençaõ para um fantasma de que o governo não fala -a dívida pública- e sublinhou que a verdadeira tarefa é relançar a economia, o tecido empresarial na produção de bens transacionáveis e exportáveis. O resto é mais do mesmo, desorçamentação, investimentos que nos atiram para a cauda da UE, desemprego e empobrecimento a prazo.

 

Sócrates, vem lembrar que as políticas são para continuar, casamentos dos homosexuais e megainvestimentos. Não diz é como os vai pagar. A responsabilidade é de todos, incluindo, evidentemente o Presidente. Nem uma palavra quanto às contas criativas e  ao tecido empresarial,  impostos  e tudo o que pode ser uma chatice.

 

Daqui a oito meses Cavaco começa a não poder fazer nada, entra no período da renovação do mandato, paz celestial e só podemos contar com as maiorias de ocasião para travar tentações, "quem vem atrás que feche a porta".

 

Sócrates começa – a bem da verdade nunca deixou de o ser- o quero, posso e mando, de sempre, não muda um milimetro das políticas que nos levaram à linda situação em que estamos.

 

Não é determinado. É teimoso e muito ignorante!