As aulas acabaram há 17 dias

E continua sem haver notas para ninguém…

A chave desta greve está nas reuniões do 12.º ano

Já todos percebemos que o Ministério está pouco preocupado com a greve às avaliações porque sabe que mais cedo ou mais tarde nos cansamos. Nenhuma bolsa aguenta mais de 3 ou 4 semanas de greve.
Assim sendo, temos de ser mais inteligentes do que eles. Realmente, o adiamento das reuniões do 5.º ao 11.º ano não fazem grande mossa. Com maior ou menor atraso, as notas saem e o trabalho acumulado é despachado a seguir. Sobretudo nos anos não-terminais, as matrículas para o próximo ano até já estão feitas…
A chave da greve passa precisamente pelos Conselhos de Turma do 12.º ano. Porque aí jogam-se outras questões fundamentais, nomeadamente o acesso ao ensino superior. E enquanto não houver notas de 12.º ano, não há Universidade para ninguém. Já aconteceu isso em 1989, é verdade, mas aí os tempos eram outros. Neste momento, nenhum ministro aguentaria tal situação. Nuno Crato ruiria como um castelo de cartas.
E é neste contexto que os Fundos de Greve podem desempenhar um papel fundamental. Com o fim das greves do 5.º ao 11.º ano, todos esses professores ficam libertos do ponto de vista das tarefas profissionais e também do ponto de vista monetário. E com um pequeno esforço de cada um, podem contribuir para que a greve dos colegas do 12.º ano – ou melhor dizendo, de um único colega do 12.º ano em cada escola – se mantenha sem qualquer problema até ao fim de Julho e mesmo depois disso.
Em termos históricos, foi assim que se conseguiram muitas das grandes conquistas dos trabalhadores ao longo dos últimos séculos. Vamos a isso!

As aulas acabaram há 14 dias

E continua a não haver notas para ninguém…

Samuel, o Rei das Píbias


Enquanto o Samuel vai batendo umas pívias, supõe-se que no remanso do seu quarto, os professores vão arranjando forma de não o reprovarem e de o fazerem transitar, ano após ano, «só para fazer o 9.º ano» e, depois disso, «só para ficar com o 12.º».
Nos Conselhos de Turma, vale tudo, e para conseguirem que todos os alunos passem, alguns professores estendem a sua imaginação até ao limite. Recorrem a todo o tipo de argumentos e, se o aluno puder passar com 2 negativas, o aluno certamente passará.
Assim, se o aluno estiver com 12 negativas depois de serem atribuídos os níveis:

«E se fosse vosso filho, gostavam? Vocês não sabem o que é dar aulas!»

e se estiver com 11 negativas:

«Está tão bem integrado na turma que é inadmissível ter de ficar para trás. Não, este aluno não pode reprovar.»

e se estiver com 10 negativas:

«O pai é alcoólico, a mãe é vítima de violência. Não lhe vai fazer nada bem ficar outra vez no mesmo ano».

e se estiver com 9 negativas:

«Coitadinho! Tem tantas dificuldades. Ele nunca vai conseguir, deixem-no ao menos fazer o 9.º ano!»

e se estiver com 8 negativas:

«Não conseguiu agora, mas isso não significa que, se passar, não consiga no próximo ano.»

e se estiver com 7 negativas:

«Eu posso subir a minha nota, assim fica só com 6. Mais alguém pode?»

e se estiver com 6 negativas:

«Não querem reflectir sobre este caso?»

e se estiver com 5 negativas: [Read more…]

Conselhos de Turma


Nos Conselhos de Turma de final do Período, para avaliar os meninos, é necessário entregar / preencher os Registos de Avaliação, os Registos de Avaliação dos Alunos com Necessidades Educativas Individuais, os Planos de Recuperação, Acompanhamento e Desenvolvimento, a Justificação das Negativas, as Aulas Previstas e Dadas, o Relatório do Cumprimento ou não do Programa até ao momento, os Relatórios das Aulas de Apoio, o Projecto Curricular de Turma, os Projectos Educativos Individuais, o Relatório do Programa de Tutorias, o Relatório das Aulas de Recuperação, o Relatório das Provas de Recuperação, a Grelha das Formações Transdisciplinares, o Relatório das Áreas Não-Disciplinares, as Propostas de Apoio Especializado, as Fichas de Registo de Comportamentos, a Pauta, a Acta da reunião.
Ah, e ainda temos de dar as notas aos meninos – no meu caso concreto, multiplique-se tudo isto por 7 turmas e quase 200 alunos.
Ufa! Felizmente já acabou…

Os Encarregados de Educação, essas pragas

4 anos de intoxicação da opinião pública, por parte de um Ministério da Educação lamentável, deu este resultado: os Encarregados de Educação julgam-se donos das escolas.

Vão para os Conselhos de Turma questionar os métodos dos professores, pôr em causa as regras na sala de aula e na escola, acusar todos aqueles que, na sua visão redutora, são demasiado exigentes para os meninos. Ainda por cima, em vez de serem representantes dos Encarregados de Educação, representam apenas os seus próprios educandos e não falam de outra coisa que não os filhos.

Para cúmulo, muitas vezes são professores.

Se fosse o defunto Secretário de Estado Pedreira, diria que, quando se dá uma bolacha a um rato, ele a seguir pede um copo de leite. E depois dá nisto!