A vida entre carimbos

Há a vida plena de riscos, vivida sobre a lâmina, pulsante, imprevisível, trágica e hilariante, e há a vida tal como é vivida no cartório notarial. A vida no cartório toma o seu tempo e segue os seus caminhos, que se traduzem inevitavelmente em fotocópias, registos, declarações, certidões, actas de deliberação, certidões de teor, registos prediais.

No notário, nada é súbito. Nem a morte, para tomarmos o exemplo mais extremo. Uma pessoa pode estar morta, inegavelmente morta, mas só o estará deveras quando o óbito tiver sido declarado na Conservatória do Registo Civil, e logo em seguida nas Finanças. Não se está morto sem que os documentos, muitos documentos, o comprovem. Se há pulso ou não, se os pulmões aceitam ar e o devolvem ou não, isso é matéria que só interessa no mundo de lá de fora. Dentro do notário é preciso certidões. São elas que traçam a linha entre a vida e a morte. [Read more…]

Terrorismo governamental

Um empresário toma iniciativa, arrisca, a população adere, até que surge um tsunami, o burocrata com regulamentação… O consumidor sai sempre a perder.

Brazil

brazil-poster-art-1

Brazil – pesadelo surreal num universo orweliano. Filme de Terry Gilliam. Página IMDB.

Legendado em português usando o sistema do Youtube (tem de activar as legendas).

Os professores explicados aos não professores (II)

Escrevi há dias sobre o facto de Nuno Crato estar a despedir professores à custa de menos escola – é verdade que a Escola Pública tem hoje menos, muito menos, Professores, mas isso foi conseguido, fundamentalmente, à custa de menos horas com os alunos.

Por outro lado, Nuno Crato não conseguiu mexer na pérola que Maria de Lurdes Rodrigues deixou na escola pública – a burocracia.

O comentador falou em acabar com o MEC, deixar para os professores a tarefa de “ensinar”, seja lá o que isso for, mas a verdade é que tudo continua na mesma, para não dizer pior.

E, na Escola, a Burocracia manifesta-se de muitas formas, mas tem como principal argumento a necessidade da cadeia de comando se defender do chefe, isto é, quem está abaixo justifica-se ao de cima e de papel em papel fica para trás o mais importante – educar. [Read more…]

O presente, essa grande mentira social. VII – Sociologia económica

1324074_a_christmas_carol___mn_225_300.jpg

1. Antecedentes.

Espera-se que um Antropólogo da Economia fale, apenas, da etnografia de povos além da sua cultura e não da interacção social da economia que orienta a sua própria cultura. Mas, se queremos entender esse processo, é preciso entendermos o que é a Sociologia Económica. Uma temática que tem a ver com três conceitos: o de opção e o de maximização ou teoria da acção sociale, principalmente, [Read more…]

A tortura de um cidadão

Tortura é a imposição de dor física ou psicológica por crueldade, intimidação, punição, para obtenção de uma confissão, informação ou simplesmente por prazer da pessoa que tortura.

Parece-me que devia acrescentar que há dois tipos de tortura: a que as Nações Unidas condena e a que todo cidadão sofre no dia-a-dia e que denominamos burocracia. [Read more…]

Presos em greve de fome? Só com papeli.

sachertorte

Já foi aqui no Aventar abordada a questão do papel (qual papel? o papel), o que foi motivo para me rir um bom bocado. Ai, ainda me dói a barriga. Agora imagine-se este sketch:

– Ó sô guarda, quero fazer greve de fome

– Ôça lá hôme, greve de fome? Mas não gosta do nosso belo rancho? Bêm, terá que preencher o formulário 278/27-A de 12 de Abril

– Hã?

– Pois. Ahhhhhhhhh espere lá. Temos pena. O formulário está esgotado. Terá que esperar. Tire uma senha e aguarde ali sentadinho uns dias. Mas ôça, tem que comere, hôme. Bocê não pode entrar em greve de fome sem o papeli. Só para termos a certeza que vai ficar na legalidade enquanto espera, vamos meter-lhe à frente um belo naco de leitão à bairrada, acompanhado com vinho espumante e com uma tentadora sachertorte. Entretanto, vá rezado para que o Director dê defirimento, que isto aqui é tudo certinho, nem que para tal seja preciso uma arma taser.

Conselhos de Turma


Nos Conselhos de Turma de final do Período, para avaliar os meninos, é necessário entregar / preencher os Registos de Avaliação, os Registos de Avaliação dos Alunos com Necessidades Educativas Individuais, os Planos de Recuperação, Acompanhamento e Desenvolvimento, a Justificação das Negativas, as Aulas Previstas e Dadas, o Relatório do Cumprimento ou não do Programa até ao momento, os Relatórios das Aulas de Apoio, o Projecto Curricular de Turma, os Projectos Educativos Individuais, o Relatório do Programa de Tutorias, o Relatório das Aulas de Recuperação, o Relatório das Provas de Recuperação, a Grelha das Formações Transdisciplinares, o Relatório das Áreas Não-Disciplinares, as Propostas de Apoio Especializado, as Fichas de Registo de Comportamentos, a Pauta, a Acta da reunião.
Ah, e ainda temos de dar as notas aos meninos – no meu caso concreto, multiplique-se tudo isto por 7 turmas e quase 200 alunos.
Ufa! Felizmente já acabou…

%d bloggers like this: