João Galamba: O jovem turco chegou ao Governo


Típica construção artificial da tralha socratista, o João Galamba lá chegou ao Governo. Para já, como Secretário de Estado da Energia, que a titularidade de um qualquer ministério não tardará.
Se bem me lembro, começou a sua labuta no 5 Dias, mítico blogue das Esquerdas a sério, pela mão da Fernanda Câncio, que depois o levou para o falecido Jugular – blogue criado e mantido para apoiar José Sócrates enquanto primeiro-ministro.
Há que dizer que cumpriu sempre a sua missão a preceito. Nos seus escritos e nos dos outros. Como quando me chamou canalha, em 2009, por eu comparar Sócrates a Vale e Azevedo.
No Simplex, de onde saiu a foto deste post, esculpiu a sua chegada a deputado. Duas legislaturas depois, está no Governo. Mesmo que, pelo meio, tenha precisado de atraiçoar José Sócrates – ou como a criatura apunhalou o criador sem quaisquer remorsos com o beneplácito de António Costa, cuja aleivosia lhe está também na massa do sangue.
Algum mérito João Galamba há-de ter, embora eu não saiba muito bem qual. Assim como assim, não há-de fazer mais nem menos do que o restante putedo socialista que por lá anda. Toda a gente sabe que quem manda na Energia é a EDP.

O país do “mas”

Numa reportagem sobre o Simplex nos centros de saúde, ouvi duas admiráveis expressões ditas por dois cidadãos portugueses:

“Isto está a ficar um bocadinho no século XXI” e “Tenho de andar nos médicos”.

Parece-me que algumas das características mais importantes da portugalidade se reúnem nestas duas frases. Por um lado, está o entusiasmo moderado. Sim, há avanços, inegavelmente há avanços, o português reconhece-os, mas desconfia do seu alcance, mantém sempre uma reserva de cepticismo, e o máximo que pode reconhecer, em Maio de 2016, é que se alcançou “um bocadinho” de século XXI. Porque o português sabe que o avanço brilha, o avanço refulge, mas o avanço é enganador. E, a qualquer momento, o português inflamado pela miragem do Simplex tecnológico, baterá com os dentes todos num demolidor “estou sem sistema” ou num impreciso “a impressora está desfigurada”, que o fará retroceder ao passado dos requerimentos, dos P1s, da palavrinha à senhora doutora, da chamadinha, do “ela não me está a atender”, do “volte para a semana”. [Read more…]

Um jumento é um jumento

Mas um jumento simplex é mesmo um jumento com uma puta duma lata!

O blogue Simplex vai voltar


Soube pelo Jorge. O Simplex vai voltar, agora convertido em jornal semanário.
Já estou a ver a primeira manchete: Rui Pedro Soares arromba a berbequim sede do «Sol».
Só uma pergunta: o vosso sentido de oportunidade não é muito bom, pois não?

Centenário "Simplex"


A Ilustração Portuguesa (1908), é um inesgotável manancial de curiosidades. Neste ano de Centenário, aqui deixamos um anúncio, que decerto fará com que muitos sorriam. Ora leiam o texto, verifiquem do que se trata e… a quem pertencia a lojinha “Simplex”. Há coisas que não mudam e tomem especial nota do facto de as tais “Simplex” serem …”discos double face, com o mais variado e moderno reportorio em musica e canto dos melhores auctores nacionaes e estrangeiros. Grande depósito de machinas fallantes”.

A língua portuguesa, era, de facto, mais bonita.

Ana Paula Fitas no Aventar

O Aventar tem o enorme prazer de anunciar a entrada de um novo elemento, Ana Paula Fitas. Bem podemos dizer que era um sonho antigo do Aventar. O convite já tinha alguns meses, mas só agora se concretizou.
Professora universitária, doutorada em Ciências Sociais, participou no «Simplex», blogue de apoio ao PS nas últimas Legislativas, e mais tarde em «A Regra do Jogo». Mantém o seu blogue pessoal, «A Nossa Candeia».
No Aventar, escreverá sobre o que quiser. Todos sabemos que os seus interesses são muito diversificados e que, no que diz respeito à política, revê-se nas políticas do Governo liderado por José Sócrates. Que seja muito feliz por aqui.

Posts históricos da blogosfera: Bruno Reis no «Barnabé»

Hoje, nas cartas ao Director do «Público» (tantas cartas ao director que escrevi na minha adolescência!), o ex-Simplex Bruno Reis dá conta de que nunca foi condicionado no blogue de apoio ao Governo, nem nunca tentaram infuenciar qualquer uma das suas opiniões.

Imagina-se, pois, que se ele tivesse começado a defender o PSD, não haveria qualquer problema por parte de Galamba e companhia.

Ao invés, diz Bruno Reis, foi muito condicionado e pressionado no histórico blogue «Barnabé», que nas suas palavras era um blogue plural de Esquerda com muita gente ligada ao Bloco.
Confesso que acho estranho que, num blogue de apoio ao Governo, uma das condições prévias não fosse precisamente apoiar o Governo. Se calhar pela mesma razão que não se contrata um motorista perguntando-lhe se ele tem carta de condução. Aquela gente é realmente muito democrática!
Pelo meio, Bruno Reis atira-se ao ex-aventador Carlos Santos por causa da polémica dos mails, dizendo que ninguém achou mal agora, mas na altura todos criticaram os mails do «Público» dados à estampa no «Diário de Notícias». Supõe-se, então, que Bruno Reis também achou mal na altura.
Porque tem interesse neste contexto, fui ao «velhinho» Barnabé buscar um «post» do Bruno Reis, que se seguiu ao «post» de despedida de Daniel Oliveira. O actual Arrastão deixou de se rever num blogue onde Bruno Reis começara a assumir posições claramente de Direita e anunciou que saía.  Bruno Reis anunciou que ficava, ao estilo de «daqui nao saio, daqui ninguém me tira, convidaram-me, saem por causa de mim, mas isso agora não interessa nada»….

[Read more…]

Carlos Santos no Aventar

Carlos Santos é professor de economia na Universidade Católica e analista de política internacional. Na blogosfera, começou com o seu blogue pessoal, «O Valor das Ideias». Durante o Verão de 2009, colaborou no «Simplex», blogue colectivo de apoio ao Partido Socialista. Terminado esse projecto, fundou «A Regra do Jogo», que teve uma duração efémera.
Convidei o Carlos Santos para o Aventar logo que terminou o «Simplex», porque fazia-nos falta alguém com queda para a economia e que estivesse mais ou menos na área socialista – temos gente que está à Direita do CDS e gente que está à Esquerda do PCP, mas nunca conseguimos que alguém da área do PS aceitasse o nosso convite.
Na altura, o Carlos Santos estava empenhado em «A Regra do Jogo», mas deixou a porta aberta para um futuro próximo. Que é hoje. No Aventar, vai analisar sobretudo a evolução dos mercados, os problemas orçamentais do país e a política internacional. Como todos os aventadores, poderá sempre que quiser estender-se por outras áreas.
Todos sabemos o que se passou nos últimos dias, por isso seria estúpido fingir que não aconteceu nada. Aconteceu sim, mas no passado – e neste momento, sinceramente, a hora é de olhar para o futuro. Sendo assim, que o Carlos Santos seja muito feliz por aqui e que nunca deixe que os seus defeitos – entre os quais se encontra um benfiquismo cada vez mais dominante no Aventar – apaguem as suas grandes qualidades.

Conselhos de Turma


Nos Conselhos de Turma de final do Período, para avaliar os meninos, é necessário entregar / preencher os Registos de Avaliação, os Registos de Avaliação dos Alunos com Necessidades Educativas Individuais, os Planos de Recuperação, Acompanhamento e Desenvolvimento, a Justificação das Negativas, as Aulas Previstas e Dadas, o Relatório do Cumprimento ou não do Programa até ao momento, os Relatórios das Aulas de Apoio, o Projecto Curricular de Turma, os Projectos Educativos Individuais, o Relatório do Programa de Tutorias, o Relatório das Aulas de Recuperação, o Relatório das Provas de Recuperação, a Grelha das Formações Transdisciplinares, o Relatório das Áreas Não-Disciplinares, as Propostas de Apoio Especializado, as Fichas de Registo de Comportamentos, a Pauta, a Acta da reunião.
Ah, e ainda temos de dar as notas aos meninos – no meu caso concreto, multiplique-se tudo isto por 7 turmas e quase 200 alunos.
Ufa! Felizmente já acabou…

SiMPLEX

Recebi uma carta registada de uma instituição pública, notificando-me de uma decisão administrativa e dando-me dez dias para impugnar judicialmente.

 

A carta tem a data de 16/09/2009 e eu recebi-a no dia 27/10/2009, isto é, um mês e onze dias depois.

 

Receoso que se tivesse desencaminhado "no meio caminho andado" dos CTT, desloquei-me à estação de correios da minha zona. Lá estava a data de entrada nos CTT, 23/10/2009 . Demorou quatro dias a chegar às minhas mãos após a sua entrada nos CTT.

 

 É, pois, a instituição que escreveu a carta com data de 16/09/2009 e que me dá dez dias para reagir, que está profundamente imbuída do espirito Simplex. E, agora, como vai ser ? Hoje já verifiquei, via Internet, no "sitio" da instituição, que foi feito um registo de uma acção que deveria ser posterior à minha impugnação, a que tenho direito.

 

Vou lá amanhã, dizer à senhora do balcão, com provas documentais, que não tive oportunidade de exercer os meus direitos cívicos.

 

Quantos papéis e solicitações e caminhadas vou ter que fazer para me concederem o previlégio de exercer o meu direito de cidadão?

 

Multiplique-se estres atrazos de vida, por milhares de cidadãos, por milhares de empresas, e fica-se com uma ideia do que são e como são prejudiciais os chamados "custos de contexto" !

 

Trata-se de entregar em tempo útil uma simples " carta a Garcia…"

Em busca do tempo perdido

Nessas páginas que se tornaram célebres, o sabor de uma madalena tomada ao pequeno-almoço resgatava memórias de uma infância em Combray, em casa da tia Léonie, e aquele que seria um prosaico pequeno-almoço transforma-se numa evocação de um tempo perdido e que apenas a memória pode resgatar. Deixem-me que partilhe convosco, amigos proustianos, a evocação com que me deparei hoje, capaz de rivalizar com a madalena do nosso amado Marcel: “Tomando o café da manhã, lembrei-me, ao sabor da minha memória, de algumas políticas sectoriais empreendidas por este Governo: a Escola a Tempo Inteiro, a compilação das Leis Laborais (fragmentadas durante mais de 30 anos), o aumento dos recursos na Investigação Científica, a batalha pela Igualdade de Género, a vacinação gratuita contra o Papiloma responsável pelo cancro do colo do útero (…). . Como o café da manhã não é milagreiro e eu queria sistematizar políticas e resultados objectivos, voltei para o meu lugar de trabalho (actualmente em casa) e percorri alguns sites ministeriais e institucionais à procura de elementos que me permitissem fazer um rápido ponto da situação do trabalho efectuado pelo actual Governo, nas diversas áreas.” O seu a seu dono: é de Vera Santana esta evocação laboriosa, à qual, porventura, apenas faltará a sua madalena, que bem poderia ter sido substituída pelo português papo seco, já que, como bem diz, “o café da manhã não é milagreiro” e quem começa o dia a evocar “o Papiloma” cedo ou tarde sentirá azia.