Ficções sem hora marcada

Rui Oceano estacionou cuidadosamente o seu Simca de colecção. Tirou um paninho de flanela, friccionou com cautela todos os frisos, guardou cuidadosamente o paninho no estojo de pele, bateu a porta muito devagar e dirigiu-se para o palco da feira do livro. Era caro para a sua Câmara, mas valia a pena: os seus concidadãos acotovelavam-se nos escaparates, homens de letras abancavam em sítios combinados e faziam dedicatórias. O povo gostava, e Oceano, o Rio, (Rui, aliás) estava feliz.
Por dentro. Por fora, aquela máscara de mau feitio. De quem pensa que, pelo facto de ter estudado numa escola de referência, deve  ser olhado de baixo, para a sua superioridade. Aquele ar de quem tem sempre razão e nunca se engana, como o Outro. [Read more…]

O que vale é que ninguém foi prejudicado!

FMI reconhece que calculou mal o impacto da austeridade na economia

Estas coisas são normais?

Alexandre Teles

Gostaria de chamar atenção para um excelente artigo (Em Portugal, a universidade do consenso), feito por um jornalista (Owen Jones), num excelente jornal (Le Monde Diplomatique, edição portuguesa) onde os docentes da Faculdade de Economia da Universidade Nova demonstram uma atitude que embora a eles pareça de orgulhosa, admitamos cai no ridículo, uma atitude presunçosa e de quem manda no país, passo a deixar alguns excertos, que me causaram indignação:

“Basta-me pegar no telefone para encontrar um membro do Governo, o Primeiro-Ministro ou até o Presidente da República.” (José António Ferreira Machado, Director da Faculdade de Economia). [Read more…]