Velhos são os trapos

Que projeto este, da Companhia Maior! Admirável. Vale a pena conhecer (encontra excertos de peças no youtube). Uma companhia de teatro formada por atores séniores (com mais de 60 anos), «depois de uma vida plena».

A Companhia Maior tem dois anos de idade e residência no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa. Depois de A Bela Adormecida, de Tiago Rodrigues, e de Maior da coreógrafa Clara Andermatt, os actores e as actrizes deste grupo ensaiam agora Iluminações, que se estreia amanhã no Pequeno Auditório do CCB e continua em cena nos dias 4, 5 e 6 de Novembro.

Com a encenadora Mónica Calle, 46 anos e também participante neste espectáculo Iluminações, os intérpretes da Companhia Maior pensam e falam da mortalidade. “E porventura vão mais longe do que alguma vez pensaram ir, despindo-se em palco num gesto que é também metáfora dessa ideia cara a Calle de o intérprete se revelar a si mesmo — e ao outro — inteiro verdadeiro”.

Quem puder, vá ver! Parece que farão digressão nacional, neste que é o Ano Europeu do Envelhecimento Activo e da Solidariedade entre as Gerações.

Parabéns a todos estes actores e a todos os que estão na génese deste projecto maravilhoso e deveras inspirador para todos.

Apostar na língua pátria melhorará o Direito?

Com a aceleração dos cursos jurídicos e dos mais, em resultado da Declaração de Bolonha, há como que um abreviar das preocupações sobre que deveriam repousar os planos de estudo.

Curial seria que – com a deficiente formação, no geral, a português – houvesse logo no primeiro ano dos cursos jurídicos ou num “ano propedêutico” uma disciplina anual, a “hermenêutica jurídica”, susceptível de habilitar o escolar de leis a dominar as técnicas de interpretação, a aprofundar os conhecimentos da língua pátria, a ler de forma escorreita um texto jurídico, a fim de contrariar o quadro que ora se oferece que é o de chegar ao termo da formação escolar sem a destreza da língua, sem se alcançar uma interpretação fidedigna da lei, como diria Pereira Coelho, insígne Mestre com quem servimos em Direito Civil – Família e Sucessões, na Coimbra dos anos setenta do século transacto.

Com a agravante de que leis mal feitas exigem uma superlativa formação a português, que ora falece a quantos demandam a Universidade e os politécnicos.

E o fenómeno das leis mal feitas espalha-se como uma nódoa por todo o tecido do ordenamento jurídico.

Estranha-se que as escolas de direito (nas condições em que de tal se possa falar…) não sejam sensíveis ao fenómeno e nada façam para alterar o statu quo…

Mais tarde ou mais cedo… alguém terá de fazer algo para que se regenere a situação de clamorosa penúria no que tange à língua e da metodologia da interpretação da norma que aos juristas se impõe dominem.