Humanismo burocrata

0,,16939769_303,00

Depois do sucesso das suas mais recentes incursões pela história dos Descobrimentos, o chefe europeu dos Passos Coelhos teve outro momento de elevação intelectual, partilhado com a humanidade através da sua conta de Twitter, onde afirmou “People are just as important to me as goods and capital.”

Sossega-me saber que a direita da austeridade já nos coloca pelo menos no mesmo nível de importância que mercadorias ou capital. Mas é capaz de causar mal estar junto da malta liberal… O próximo passo será cotar-nos nos mercados internacionais. Dez milhões devem chegar para financiar as próximas fraudes bancárias dos amigos portugueses do Jean. Só a selecção nacional são logo 297 milhões de euros!

Fim do TGV: Uma excelente decisão

É uma excelente decisão acabar definitivamente com o projecto do TGV. Excelente decisão é também apostar no transporte de mercadorias a partir de Sines e de Aveiro.
Algum dia heveria de concordar com o Governo de Passos Coelho. Parece que chegou o dia.

TGV – uma anedota

Graves erros ? Não, que ideia ! Leiam este pela pena do Engº Pompeu Santos.

“…o troço Poceirão- Caia integrado na linha Lisboa – Madrid…como esta linha vai ser em bitola europeia, e do lado de Espanha as mercadorias vão continuar a circular apenas em bitola Ibérica, a RAVE é forçada a construir, ao lado da linha de alta velocidade, entre Caia e Évora, uma linha em bitola Ibérica só para mercadorias, gastando mais 250 milhões de euros.”

Em vez de uma linha vão construir duas e reparem, como a seguir a Espanha todos os países têm bitola europeia, quer dizer que as nossas mercadorias não passam de Espanha. Passar, passam, mas têm que mudar para equipamento de transporte com bitola europeia, o que é magnifico e deve acelerar imenso a chegada das mercadorias e tornar o seu transporte muito mais barato!

A gente diverte-se imenso!

O TGV não é para 2010, não é prioritário!

Com a apresentação do Orçamento muita coisa muda, as prioridades já não são chegar depressa a Madrid, nem o aeroporto é para já. Como o bom senso e até o patriotismo aconselham e que só quem julga que “pode, quer e manda” não reconhece, o estado do país obriga a investimentos de proximidade, com influência imediata no emprego e no crescimento da economia.

A prioridade agora, vai toda para os hospitais, escolas, lares, creches, como não pode deixar de ser e como muitos de nós sempre defendemos.

Felizmente, que as eleições tiraram a arrogância a um homem que tomou a maioria absoluta como se o país fosse coisa sua, sem dar explicações, embalado por ambições incompreensíveis e perigosas. Nunca apresentou, ele e os seus prosélitos, uma só explicação plausível para a pressa, no quadro de uma economia que definha desde Guterres.

É uma vergonha o que se passou com o aeroporto na OTA (situação que apresentava enormes e perigosos obstáculos a uma aviação segura) e que só o desassombro de um homem, ex-comandante da TAP, desarmou, quando chamou a atenção para a gravidade da decisão que se ia tomar. Os pilotos, que iriam levantar e aterrar na OTA, nunca tinham sido chamados a pronunciarem-se!

Quanto à via férrea, a prioridade vai agora para o transporte de mercadorias, ramais para e de Sines e Leixões, melhoramentos nas actuais linhas de passageiros que já são de velocidade elevada e que só precisam de actualizações. Parece que o TGV se irá ficar, daqui a uns anos (oxalá, é porque as contas públicas melhoraram) pela ligação a Espanha via Badajoz e a explicação é, que há anos que governo após governo, andam a prometer isso aos vizinhos, esses sim, muito interessados no TGV.

Cumprir com o vizinho ainda se aceita como desculpa, agora dar banho aos Madrilenos…