Cantar em Português, antes ou depois do AO

Vitorino, numa entrevista ao Jornal de Leiria refere que “Quando um português canta em inglês fica tristemente ridículo”.

O Miguel Guedes, dos Blind Zero, no seu perfil do Facebook não deixou o velho alentejano sem resposta, cujo conteúdo subscrevo totalmente:

“Toda a gente tem direito a frases mais ou menos infelizes puxadas para títulos de jornal. O problema é que o Sr. Vitorino, lê-se na entrevista, pensa mesmo assim. Ele e mais uns quantos que no passado proferiram semelhantes dislates. Tenho respeito pelo Sr. Vitorino e sempre o vi como um homem de liberdade, daí que fique admirado por esta raiz que lhe tolha o pensamento. Não lhe perdi o respeito por isto. Só chego à conclusão de que lhe falta liberdade de espírito. E liberdade estética.

Há muitos anos que, ciclicamente, defendo a liberdade de criação seja em que língua for, seja como for. Contra estas tretas, contra este tipo de discurso, contra esta pacóvia e atávica forma de ver a arte e o trabalho dos outros. Imagine um carro, Sr. Vitorino. O volante é a direcção, a vontade e a paixão são o motor, a língua meras rodas do veículo. O que conta verdadeiramente é o que se diz pela boca e pelo pensamento das pessoas que vão lá entro. Que amam e odeiam em português mas que o podem dizer e expressar de qualquer forma, em qualquer língua.
O que é ridículo para si são só as rodas. Fazem andar e podem deslizar, mas são só as rodas, Sr. Vitorino. E olhe que deslizam em qualquer língua… O que conta verdadeiramente são as pessoas. Nem todos os que cantam em inglês ficam tristemente ridículos. Nem todos os que cantam em português ficam tristemente ridículos. Ficam tristemente ridículos os que ficam tristemente ridículos. Mesmo que por piada paga.”
Miguel Guedes acrescentou, ainda, um vídeo ao seu texto: [Read more…]

Hoje dá na net: Sempre Abril (Gala de homenagem a Zeca Afonso)

Gala de homenagem a Zeca Afonso, co-produzida pola TVG (Televisão da Galiza) e a RTP.

Silvia Alberto co-apresenta, com o galego Carlos Blanco, o espectáculo que assinala a Revolução dos Cravos e presta homenagem a Zeca Afonso. “Sempre Abril”, assim se designa a gala realizada no Paço da Cultura de Pontevedra, conta com as participações de Sérgio Godinho, Dulce Pontes, Vitorino, Janita Salomé, João Afonso, Zeca Medeiros, Tito Paris, Luís Pastor, Trexadura, Victor Coyote, Xico de Carino e o grupo Faltriqueira.

Veja depois do corte a ligação para os outros vídeos sobre José Afonso: [Read more…]

Moura Guedes: há documentos que incriminam Sócrates

Manuela Moura Guedes disse para quem a quis ouvir que há documentos que incriminam Sócrates e que a TVI não publica. A TVI vem dizer “que não há peças preparadas para serem publicadas”, o que não quer dizer que não haja peças.

É mais ou menos como dizer “não sei formalmente…” e a mentira abre caminho!

Entretanto o Vitorino anda sempre lá por perto.