E assim a barbárie arrasa o Império

Ou como diria Obélix, “estes romanos são tontinhos…”

Porque o Porto não é um adversário. É, com a bonomia e ausência de ódio que o futebol exige, o que de mais próximo há de um inimigo. Contra o Benfica move-nos o futebol. Contra o Porto move-nos a civilização contra a barbárie. Os portistas não são nem melhores nem piores do que os outros. Mas a sua direcção é de natureza diferente. Move-se pelo tráfico de influências, a batota e métodos inaceitáveis num Estado de Direito. Baseia a sua paixão num bairrismo provinciano, que se mistura facilmente com o ressentimento contra Lisboa.

Daniel Sporting Oliveira do Capital

Mesmo sabendo que o futebol serve para libertar a estupidez que há dentro de cada um de nós, há limites para tudo. A província deu 5-0.  E amanhã, pela primeira e espero que última vez na vida vou torcer pelo Guimarães.

Comments

  1. miguel dias says:

    Ganharam um jogo de futebol. Foram melhores (neste jogo) e ganharam.
    Mas não sabem ganhar tanto como não sabem perder.
    Que raio de adeptos atira bolas de golfe ao guarda-redes da equipa adversária quando está a ganhar por 3-0 em casa?
    É isso que vos define mais do que as vossas vitórias.
    É por isso que podem ganhar tudo o que há para ganhar, mas nunca serão respeitados.
    E é isso que separa, como bem assinala o DO, um adversário de um inimigo.


  2. Miguel, eu vi foi um frango a correr…
    Sim, parte do público é formada por imbecis, em toda a parte. E que dizer de um jogador que recusa o cumprimento de um colega sobre quem acabou de cometer falta?
    E da cotovelada que acabou como jogo?

  3. miguel dias says:

    Bem havia dois frangos em campo.
    Um vestido de branco (sobre o qual foram arremessadas bolas de golfe o que obrigou a várias interrupções do jogo- estranha cegueira a tua, certamente é o ilvico) e outro de negro, resquício da macumba que nos foi feita.
    O que dizer, perguntas nos casos que assinalas.
    É um gajo que está fodido por estar a perder e é um gajo que, para além de estar a perder, está fodido porque lhe deram três cassetadas consecutivas e perde as estribeiras.


  4. Eu compreendo, um gajo desabitua-se e é tramado.


  5. Não fosse o meu amigo JJC e eu nem tinha dado por este monte de trampa escrito pelo parvalhão do Daniel Oliveira. O esquerda-caviar Daniel Oliveira talvez não saiba, quiçá até desconfia, mas aqui nesta minha terra, neste meu Porto, quando nos atiram com merda deste calibre respondemos com desprezo pois este tipo de meninos queques que escrevem estes montes de esterco fedem tanto como a dita e por isso devem ser ignorados. Olha, sabes, meu caro JJC, bardamerda para este tipo de parvalhões…

  6. joão figueiredo says:

    tanta prosápia e nem acabaram o jogo. o green não tinha 9 buracos? e quando vierem à civilização, tragam também os tacos. escusam de fazer a figura de empurrar a bola aos coices e aos sacões.

  7. A. Pedro says:

    Tens razão Miguel. O Benfica perdeu no campo (sem espinhas) e os campónios perderam em todo o resto, desde a agressão ao autocarro até às bolas de golfe. Quando ganham, perdem. Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos. (Os que nada têm a ver com esta adjectivação, nada têm a ver com esta adjectivação, ponto final.)


  8. Há umas pastilhas na farmácia Pedro, ainda do tempo em que a tua avó escrevia pharmácia, mas eu aconselho mesmo é a água das pedras.
    Cinco garrafinhas de água das pedras, ao longo do dia, e vais ver que isso passa.

  9. Ricardo Santos Pinto says:

    Caro Miguel e António Pedro, é a isso que chamam saber perder, num jogo que não teve casos e onde as claques se comportaram como se comportam as claques de TODOS os clubes?
    As vossas até já assassinaram um adepto em pleno Estádio. Serão vocês Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos por causa disso?
    Em 1994, vocês ganharam 2-0 ao FC Porto na Luz (o célebre caso Mozer / Ferrnando Couto). E no fim do jogo aconteceu isto. http://www.aventar.eu/2010/11/06/fc-porto-benfica-adeptos-benfiquistas-atacados-a-entrada-no-porto/ . Compreende-se este ataque depois de terem ganho? Serão vocês Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos por causa disso?
    Ontem, o autocarro do Benfica ficou com uma rachadela. Há dois anos, um autocarro de adeptos do FC do Porto foi incendiado em Lisboa durante um jogo de hóquei no Estádio da Luz. http://www.tugasport.com/autocarro-de-adeptos-do-fc-porto-incendiado-em-lisboa/
    Serão vocês Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos por causa disso?
    Não, não são. Vocês só não percebem que os adeptos de futebol são todos iguais. Não percebem que as claques são todas iguais. E não percebem, porque não querem perceber, que o discurso do presidente do Benfica não se distingue em nada do discurso do presidente do Porto. E não percebem que era exactamente isso que diziam do José Mourinho quando ele era treinador do Poto – agora, já é fantástico por ter exactamente o mesmo tipo de discurso, por onde passa, que tinha no Porto.
    É por isso que vêm sempre com essa adjectivação. A do Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos. Como dizia Sophia de Mello Breyner, não há em Portugal gente mais provinciana do que a gente de Lisboa. É nessa posição que se coloca o Daniel Oliveira.
    O que aconteceu ontem acontece em todos os jogos grandes, seja no Dragão, na Luz ou em Alvalade. Mas se tivesse sido na Luz, vocês não diriam que os adeptos do Benfica são Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos.

  10. A. Pedro says:

    Ricardo, fui eu que chamei esses nomes todos, não foi o Miguel.
    Seja no norte, seja no sul, seja no centro, acima ou abaixo do equador, os que destroem autocarros, ameaçam a integridade física dos atletas, atiram bolas de golfe, insultam, apelam a bairrismos bacocos, etc. são Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos. Mais palavra, menos palavra, sempre disse isso, mesmo quando os trolls são do Benfica. E são-no mais quando fazem isso apesar de ganharem.
    Gosto muito da Sophia M.B. mas calma lá: o provincianismo está na cabeça de cada um independentemente da terra onde viva. Eu moro na província e nunca me senti provinciano. Atesta-o o facto de nunca me ter servido da origem geográfica das pessoas para bairrismos apatetados e generalizações pacóvias. E para mim um lisboeta vale o mesmo que um algarvio ou um portuense. Provincianos são os que estabelem diferenças de valor.
    Além disso, repito:Os que nada têm a ver com esta adjectivação, nada têm a ver com esta adjectivação. Se a carapuça servir a alguém…

  11. Ricardo Santos Pinto says:

    Mas era exactamente isso que a Sophia de Mello Breyner queria dizer: que geralmente os mais provincianos estão em Lisboa – são aqueles que mais «estabelecem diferenças de valor» entre eles próprios e os outros, os de fora da civilização.
    Também nunca me senti provinciano, o que não quer dizer que goste quando me chamam isso.

  12. miguel dias says:

    Ricardo,
    é evidente que há imbecis, como diz o JJ em todos os clubes. Até acrescento que no caso do Benfica essa dose deve ser maior por termos mais gente.
    Escaramuças de imbecis fora do estádio, ataques despropositados ele há exemplos aos pontapés para ambos os lados.
    O que eu achei extraordinário foi o facto de num momento de júbilo em que a vossa equipa nos estava a dar um banho de bola e a ganhar por três a zero, atirarem bolas de golfe contra o guarda-redes. Foi algo que nunca vi. Estivessem vocês a perder, a coisa até tinha uma certa racionalidade. Continuava a ser uma imbecilidade. Mas tivesse o árbitro gamado um penalti, haveria uma certa lógica na coisa.
    E o exemplo vem de cima. O que é que o P da Costa diz depois do jogo. Nem uma palavra, já não digo ao clube, mas pelo menos ao jogador, um pequeno lamentamos bastaria. Não, Sua Eminência, fala das vendas do Benfica como se ele tivesse alguma coisa a ver com isso, de como ele é que sabe, o treinador dele é que é bom, o Benfica é uma merda, a polícia idem aspas aspas. (E não o discurso do LFilipe Vieira não é o mesmo).
    O que revela daqui é um profundo ressentimento cultivado até à exaustão pelo vosso presidente de há décadas para cá contra o Benfica, que alimenta a turba de bárbaros, ao ponto de contaminar gente que em outras circunstâncias se pauta por regras minimas de civilidade.
    E é por isso, que eu hoje podia estar aqui caladinho como um rato, roído de inveja e vergonha, a ter de vos dar os parabéns, porque é essa a natureza do futebol, perder e ganhar, a beber água mineral (que outra não se bebe por aqui), mas prefiro, ainda que me acusem de ressabiado, de ter de vos apontar que existe uma grande mas muitíssima grande diferença entre ser do Benfica e ser do FCPorto, que é precisamente a mesma entre saber perder e saber ganhar ou seja entre ser-se civilizado e ser-se bárbaro.
    (e não me falem de bairrismos e provincianismos, terminologia para a qual me estou nas tintas, porque o Benfica é um clube de bairro e de muitas províncias inclusive ultramarinas).

  13. Ricardo Santos Pinto says:

    Miguel,

    Quem teve um Presidente como o Vale e Azevedo, que era levado em ombras por causa do discurso anti-Porto que fazia, não pode dizer o que tu dizes do Porto.
    «existe uma grande mas muitíssima grande diferença entre ser do Benfica e ser do FCPorto». É exactamenter o tipo de coisas que ninguém pode dizer. Há gente boa e gente estúpida em todos os clubes. Queres dizer que os portistas não sabem ganhar nem perder mas os benfiquistas, esses sim, sabem todos ganhar e perder muito bem?
    A generalização é que vos fica mal, como se os benfiquistas fossem todos uma casta de iluminados e se os portistas fossem todos uma merda que andam para aqui. Sabes muito bem que as minorias é que fazem o que fazem. Num estádio com 50 mil portistas, bastou meia dúzia atirar umas bolas para tu vires dizer que «há uma grande diferença entre ser do Benfica e ser do FC do Porto». Não, não há. Os adeptos de futebol são todos iguais.
    E quanto aos Presidentes é a mesma coisa. O Luis Filipe Vieira fala de alto quando vai em primeiro, ataca tudo e todos quando perde, exactamente como o Pinto da Costa. A escola dos dois é a mesma, embora o Pinto da Costa seja doutorado onde o outro ainda é aprendiz. O que diriam do Pinto da Costa se ele apelasse a que os adeptos não fossem ver o Porto aos outros estádios? O que diriam se o Pinto da Costa dissesse que faltaria a um jogo? Mais uma vez: o Pinto da Costa é um vigarista provocador, o Luis Filipe Vieira é um homem sério e honesto que nunca ataca os outros.


  14. A. Pedro :
    Tens razão Miguel. O Benfica perdeu no campo (sem espinhas) e os campónios perderam em todo o resto, desde a agressão ao autocarro até às bolas de golfe. Quando ganham, perdem. Labregos. Bárbaros. Provincianos. Básicos. Pacóvios. Trolls. Suburbanos. Complexados. Pequeninos. (Os que nada têm a ver com esta adjectivação, nada têm a ver com esta adjectivação, ponto final.)

    Com este comentário, A. Pedro assume a posição sempre corajosa do ‘toca e foge’. Insulta os adeptos do FC Porto e depois dá a entender que só enfia a carapuça quem quer. E depois os portistas é que têm mau perder. Apre!

  15. A. Pedro says:

    Zé Freitas:
    1- Não insulto os adeptos do FCP, nem de nenhum outro clube. Refiro-me só aos que atacam autocarros, racham cabeças aos outros com bolas de golfe (ouvi hoje um depoimento de um adepto que teve que ir ao hospital com a cabeça partida)
    2- Não enfia a carapuça quem quer, enfia-a a quem ela serve, o que é muito diferente.
    3- Não há carapuças universais que sirvam a todos e é por isso que evito sempre generalizações.
    4- Não fujo e mantenho o que disse, ou melhor, fujo. Fujo dos campos de futebol e de locais onde há energúmenos prontos a pôr em risco a integridade física de actores e espectadores por motivos gratuitos. É por isso que não vou ao futebol com os meus filhos, por exemplo, seja no Dragão, seja na Luz, seja em Alvalade, etc.
    5- Dentro do campo o FCP foi muito superior e ganhou, como disse, sem espinhas (sem casos, sem árbitros, sem “teatros”, etc.). O Luisão foi bem expulso. Isto é mau perder?


  16. João José Cardoso,

    Seria interessante da sua parte comentar as declarações do insuspeito Mourinho que disse que vir ao Porto é como ir à Sicília!…

    FM Sá,

    Uma pessoa com a sua responsabilidade deveria ter mais tento na língua. O fanatismo e a deontologia não devem andar de mãos dadas…


  17. Dylan:

    “Uma pessoa com a sua responsabilidade”? “Deontologia”? Está a falar de quê? Só para eu perceber


  18. FMS,

    Só lhe digo: muito mau está/esteve o jornalismo com pessoas do seu calibre. Um pouco de isenção, não?
    Engraçado, um “partidarista do táxi” a criticar a esquerda-caviar, ou como o futebol põe o pessoal cego!


  19. Meu caro Dylan: anda engano por aí. Não exerço a profissão de jornalista e nem sou “partidarista do táxi”. Anda engano por aí. Deve ser das fontes…


  20. Eehehehehe,

    Você é mesmo engraçado FMS. Um abraço maiato!

  21. Fernando Moreira de Sá says:

    Meu caro Emanuel Caetano, saudações maiatas e, sobretudo, portistas de um não partidário do táxi nem jornalista.

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blogue Aventar, joao j cardoso. joao j cardoso said: E assim a barbárie arrasa o Império: Ou como diria Obélix, “estes romanos são tontinhos…” Porque o Porto não é u… http://bit.ly/b1INCF […]


  2. […] This post was Twitted by fmsa […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.