Diz-me para que lado puxas e dir-te-ei quem és

Gente de vários quadrantes – alguma mais insuspeita do que outra – tem vindo a apelar a um entendimento nacional, a uma espécie de consenso, para que o país enfrente os desafios que se apresentam. Não tenho dúvidas de que alguma racionalidade básica e atenção aos interesses comuns e nacionais fariam milagres e aliviariam o fardo.

Acho, aliás, numa altura em que se pedem sacrifícios a “todos” os portugueses, que um mínimo de elevação de discurso e boa dose de clarividência política ajudariam os portugueses a entender as razões e justificações dos pedidos. “Falar verdade” funcionaria muito mais como prática quotidiana do que funciona como slogan eleitoral com uma classe política desacreditada. Quisessem a união e compreensão dos portugueses e explicar-lhes-iam -se soubessem- de onde se vem e para onde se vai.  Fosse importante a participação dos portugueses e aplicariam a “transparência” e o rigor. Pretendessem a colaboração dos portugueses e evitar-se-iam os sinais contraditórios, as injustiças gritantes e as decisões irracionais.

É que não basta dizer: Portugueses, vamos puxar todos para o mesmo lado (e só poderiam dizê-lo com credibilidade depois de findo o cortejo constante de acusações e vitimizações), para que os portugueses saltem do descrédito para a ação.

Teriam, por exemplo, que dizer para que lado puxar e para quê. Quantos portugueses querem fazer sacrifícios e ainda assim puxar para este lado? E para este? E este?

Porque para certos lados a corda até parece não precisar de ser puxada. Basta-lhe a inércia e a lei da “gravidade”.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.