Contos Proibidos: Memórias de um PS Desconhecido. As más relações de Mário Soares com Felipe González


continuação daqui

O secretário-geral do PS estava eufórico com a ocasião [Conferência «Europa Connosco» no Porto], ao lado dos grandes da social-democracia mundial. Estatuto que considerava não poder ser atribuido a Felipe Gonzalez que, além de usar blusão de cabedal na cerimónia, não era reconhecido na Espanha pelo Partido Socialista Popular, chefiado por Tierno Galvan. E no que respeita a Espanha, em 1976, as preferências de Soares eram claramente a favor do partido dos seus amigos Raul Morodo e Fernando Moran, estando mesmo convencido que, eleitoralmente, até o PCE de Santiago Carrilho teria mais votos do que o «grupo» de Gonzalez.
Assim, numa das crises de «enfant gatê» que ocasionalmente o assaltavam, não queria que Gonzalez discursasse no grande comício que teve lugar no Palácio de Cristal, no dia 13, encarregando-me a mim da desagradável tarefa de explicar a Gonzalez que só um número restrito de oradores estava previsto. Um pequeno número que incluía só os «grandes» líderes. Tanto quanto me pude aperceber então, a ideia era excluir Zenha, cuja reputação nacional, popularidade e estatura moral lhe começavam a fazer sombra. E depois, quando já fosse tarde demais, seria eu responsabilizado, por ter sido eu a organizar a conferência. (…) Mas, como já tinha explicado inicialmente, as relações do PS com o PSOE não eram exactamente as melhores, se bem que, da parte de Felipe Gonzalez, todos os esforços fossem feitos para um bom relacionamento connosco. (…)
Começa aqui a explicação da deselegância da cimeira do Porto. Soares não queria Gonzalez nessa cimeira e seria o chanceler Bruno Kreisky quem insistiria para que o jovem líder espanhol estivesse presente. (…) Mário Soares cumprimentaria sem grandes cerimónias os «convidados» espanhóis, que nunca lhe perdoariam a altivez e a frieza da recepção. E apesar de todos os esforços que eu desenvolveria nos anos seguintes, as relações de Mário Soares com Felipe Gonzalez seriam sempre pouco calorosas.

Comments

  1. Nuno Castelo-Branco says:

    Por agora, a mesquinhez da política, parece ser a nota dominante.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.