No futebol também tivemos heróis

A propósito da primeira final da taça de Portugal, parece que algumas boas almas se abespinharam com a constatação de que na época os jogadores eram “convidados” a praticar a saudação fascista em jogos oficiais.
Na realidade nem todos o fizeram. também no futebol tivemos homens de coragem. Exemplo máximo: o jogo entre a selecção portuguesa e a selecção falangista realizado a 30 de Janeiro de 1938.

A 30 de Janeiro de 1938, a selecção portuguesa de futebol joga com uma Espanha ainda em guerra civil, o jogo que não foi reconhecido pelas instâncias internacionais do futebol, foi organizado pelo regime franquista e pela propaganda salazarenta.

Por essa altura, tinha-se tornado obrigatória a saudação fascista (naquele tempo «olímpica») no alinhamento inicial.

E foi então que três jogadores do Belenenses faltaram à regra: Quaresma ficou em sentido, não erguendo sequer o braço; Simões e Amaro ergueram os punhos cerrados na a saudação comunista. Juntou-se ainda o guarda-redes Azevedo, do Sporting, que encolheu ligeiramente os dedos, curiosamente, muitos anos mais tarde, Azevedo viria a confessar que era também adepto do Belenenses… para além de vir do Barreirense, como Quaresma.

A seguir ao jogo todos eles foram detidos pela polícia política (a PVDE) para interrogatório.
Como contou Quaresma uns anos mais tarde (Record, Janeiro de 2004): «Fomos à Pide e eles ficaram. Eu, deixando o braço em baixo, disse que me esquecera de o levantar. Nunca fui político, mas embirrava com aquelas coisas do fascismo. O Barreiro era foco de comunistas opositores ao regime e eu era amigo de muitos. Mas fiz aquilo sem premeditação, foi um acto natural.»
Amaro e Simões acabaram também por ser libertados, embora fossem mais “activos” na sua contestação. Mas eram jovens, já famosos, e os bons ofícios de gente ligada ao Clube ajudaram a resolver o caso.

Fica ainda o rocambolesco da revista Stadium, que publicou uma fotografia «retocada» do alinhamento, com uns toscos dedos esticados acrescentados às mãos dos jogadores!

Quaresma, recentemente falecido, era tio-avô do Quaresma ontem seleccionado, e que me parece a caminho de fazer estragos no próximo europeu. E viva o velho Belenenses.

Comments


  1. Pisca says:

    João Optimo Post, obrigado, o meu Belenenses também agradece

    Não me venham com o Tomaz ou Thomaz, que ainda vos conto umas coisas dos Gois Mota (Sporting), ou Barbieri Cardoso (Benfica)


  2. Conta! Que das histórias do Tomás ser do Belenenses já sabemos.
    Ainda falta contar é as vezes que não desceram de divisão à custa da secretaria.

  3. Maquiavel says:

    Espera… a saudaçäo olímpica? É que essa é parecida com aquela romana, mas há um pormenor importante que as distingue.
    http://media-3.web.britannica.com/eb-media/39/84939-004-B175DD4E.jpg
    Claro que depois da chegada de Hitler ao poder deixou de se fazer para evitar confusöes, como em 1936 com os canadianos.
    Ver http://en.wikipedia.org/wiki/Olympic_salute#Olympic_salute

  4. Pisca says:

    Isso do evitar descer pela secretaria tem muito que se lhe diga, sou mais pelos alargamentos feitos para o Porto não descer, historias antigas

    Quanto ao resto Caso Mateus e Estrela da Amadora, creio serem outra coisa

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.