Aberrações

Há mundos totalmente discrepantes dentro do mesmo país. Refiro-me ao mundo do homem mais rico da Índia, um empresário que construiu uma habitação com 27 pisos para a sua família de apenas 4 pessoas; que «precisa» de 3 plataformas para helicópteros; de um parque de estacionamento para 160 automóveis e de 600 empregados domésticos. Estes números são, por si só, escandalosos. Mais ainda se tornam quando associados a uma habitação. Depois, porque esta está situada em Bombaim, onde é maior o flagelo da pobreza na Índia. Ficamos ainda mais boquiabertos se pensarmos que foi aí que madre Teresa de Calcutá trabalhou. E, em contraste, penso na vida dos mais de 410 milhões de conterrâneos do empresário indiano (uma criatura do “outro mundo”), seus vizinhos, pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza (1,25 dólar por dia) e que constituem um terço dos pobres de todo o mundo, num país com uma situação pior que a da África.

São números aberrantes, tal como a arquitectura dessa casa mais cara do mundo (1 bilhão de dólares) com seus 173 metros de altura e 3 heliportos, coisas que só o poder e o dinheiro podem erguer. Foi esta a forma que o multimilionário encontrou para se pôr a salvo e o mais afastado possível da fealdade do «pé descalço», da «sujidade», da «lama», da «lepra» e da «miséria» que se tornam, a tantos metros do solo, coisas pequeninas e insignificantes.

 “Longe da vista, longe do coração”…

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Quando um pobre morre levará para a campa pelo menos a sua honra – este milionário nem isso levará – ele é que é demasiado pobre – Também foi um indiano, não rico, que criou o banco dos pobres e ajudou muita gente e tudo se desmultiplicou e tal que “outros” “abençoaram a idéia” e criaram uma empresa de tal forma grandiosa que dá de “comer” a muitos que recriaram bancos e vivem à grande – reportagem TV – afinal são sempre os pobres que fazem os RICOS – como se chama esse “banco” que creio que a ideia chegou cá ?? já não recordo – ainda bem – as histórias dos ricos assim xateiam-me e jé não tenho idade para ter memória

  2. Maquiavel says:

    Também acho uma aberraçäo. Casa que é casa tem de ter pelo menos 30 pisos.


  3. Um bom exemplo de trickle-down economics. Já viu que o homem só para o serviço doméstico dá emprego a 600 pessoas? Se os nossos Amorins, Espíritos Santos & Cia fizessem o mesmo acabava o desemprego num instante.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.