Atenas morre

“Não de ataque cardíaco, mas de alzheimer.” Um retrato da Atenas dos nossos dias pelo escritor Petros Márkaris (em castelhano).

Comments


  1. Obrigado Carla Romualdo por este relato impressionante do caminho grego que seguimos.


  2. morre mas nã se rende….ganda gaija
    já mataram mais sub-humanos nazis?


  3. As cidades morrem um pouco por todo o lado – na Grécia, em Portugal, na Irlanda, em Inglaterra (e nos USA!). Dizem-nos que há luz ao fim destes túneis de morte, e que os projectos de regeneração urbana as fazem brotar das cinzas mais fortes e humanas. Eu, sinceramente, ainda estou para ver um projecto de regeneração dos espaços citadinos assim milagroso, embora esteja farta de ver os espantosamente rentáveis (privados, claro, uma vez alienados os pedaços de património público) que se tem vindo a fazer por aqui e por ali no UK… E depois, claro, cada mexilhão vai-se safando o melhor que consegue (os exemplos aprendem-se, dizem-me), e em casa de miséria, literalmente, quem tem um quarto para alugar é rei…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.