Aroma de Hitler

Cada vez estou mais convencida de que o mundo está a transformar-se na caricatura de si mesmo, ridícula e superficial até ao limite do suportável.

Numa época em que se vão fazendo evidentes as semelhanças entre o momento actual e a história recente, e em que por isso tão vital é conhecê-la, quanto mais não fosse como antídoto para a repetição do que ela teve de pior, reparem na promoção que um canal televisivo temático decidiu fazer de uma série de programas dedicados à II Guerra Mundial.

O perfumista Lourenço Lucena foi convidado a criar um aroma para cada um dos protagonistas da série: Winston Churchill, Adolf Hitler, Franklin D. Roosevelt, Hideki Tojo, Benito Mussolini e Josef Estaline. Conhecer os “aromas da história”, é a original metáfora, e enormíssimo desafio, porque os aromas desta história não são aqueles que costumam caber num frasquinho de essências: o sangue derramado, e “só o sangue cheira a sangue”, dizia Anna Akhmátova, o gás das câmaras de Auschwitz-Birkenau, a carne queimada em Hiroshima. Não era simpático, deve ter pensado o perfumista, e por isso inspirou-se nas características dos protagonistas, homens fortes, de aroma intenso.

O “aroma Roosevelt”, por exemplo, é “uma brisa marinha, numa clara referência ao desembarque da Normandia”. Já sobre Mussolini, o perfumista entende que poderia ter usado um aroma de café, pela invasão da Etiópia, mas prefere associar-lhe “composição floral intensa e majestosa com a flor roxa de iris, ostensiva e imperial como um manto real.”

Estaline cheira a gelo e frio, porque “as condições atmosféricas tornavam-se o seu principal inimigo dada a mortalidade que lhe estava associada.”

Por esta altura imagino que se interrogarão que perfume é associado a Hitler. Deixo-vos a descrição completa, porque não tem desperdício:

Numa metáfora do que ele representou ao ceifar milhares de vidas, podíamos associar o aroma da relva acabada de cortar, isto é, o corte da vida quando ela rebentava e se preparava para crescer, o aroma que lhe associo é uma composição do aroma do óleo dos tanques de guerra que invadiram a Europa associado ao aroma da madeira queimada numa referência à destruição de tudo por onde passavam.

Estamos, pois, todos convidados a visitar as lojas que promovem o canal e desfrutar dessa experiência sensorial, mergulhar no cheiro a erva acabada de cortar e óleo de tanque, sair dali com os pulsos perfumados com aroma de Hitler ou Estaline e passear pelas ruas, ostensivos e imperiais, aconchegados na nuvem aromática como se fosse um manto.

A mim, com a vossa licença, cheira-me a merda.

Comments

  1. José Peralta says:

    Também a mim ! E da mais pútrida…

  2. coelhopereira says:

    A imbecilidade da ideia quadra bem com o fosso de podridão ética no qual nos vemos mergulhados. A frivolidade acéfala é rainha e a mais extrema ignorância é uma linda prenda que se exibe com um orgulho transbordante.
    Quem sabe se o bom do perfumista não estará a abalançar-se para, “empreendedoristicamente”, lançar-se à conquista de novos mercados: já estou a ver os bravos mancebos das hordas milicianas do Svoboda e do Pravy Sektor todos perfumadinhos com a “Fragância Adolf Hitler”, enquanto massacram as populações do Donbass e reduzem a entulho as suas cidades. Isto o que é preciso é olho para o negócio…

  3. Esbulhador says:

    Este é o canal de História que dá documentários sobre aliens e defende que eles estão entre nós, certo? Pois… Há muito que as audiências arruinaram esse e outros canais parecidos.


  4. De facto. O cheiro é insuportável.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.