Laggiù tutto continua come se nulla fosse accaduto

Leon Foucault e il pendolo

AP Photo/Francesco Bellini (bit.ly/1rfYDdV)

É verdade, admito: não acredito em milagres. Por esse motivo, não fiquei surpreendido com as ocorrências de fatoseção no Diário da República de hoje. Na sexta-feira, aquilo. De permeio, o fim-de-semana e os respectivos hífenes. Hoje, isto:

Nos termos dispostos da alínea d) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 37.º do capítulo V da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de fevereiro, torna-se pública a lista nominativa do pessoal não docente cuja relação jurídica de emprego cessou por motivo de aposentação, conforme refere a alínea c) do artigo 251.º anexo I (regime) — Capítulo VII — Seção II da Lei n.º 59/2008, de 11 de setembro, no período compreendido entre 1 de janeiro e 31 de agosto de 2014.

(…)

Os proprietários, usufrutuários, arrendatários ou qualquer indivíduo ou entidade que disponha de título válido, que legitime o uso e fruição do local de ligação, ou aqueles que detêm a legal administração dos prédios devem efetuar a mudança de titularidade dos contratos de recolha sempre que estes não estejam em seu nome. E sempre que os contadores registem a primeira contagem no prazo de 15 dias úteis, contados da data de verificação do fato, sob pena da interrupção de fornecimento de água.

Entretanto, laggiù (ou seja, no IILP e na AR), efectivamente, tutto continua come se nulla fosse accaduto.

Continuação de uma óptima semana.

***

La Manuzio era una casa editrice per APS.
Un APS, nel gergo Manuzio, era – ma perché uso l’imperfetto? gli APS sono ancora, laggiù tutto continua come se nulla fosse accaduto, sono io che ormai proietto tutto in un passato tremendamente remoto, perché quello che è successo l’altra sera ha segnato come una lacerazione nel tempo, nella navata di Saint-Martin-des-Champs è stato sconvolto l’ordine dei secoli… o forse è perché di colpo, dall’altra sera sono invecchiato di decenni, o il timore che Essi mi raggiungano mi fa parlare come se ormai facessi cronaca di un impero in sfacelo, disteso nel balneum, le vene ormai lacerate, attendendo di annegare nel mio sangue…

Un APS è un Autore a Proprie Spese e la Manuzio è una di quelle imprese che nei paesi anglosassoni si chiamano “vanity press”.

Umberto Eco, Il pendolo di Foucault

Salsicha educativa

hot-dog-dog

Resumindo e concluindo: o Coelho queria dizer que Crato é ou faz cachorros. Concordo.

Remanso informativo

Anda para aí um processo branqueador do caso tecnoforma que é uma delícia. Sabe-se agora, vejam lá, que o homem da regisconta não tinha obrigações de exclusividade quando ocupou o lugar de deputado entre 1995 e 1999, altura em que terá recebido pagamentos da malfadada empresa. E a comunicação social não tinha maneira de saber isto antes de ter alimentado a putativa incompatibilidade que marinou na imprensa durante uns dias?

Sucede que o caso tecnoforma não tem nada a ver come ssa questão menor, mas com uma inacreditável situação de nepotismo envolvendo o governante relvas com responsabilidades sobre os fundos públicos entregues à tecnoforma e o seu técnico coelho, actual primeiro-ministro. Assim, quando transpirarem novos dados do processo de investigação aberto pelo MP a essa “joint-venture” (porque vão transpirar, passaram 3 convenientes anos e as eleições já se avistam…), o povão já estará remetido ao tecnofórmico remanso informativo.

Companhia aérea de bandeira – III

-É absolutamente extraordinário que uma empresa decida criar uma filial e como reacção os seus trabalhadores convoquem greve. Mas verdadeiramente surreal é a empresa anunciar o recuo na decisão, obtendo como resposta dos sindicatos a manutenção da greve. Não me parecem estar em causa reivindicações salariais ou direitos laborais, que poderíamos concordar ou não, mas colocariam o assunto noutro tipo de discussão. A questão é uma corporação pretender afastar potencial concorrência em nome de privilégios. A aviação cívil, nomeadamente a europeia é cada vez mais um mundo à parte, causando prejuízos a contribuintes e consumidores…

Companhia aérea de bandeira – II

-Por este caminho não adiantará muito privatizar a TAP. O valor só pode estar a cair a pique, acabará vendida a preço de saldo…

Então Oremos

barbie_de_fatima