Escócia e o lobo mau

Não, não tenho a certeza de qual é a melhor escolha para os escoceses. A complexidade da questão e a ausência de propostas de caminhos e opções políticas para além da independência pura e simples levam-me a reservar entusiasmos e suspender a opinião, até por não dominar grande parte das variáveis em jogo. Além do mais, tenho as maiores reservas sobre o referendo como instrumento de deliberação democrática – por razões que podemos discutir noutro lugar e em diferentes condições.

Mas coisa bem diferente é não reconhecer o direito dos escoceses tomarem a sua decisão sem ameaças torpes vindas do poder – de todos os partidos parlamentares – político e económico inglês. Tais ameaças vêm de todo o lado. Até a União Europeia já resmunga ameaças. Mesmo Platini e a merdosa UEFA se sentem no direito de ameaçar! Os últimos dias têm sido um compêndio da arte de fazer uma campanha suja. [Read more…]

Eu assumo, tu assumes

Uma das mais caricatas patologias políticas de que sofrem os nossos governantes é a “assumoaresponsabilidadite”, consistindo esta maleita no pundonoroso hábito de os ministros assumirem, com empáfia, responsabilidade sobre coisas que toda a gente sabe serem efectivamente da sua – deles – responsabilidade. Normalmente isso só acontece quando tal é tão evidente que, calculando vantagens e prejuízos, é melhor botar figura de franqueza. Ou quando o mandante que lhes dá corda – no caso, geralmente, o 1º ministro.

Hoje assistimos a duas dessas cenas. A ministra da justiça assumiu uma responsabilidade que todos sabemos ser sua; até pediu desculpa em tom de quem ralha aos destinatários. O Crato, na Assembleia da Republica, ensaiou coisa parecida naquele seu jeito atarantado de quem parece ter alguma coisa para dizer mas não sabe como. Há, até, assunções de responsabilidade que podem valer, como prémio, belos tachos – a presidência de uma grande empresa de construções, por exemplo. Termino dentro deste espírito, anunciando que assumo a responsabilidade pelas palavras que acabo de escrever.

O Crato

nuno crato
O Crato! Conheci-o, sabes, Horácio? – desculpem, mas não resisti a polir-me neste tom shakespeariano. Era um eloquente comentador naquele programa em que o Crespo e mais três economistas – sim, o Crato é economista, tendo feito uma pós-graduação em matemática; que querem, ninguém é perfeito – botavam sentença uma coisa chamada, se não estou em erro, “plano inclinado”.

E era vê-los, todos lampeiros, discorrendo sobre o facto de, com excepção dos presentes no programa, os portugueses serem todos, em maior ou menor grau, oligofrénicos.

Eles não usavam muito aquilo que se designa por argumentos. A sua retórica era mais próxima do que, na velha terminologia coimbrã, se chama – com vossa licença – caga-tacos. Jogando todos em casa e sem grande risco de contraditório, Crato, Medina e Duque pareciam, aos ingénuos, saber do que falavam e havia até quem pensasse que tais figurões eram pessoas sérias. Agora que vemos Crato com a responsabilidade do Ministério da Educação e (os deuses nos valham!) da Ciência, não no cargo – ao seu alcance, penso – de porteiro, mas no cargo de ministro, espantamo-nos com o seu desempenho no Parlamento. Perdido no labirinto da sua própria incompetência. Intelectualmente trôpego, pouco informado, não-sei-se-vá-se- venha, incapaz de defender os pontos de vista que, acreditavam alguns, possuía.

Eis Crato, em quem luz algum talento. Só não conseguimos vislumbrar qual.

José Manuel Fernandes volta a analfabetar

O Paulo e o Paulo comentaram uma coisa que o José Manuel Fernandes obrou, sobre ensino, no Blasfémias onde lhe pagam. Tapei o nariz, fui ver, a meio do primeiro parágrafo regressei ao velho Grito do Povo, e antes de vomitar saltei para os comentários. Gostei deste:

jose manuel fernandes

embora seja repetitivo explicar ao mundo que o ex-director do Público é o Relvas dos jornais, fazido e bem pago.

Quando a extrema-direita endinheirada decide sustentar um pasquim online e não arranja melhor que um analfabeto para ali se sustentar temos o retrato do país que somos. Coitado, aprendeu a juntar letras ainda no tempo do Salazar.

O transtorno

Já assistimos há anos ao transtorno da justiça funcionar mal. Agora, simplesmente, acresce o transtorno de não funcionar, de todo, há quase um mês.

Simulação do que aconteceria aos partidos com a redução do número de deputados para 181

O Helder Guerreiro disponibilizou mais um serviço público no seu tretas.org. Trata-se de um simulador que mostra como poderia ser a distribuição de cadeiras no Parlamento em eleições anteriores caso o número de deputados fosse outro e/ou se a distribuição fosse por círculos eleitorais ou por um círculo eleitoral único.

A imagem seguinte mostra como seria o actual Parlamento saído das eleições legislativas de 5 de Junho de 2011 se apenas fossem eleitos 181 deputados.

parlamento-181
Simulador disponível em parlamento.tretas.org

O número de deputados que actualmente constitui a Assembleia da República é  PPD/PSD: 108; PS: 74; CDS-PP: 24; PCP-PEV: 16; B.E.: 8. Com a reorganização são os pequenos partidos que mais perdem e, consequentemente, mais se perde na diferença de opiniões e soluções.

António José Seguro, em vez de ser populista, faria melhor serviço ao país e a si mesmo se defendesse a redução dos gastos com cada deputado, em vez de pretender reduzir o número de deputados. Ou será preciso lembrar, por exemplo, o caso dos deputados que colocam a morada fora de Lisboa só para receber as ajudas de custo? E que dizer da sumptuosa cantina da Assembleia da República? E dos carros para os grupos parlamentares? Isto só para exemplificar.

Mas se a preocupação de Seguro é mesmo a despesa do Estado, porque é que ainda não perguntou pelas fundações que o governo anunciou que ia extinguir, afinal de contas, uma grande bandeira eleitoral, mas que ainda continuam a existir. E os contratos com os escritórios de advogados e os gastos de consultoria? Isto, novamente, só para exemplificar.

Seguro é um desastre, como se pode ver pelas tiradas que já ficaram célebres e, novamente, como se constata nesta proposta. “Qual é a pressa?” “Anulei-me no PS para manter a paz interna.”

I wish a good day for freedom

O flower of Scotland
When will we see
Your like again
That fought and died for
Your wee bit hill and glen
And stood against him
Proud Edward’s army
And sent him homeward
Tae think again [Read more…]

Pela Alba independente, sonhar não é pecado

ESCOCIA-

Não acredito que o dia de hoje acabe com uma Escócia independente. Conheço tão bem a perfídia da Velha Albion, sou português, ou seja nativo de uma ex-colónia britânica (e às vezes ainda parecemos) que duvido sempre quando se trata de a derrotar.

Une-me aos escoceses essa mesma História, o Walter Scott que me sabe sempre ao travo doce do malte da infância, a parte Astérix das terras que os romanos não conquistaram, a gaita-de-foles catedral dos instrumentos e nem por isso o uísque, que os prefiro de outras paragens.

Mas acima de tudo sou escocês como sou palestiniano, basco e catalão, irlandês ou galego, filho de uma pátria conseguida com mais sorte que juízo e muito sacrifício, seja os dos que caíram no séc XIV ou nos levantamentos populares que forçaram a fidalguia ao golpe de estado de 1640 ou em tantas outras guerras mais esquecidas, e por isso solidário com os povos que outros sequestraram.. [Read more…]