“”Greve? Eu não, sou dos que trabalha”

direito_greve_sindicalismoDiogo Barros

Ao ler tantos e tantos comentários negativos relativamente a quem faz greve, compreendo que trabalhar com um mínimo de direitos e condições em Portugal é, não só uma realidade que cada vez menos pessoas têm acesso, como uma verdadeira prova de valentia e coragem psicológica. Estas pessoas, além do serviço diário que naturalmente já fazem, são alvo quase que diariamente de uma lavagem cerebral atroz de que aquilo que têm são ‘regalias’ e que ‘há quem esteja disposto a trabalhar ainda por menos’. Eu não consigo imaginar a culpa e a pressão que muitas dessas pessoas devem sentir e acho isso abominável. Uma sociedade de lobos ávidos de sangue.

Ao defender o direito à greve de tanta gente trabalhadora que fala mal da mesma, sinto-me completamente num filme. Num filme cheio de pessoas, infelizmente, miseráveis a defender com unhas e dentes o direito à sua própria miserabilidade. É triste.

Os meus parabéns a todos os trabalhadores com direitos por aí fora. Que não se sintam mal nesta sociedade que cada vez mais lhes aponta o dedo e que façam, mesmo, o oposto: lutem por manter o que têm e, mesmo, por ganharem mais! E obrigado por existirem e serem realmente, o motor do país.

Comments

  1. João says:

    Excelente texto.
    Convidados assim também eu gostaria de ter lá em casa,

  2. Nightwish says:

    Depreendo que essas pessoas também fiquem satisfeitas quando os serviços forem cortados a metade depois de uma qualquer privatização.
    Há que fazer sacrifícios…

  3. joao lopes says:

    eu faço greve…e no dia seguinte sou profundamente atacado por trabalhadores que ganham 485 euros no intermarche(por ex.),entretanto estes trabalhadores são profundamente explorados pelos “fantasticos” gestores de portugal.bonito…


  4. O “autor convidado” demonstra ser um bocadinho imbecil ou da CGTP. Ou melhor, da CGTP, só.
    Em nenhuma noticia que li se contesta o direito à greve. Agora, o que estão os trabalhadores a contestar mesmo? Direitos para todos? Não, só mesmo “condições de trabalho dignas”. Não adiantam mais explicações. Nem eles nem a CGTP. Até porque se explicassem melhor, iam enfurecer as pessoas. E não acreditem em mim; No ultimo relatório do Tribunal de Contas que anexo, até dá gosto de ver os subsídios destes meninos. Pérolas como subsidio de ajuramentação, subsidio de quilometragem, subsidio de salubridade, subsidio de função entre outros.
    http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_auditoria/2010/audit-dgtc-rel007-2010-2s.pdf


    • O autor convidado referia-se ao teor dos comentários à notícia da greve, não se referia ao direito à greve…

    • Miguel says:

      Com tantos subsídios, só falta a estes trabalhadores terem mais tempo para navegar nos tablets, passear nos porshes, e descansar nas Maldivas. Tenha dó, meu caro! Não são estes os priviligiados em Portugal 🙂

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.