Tempo de Cratos

10411860_703163806443676_6405634037604589754_n
Quantas vezes o nosso riso é uma substituição para a agressão pura e simples. Quantas vezes a ironia ou o humor sublimam a violência que nos vai na alma. Já o fiz aqui muitas vezes e sobre este mesmo tema. Não hoje.

Hoje quero outro modo. Visita que sou do canal AR, tenho visto momentos que arrastam para a lama o que devia ser dignificado a todo o custo, a casa da Democracia. Não me refiro à maior ou menor dureza dos debates. Penso, até, que há por ali almas demasiado sensíveis à crítica, como se fossem mais insuportáveis as palavras ditas que os actos que as motivam. Mas Nuno Crato, com a seu número bufo dos tempos verbais, produziu um dos momentos mais canalhas e estúpidos que jamais vi naquele lugar. Não, não me estou a esquecer das absurdas cenas da União Nacional que nos narravam os impagáveis “Factos e Documentos” da Seara Nova. Não me lembro de alguma intervenção que tanto desconsiderasse os destinatários, que em tão pouca conta tivesse a inteligência e o sentido de decência dos seus ouvintes. Um marco na história do nojo político.

Não canto porque sonho


Noiserv  [tema de Fausto Bordalo Dias – com José Afonso -, do álbum P’ró que der e vier, 1974]
Letra de Eugénio de Andrade

Lembra-me um sonho lindo


Fausto Bordalo Dias, do álbum Por este rio acima (1982, 1984 em CD)

Quantas pessoas são “pouquíssimas centenas”?

papagaio010803Ser político é uma das várias maneiras de os seres humanos poderem integrar a simpática classe dos Psitacídeos. Entre um deputado e um papagaio, as diferenças não serão, portanto, muitas, porque, no fundo, um bom fato é outro tipo de plumagem, um assento na Assembleia é um poleiro e basta repetir palavras pensadas por outros. Para além disso, todos sabemos que não há piratas sem papagaio em cima do ombro.

Carlos Abreu Amorim (CAA), por várias razões, tem-se feito notar, desde que integrou a bancada do PSD, nomeadamente quando perdeu as eleições para a Câmara de Vila Nova de Gaia. Tendo escolhido a função de papagaio, é natural que tenha perdido, também, qualquer sentido de decência. Por isso, comentando os recentes e contínuos problemas na colocação de professores, declarou, num debate com Marcos Perestrello: “Temos problemas com pouquíssimas centenas de professores.”

Em primeiro lugar, não sei a quem corresponde a primeira pessoa do plural. Será o governo? Será o partido? Será o país?

Mesmo admitindo qualquer uma das hipóteses, a frase pode levar-nos a pensar que os professores são um problema. No entanto, são as “pouquíssimas centenas” de professores, entre outras pessoas, que têm problemas. [Read more…]

Não pirilamparás o orçamento do vizinho

oops

Que é como quem diz, não produzirás orçamentos inconstitucionais.

Errar é humano, errar três vezes é intenção. Com o truque de apresentar orçamentos inconstitucionais, propositadamente, este governo conseguiu nos três orçamentos sacar mais dinheiro do que aquele que a lei lhe permitira. BPN, BPP, Swapps, BES, PPP, etc., agradeceram.

Será que é preciso a véspera de eleições para este governo sair da ilegalidade? A ver vamos se haverá mais fogo de artifício para além de manter a sobre-taxa do IRS em 2.5%, em vez dos 3.5% (nota aos mestres do spin: não há baixa no IRS mas sim manutenção de uma sobre-taxa).

Tempos verbais

Nuno Crato visita uma escola. Numa sala, fala às crianças. Pergunta, sobre tempos verbais: “fui um grande ministro, é passado; sou um grande ministro, é…?… – Mentira!” – responderam as crianças em coro.

Mouras

Somos um país de mouras encantadas, o que é bonito. Infelizmente somos também o país de Manuela Moura Guedes. ” A moral não é uma coisa que me preocupe muito”, diz ela em entrevista ao DN, com chamada de capa. Já tínhamos reparado, digo eu.