Desmembrar a Segurança Social para dar negócio às IPSS

Primeiro foi a descapitalização da Segurança Social via pagamentos de indemnizações por despedimento e subsídios se desemprego, consequência da escolha política da austeridade como rumo – ir além da troika. Houve a tentativa de a descapitalizar ainda mais gravemente com o abandonado projecto da revisão da TSU. Passos Coelho já veio dizer que retomará este projecto como bandeira do seu programa eleitoral, afirmando que o fará para aumentar o emprego. Note-se que, para desmontar a agenda escondida de desmantelamento da Segurança Social, o mesmo argumento poderia ter sido usado quanto a qualquer outra taxa ou imposto mas não foi. Na saúde já veio um secretário das IPSS, perdão, de estado dizer que as IPSS podem complementar a rede de camas hospitalares. A colocação de desempregados que a Segurança Social faz também passou a ser feita por uns amigos do privado, pago pelo orçamento de estado, claro. Agora são as amas a passar da Segurança Social para as IPSS

Cavaco é conivente, por inacção, com o desmembramento da Segurança Social. E o PS, mais o seu estado social de encher a boca, onde é que andou nestes quatro anos? Vamos continuar a assistir à destruição do estado sem oposição?

Agora venham daí os arautos do estado mais leve e que não cria emprego e etc.

Comments

  1. Rui Silva says:

    Caro J. Manuel Cordeiro,
    Ora cá está um caso onde é por demais evidente que o estado não sabe criar emprego.Eu diria mesmo destrói emprego.
    As IPSS são pertença de um dos mais poderosos lobbis no País.
    O sector está fortemente regulado pelo estado evitando a livre concorrência, protegendo empresas que já estão instaladas e até a própria igreja católica.
    O estado se quisesse que “criar emprego” ( indiretamente claro está), devia liberalizar o sector. Isto aumentaria a concorrência que inevitavelmente faria a qualidade aumentar enquanto os preços baixavam ( com o efeito positivo adicional de aumentar o emprego).
    No entanto lembra-se aqui á algum tempo quando o governo anunciou a intenção de permitir que pessoas pudessem “tomar conta” de idosos nas suas próprias casas ?
    Lembra-se a celeuma que logo se levantou.
    Lembra-se dos inspeções diárias aos lares ilegais nas tv’s ?

    cumps

    Rui Silva

    • j. manuel cordeiro says:

      Liberalizar é o novo maná. Mas o diabo está nos detalhes, como se tem visto nos sectores entretanto liberalizados.

  2. ZE LOPES says:

    E assim se cria uma poderosa clientela que vai dar bom proveito ao CDS nas próximas eleições!


  3. Acerca deste assunto:


  4. A minha opinião: O sector já é privado, e já é das IPSS. O desmantelamento da Segurança Social é para descentralizar e passar competencia para as Camaras Municipais. Podem ler este livro
    As Misericórdias e as IPSS em Geral
    http://www.wook.pt/ficha/as-misericordias-e-as-ipss-em-geral/a/id/100651
    ou este
    Substentabilidade das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal
    http://www.ideg.pt/subtentabilidade-das-ipss-em-portugal/
    Obrigado!

Trackbacks


  1. […] produção de orçamentos inconstitucionais, aumento da precariedade laboral e privatizar a Segurança Social, a Saúde, a Educação e tudo o resto que receba dinheiro do Estado. O engraçado é que nem […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.