Ao sul


Homem e cão, uma única mancha negra pelo areal, com os banhistas a lançar mão ao saco à sua passagem, a guardar o telemóvel, a carteira com o dinheiro para o almoço, tão inquietante será esse negro no areal dourado? Vieram os miúdos pedir-lhe que soltasse o cão, que o deixasse tomar banho, e o cão queria, via-se que sim, mas respeitava as ordens do dono. O homem caminhou devagar até à água, e então sim, confiou o cão aos miúdos, que nadassem com ele e se agarrassem ao seu dorso negro, golfinho improvável em águas límpidas.
E o cão parecia outro na água, outra vez cachorrito, apatetado como o são os cachorritos, e não o cão negro e imponente de há pouco. O homem esperou que o cão desse o banho por acabado, deu-lhe tempo para despedir-se dos miúdos, e recebeu-o depois das águas, reluzente, agradecido. Afastaram-se de novo, mancha negra e tão brilhante.

Foto: CR
Sobre Carla Romualdo

aviadorirlandes(at)gmail.com
aventar.eu / aportaestreita.com

Comments

  1. mto bom

  2. raul maques says:

    Os melhores Artigos . . .SEMPRE Carla Romualdo.
    Fazer um comentario seria tirar a forca……

  3. motta says:

    Mais uma obra prima em dois parágrafos!

  4. Lindo….

  5. Helena, Raul, Motta, F, muito obrigada.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s