Um casamento fatal

Na assembleia geral realizada sexta-feira passada em Bona, o chefe da Bayer garantiu aos accionistas que “a aquisição da Monsanto se adequa perfeitamente à estratégia da empresa” e irá contribuir para o seu sucesso a longo prazo. O negócio, que a Bayer prevê fechar até ao fim do ano (obtido que está já o OK de Donald Trump, em troca da promessa de investimentos de milhares de milhões e de postos de trabalho nos EUA) e que só depende de luz verde de autoridades reguladoras em 30 países e da Comissária europeia da Concorrência, vai criar um quase monopólio sobre os mercados globais de sementes e produtos químicos agrícolas.

A hipócrita argumentação da Bayer para ocultar a lógica da avidez de lucro e de poder soa assim: Como poderemos, em 2050, alimentar 10 mil milhões de pessoas sem prejudicar o meio ambiente? Tendo em conta as mudanças climáticas e o limite de terra cultivável, é importante aumentar a produção de alimentos usando menos recursos, para assim satisfazer a crescente necessidade de alimentos. A Bayer está convencida de que, para isso, a promoção activa de abordagens inovadoras na agricultura é essencial.

Patranhas de lobo em pele de cordeiro. O sector agrícola já hoje se caracteriza por uma forte concentração: 75% do mercado global de sementes é controlado por apenas 10 empresas, outras tantas dominam 95% do mercado global de pesticidas. Com a megafusão, vai emergir uma corporação que, a nível mundial, dominará 30% do mercado de sementes e 24% do de pesticidas. A Baysanto determinará em grande parte o que comemos, como cultivamos os alimentos e os medicamentos que tomamos. [Read more…]

Vacinas e fascismo social

O CDS acaba de apresentar na Assembleia da República um projecto de resolução que visa impedir o acesso ao Ensino, desde o pré-escolar à Universidade, a todos os cidadãos que não comprovarem “ter a vacinação recomendada pelo Programa Nacional de Vacinação em dia”. Os vinte casos de Sarampo com que se espalhou o medo, esse sim, epidémico, foram as Pancadas de Moliére.

Aguarda-se que a próxima iniciativa legislativa seja a de propor que a DGS faça a recolha de amostras de ADN de toda a população, com carácter obrigatório e compulsório, identificando aqueles que carregam nos seus genes os sinais de doença hereditária, impondo-lhes a esterilização imediata, sob ameaça de castração. Ficará praticamente assegurada a imunidade de grupo a doenças como a Hipertensão Arterial, a Doença de Alzheimer, a Diabetes, vário tipos de Cancro, a Obesidade, a Trissomia 21, a Fibrose Cística, a Hemofilia ou a Hemocromatose, entre outros males. Bem-vindos ao Fascismo Social.

O drama venezuelano

A ideia nem era má. Tirar (um bocadinho) aos ricos para dar aos pobres, construir casas para sem-abrigo, escolarizar os bairros de lata. Só que não chegava. Chávez chegou ao poder pela via democrática, foi reeleito duas vezes, a última das quais com números esmagadores, mas nunca teve hipótese nenhuma contra o sistema. O sistema que não gostou de ver a oligarquia venezuelana tomada de assalto por nacionalizações e reformas agrárias. O sistema que não queria mais pólos potencialmente perturbadores para a pax americana. O sistema que tinha (e tem) um império mediático, falível mas extremamente poderoso, que usou para minar a opinião pública. Que desempenhou um papel-chave num golpe de Estado falhado em 2002, patrocinado por Washington, onde à data fazia a lei George W. Bush, esse grande democrata que nunca oprimiu ninguém. Tudo isto, e o muito mais que poderia ser referido, não pode ser ignorado. Tal como não pode servir de justificação para tudo.

[Read more…]