A política como exemplo de Virtude para os jovens

Não passou muito tempo pela eleição de Trump. Quase todos os líderes europeus fizeram observações apocalípticas sobre essa bizarria. Era um bronco, um ignorante, um populista perigoso. Hoje todos “compreenderam” o ataque à Síria.

Isto não é política internacional. É a política.

Cancioneiro mexiano

Eu não quis sodomizá-lo. Ele é que estava de costas.

Cancioneiro mexiano

Eu não tenho um grande par de cornos. A minha mulher é que é muito generosa.

Cancioneiro mexiano

A água não está cara. As torneiras é que não deviam abrir.

The Donald Trump show

via Uma Página Numa Rede Social

O palhaço

António Mexia: “A eletricidade não é cara. As casas é que estão mal construídas”

Olho por olho, (resi)dente por (resi)dente

Uma série de acontecimentos ocorridos recentemente, entre descarrilamentos, um eloquente post de alguém muito atento à matéria ferroviária e actos de residência pífios, levaram-me, em associação livre de ideias, ao novo disco dos The Residents, todo ele construído sobre relatos do crescente número de acidentes de comboio que o incontrolável desenvolvimento tecnológico de finais do século XIX ia produzindo e das “rápidas e desagradáveis mortes” que infligia.

Não pretendendo enveredar pela crítica a mais um capítulo da extensa obra desta super-banda – toda a gente ama os Residents, os quatro decoradores de interiores do apocalipse, embora desconhecendo a identidade dos seus membros, quando não mesmo a sua música (música?) -, não posso deixar de assinalar aqui o seu 84.º álbum, “The Ghost of Hope,” na esperança que vos possa assombrar o luminoso fim de semana que se avizinha.

A entrevista de Passos Coelho

A recente entrevista do Dr. Passos Coelho à televisão só pode ser classificada como pungente.

A Democracia portuguesa precisa de oposição. Para que o sistema funcione de modo minimamente saudável, é necessário que haja um discurso de contra-poder e que esse discurso contenha um vestígio de racionalidade, de propostas alternativas, de crítica política sustentada na inteligência e na análise objectiva da realidade. Nada disso existe no discurso do Dr. Passos Coelho, que chega a ser confrangedor mesmo para quem apoia a actual solução governativa.

Se a liderança, cada vez mais ilusória, do Dr. Passos Coelho, representa, por agora, um seguro de vida para o governo do PS, ela é muito prejudicial à Democracia.

Continental Mabor, a mais recente vítima do regime soviético da Geringonça

A razia soma e segue e o tecido empresarial português continua a ser dizimado pela fúria soviética. A Continental Mabor, quarta maior exportadora do país, prepara-se para levar a cabo um investimento na casa dos 100 milhões de euros, depois dos 50 milhões já aplicados na construção de uma nova unidade de fabrico de pneus agrícolas, que resultará na criação de 200 novos postos de trabalho. Ora, estando nós no tal país em que investidor algum poria o seu dinheiro, ou não fosse ele governado por perigosos bloquistas e comunistas, este novo investimento da gigante alemã não faz qualquer sentido. Até porque os alemães não são conhecidos por gastar mal gasto o seu dinheiro. Será que os comunistas raptaram a família do senhor Elmar Degenhart e ameaçaram comer os seus filhos ao pequeno-almoço?

Imagem via Jornal de Negócios

Os lesados-ao-contrário do BES

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, considerou hoje (31/03/2017) que a venda do Novo Banco anunciada pelo Banco de Portugal é uma má decisão, que ocorre depois de um processo de desvalorização daquela instituição bancária.[MSN/LUSA]

Ora bem, não foi o PSD que nomeou o seu boy Sérgio Monteiro, pago a peso de ouro (custo total com a contratação de 458 mil euros por ano e meio de serviço)  para vender o Novo Banco? Não era este o ás que ia mostrar quão certa foi a intervenção no BES para, afinal, não ter vendido coisa alguma?

A decisão sobre o BES é má desde há vários anos e políticos destes, como Montenegro, mais valia recolherem-se ao recato destinado aos incompetentes que, por estratégia, decidiram que a banca não era assunto para Conselho de Ministros – mas pagar os desmandos da banca, via decreto-lei, já o foi.

Zangam-se as comadres (o pior é que têm armas nucleares)

Quando a amizade entre dois facínoras se quebra sabemos que o pior dos cenários passa a ser possível. Desde a eleição de Donald Trump, a grande amizade com Putin era a vertente mais perigosa do delirante programa de Trump. O potencial de ocorrer um diferendo entre os dois era imenso, a começar pela delicada questão do levantamento das sanções à Rússia. O primeiro diferendo ocorreu mais celeremente que previsto. A Rússia já condenou o ataque dos EUA à base síria do regime de Assad. Quem está ao corrente do percurso de Putin conhece a sua irredutibilidade. A vingança ao ataque de Trump virá mais cedo ou mais tarde, mais patética ou mais violenta a vingança ocorrerá. Por exemplo, não surpreenderia que o video do chichi em que Trump se diverte com prostitutas em Moscovo fosse divulgado nos próximos dias.

Tudo isto não seria muito grave se esta dupla de irresponsáveis não tivesse armas nucleares à sua disposição…

De Dave Granlund.
http://www.davegranlund.com

Laranja é fixe!

Quando penso em cor-de-laranja, o que me vem à cabeça, tirando as laranjas, são profecias da desgraça, bancos em apuros e a Dra. Maria Luís Albuquerque da Arrow a garantir que um défice abaixo dos 3% era “aritmeticamente impossível. Isso é um conjunto de indivíduos que não levam o país a sério. Hoje, porém, cor-de-laranja é sinónimo de boas notícias. Não que seja a notícia do ano, pessoalmente nem fazia ideia de que este indicador existia, mas sempre é melhor que um pontapé nas costas. Sete anos depois, Portugal sai do vermelho no indicador de vulnerabilidade do Mecanismo Europeu de Estabilidade, uma espécie de rating “lixo” da coisa, e sobe ao escalão laranja, onde não respira de alívio e nada de particularmente espectacular lhe vai acontecer. Porém, depois de tanta catástrofe anunciada, e na iminência da chegada do Dr. Belzebu, estes detalhes, que não há muito tempo originariam títulos bombásticos nos jornais do costume, ganham alguma relevância. Não muita, que a dívida é estratosférica e ainda existem muitos portugueses em grandes dificuldades. Mas depois de tudo o que nos contaram, das tragédias que espreitavam ao virar da esquina, não era suposto Portugal ser já uma espécie de Venezuela?

via Twitter ESM

 

Ó Pedro, sai da tua zona de conforto.

O karma é lixado.

Pobre TINA

Afinal, havia outra. E nisso reside o busílis do diabo.