Nada a acrescentar.

«Nas televisões Armando Vara é o “ex-ministro socialista”, que foi. Dias Loureiro é Dias Loureiro e, às vezes, o “empresário”. É o que há.» – José Simões

Magnata comunista investe em Portugal

Passos Coelho bem tentou avisar, mas este povo esquerdalho, ingrato e preguiçoso, fez ouvidos de mercador. Com a chegada do PS minoritário ao poder, apoiado parlamentarmente pela temível máquina soviética da Geringonça, investidor algum voltaria a pôr o seu dinheiro no rectângulo. Era um dado adquirido. Só que não.

A verdade é que Passos partiu a loiça toda. E isso ninguém lhe tira. Acontece que o investimento, não sendo o desejado, lá foi aparecendo, pela mão dos franceses da Renault ou dos alemães da Eberspaecher, apenas para citar alguns casos, aos quais acrescento a insólita fila de espera de milionários estrangeiros que sonham adquirir um imóvel de luxo em Cascais. Apesar do violento imposto sobre o património. A explicação mais lógica, a meu ver, é bastante simples: tratam-se de investimentos sacados à bruta, com ameaças e chantagem à mistura, aos quais os pobres investidores não conseguem resistir sob pena de ver as suas famílias raptadas e entregues a comunistas que comem crianças (e adultos) ao pequeno-almoço.  [Read more…]

Dia das Mentiras – a homenagem a Pedro Passos Coelho

Cinco dias após o 1º de Abril, este recuerdo chega tarde mas a boas horas, porque nem todos os embustes são tão inofensivos como aqueles com os quais brincamos no Dia das Mentiras. Alguns chegam e sobram para se ser eleito primeiro-ministro e submeter milhões a um bafiento radicalismo que muitos julgavam extinto.

Video: Luís Vargas@Geringonça

O défice, os parasitas e a propaganda

No final da passada semana, quase à mesma hora, Público e RTP trouxeram Conselho de Finanças Públicas à baila. No primeiro, ao bom velho estilo marxista que por lá impera, destacava-se a possibilidade, aventada por Teodora Cardoso, sobre os perigos de um défice acima dos 3%. Na estação pública, naturalmente controlada pela Geringonça, é referido um relatório do CFP, que aponta para um défice de 1,7% em 2017, caso o sistema bancário não entre novamente em colapso. 

Três dados a reter: 1) apesar de Teodora Cardoso, o CFP parece ter deixado de contribuir para o peditório do Diabo, 2) o problema continua a ser o mesmo – os bancos, os seus parasitas e as suas vidas acima das suas possibilidades, que continuam a pôr o país em xeque – e 3) o Público do senhor Dinis não se limita a purgar a sua redacção de perigosos esquerdalhos, tendo já adoptado o idioma oficial da propaganda de direita.

Parquímetros arrancados em Carnide, Lisboa

A população em reacção contra a prepotência do poder. Por muito mais, nada se fez noutras situações. É o que sobra num país onde a palavra do político vale um redondo zero e onde a justiça não existe.