Mark Zuckerberg prepara-se para destruir o que resta da imprensa portuguesa


O Facebook prepara-se para reduzir a pó a esmagadora maioria da imprensa portuguesa, senão mesmo toda. Como é sabido, a imprensa nacional atravessa uma fase extremamente delicada, caracterizada pela descredibilização, pelos conteúdos manipulados e pela perda de receitas. E o pior poderá estar ainda para vir.

O recente anúncio do grande irmão Balsemão, que se prepara para vender todas as revistas do grupo, incluindo referências com a Visão e a Exame, a par das situações financeiras ruinosas do grupo Newshold (Sol, i) ou do grupo Cofina, que deve milhões ao Estado, ilustram na perfeição o estado a que a imprensa nacional chegou.

Desesperados, os órgãos de comunicação social portugueses encontraram nas redes sociais uma nova forma de financiamento, através de um novo segmento de publicidade que depende directamente do número de acessos dos leitores, ou cliques. Porém, na ânsia do lucro fácil, generalizaram-se o clickbait e as fake news, termos que entraram de rompante no nosso glossário, tal é o uso e abuso dos mesmos. Perante o desinteresse crescente por uma imprensa que deita fora a experiência e a excelência, para a substituir por precariedade a preço de saldo, o resultado não surpreende.

Porém, nesta era de vigilância multidireccional, não são apenas os governantes e as empresas privadas a monitorizar os cidadãos. Também os cidadãos, com acesso quase ilimitado à informação, vão monitorizando umas coisas, e a imprensa tem estado debaixo de fogo. E bem, porque mente e manipula que se farta. Recordam-se do caso do avião que (não) se despenhou em Pedrógão Grande? E das garantias que o semanário Sol dava da saída de Mário Centeno do executivo Costa? São dois exemplos, poderiam ser mil, e devem ser punidos. E se a ERC não serve para nada, valha-nos o big brother Zuckerberg. Corte-se a publicidade aos aldrabões!

Sim, isto coloca um sério problema a todos nós: se a imprensa se desmoronar, a gestão da informação corre o risco de ficar nas mãos de quem tem recursos ou seguidores nas redes sociais. Imperará o amadorismo populista, parcial e manipulador. A ausência de rigor. Mas, não está já a maioria da imprensa ao serviço de interesses privados e, pior, político-partidários? Não estarão o populismo, a demagogia e a falta de rigor instalados na maioria das redacções deste país? Então talvez esteja na altura da nossa imprensa olhar para dentro e decidir se quer que o jornalismo continue a ser a excepção ou que volte a ser a regra.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Há duas vertentes a considerar no definhamento da Imprensa Portuguesa.
    A primeira é o custo de cada exemplar. Pagar €3,50 por um exemplar em papel, do EXPRESSO, é caro, mesmo se considerarmos este semanário, o melhor que temos por cá. Optei pela versão digital, que sai muito mais barato.
    Num país com um salário mínimo ainda claramente abaixo dos seiscentos euros, gastar €50,00 por mês num diário, mais €14,00 num semanário, é um luxo. Mesmo para quem ganha três ou quatro salários mínimos.
    A outra vertente, a mais difícil de digerir, é a falta de isenção da maior parte dos títulos da Imprensa Portuguesa, toda ela deficitária, para não dizer falida, mas neste caso, os liberais de pacotilha já não reclamam, porque é necessário ter meia dúzia de catecismos que tragam a “boa nova”, para que toda a gente aprenda a doutrina.
    O Facebook é uma “janela de coscuvilhice para uns”, uma “mixórdia de temáticas” para outros, um espaço mediático onde na maioria das vezes cada um conta a sua versão dos acontecimentos, às vezes todas elas falsas, outras vezes distorcidas, outras genuinamente verdadeiras, mas aí sabemos ao que vamos. Ali ninguém se traveste de jornalista. Nem tem artigos de opinião encomendados pelo patrão. E os articulistas são aos milhares, até com direito a troca de galhardetes.
    Zuckerberg transformou os “jornais Portugueses de referência” num produto do tipo, “Metro ou Destak”, que são excelentes para limpar vidros.

  2. Limpar os vidros ?? says:

    Sou do tempo que eram para limpar o cu !

  3. José Faustino says:

    Não é de surpreender.
    Ao nível de jornalixismo a que toda a “cs” chegou, totalmente hipotecada aos PàFiosos, estão à espera de milagres?

  4. Para que é que alguém que ganha o salário mínimo iria gastar (50 euros + 14 euros) / mês em jornais com noticias politicamente enviesadas ?

    Rui Silva

  5. Jornal = desfile de opinadores patrocinadas.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s