Incêndios: António Costa tem as mãos sujas de sangue



António Costa que nos poupe as lágrimas de crocodilo.
Nesta tragédia dos incêndios, em que todo um país deixa andar durante décadas, ele é o principal responsável. Porque é o primeiro-ministro. Mas não só.
Foi ele, enquanto Ministro da Administração Interna, que extinguiu a carreira de guardas florestais – a mesma carreira que, já como primeiro-ministro, se recusou a reactivar. Foi ele, naquele mesmo ano, que recusou a implementação de um ambicioso Plano de Protecção da Floresta que apostava sobretudo na prevenção dos incêndios – a tal prevenção que 10 anos depois lhe enche a boca diariamente. Agora é que vai ser.
Já como primeiro-ministro, escolheu para a Administração Interna uma ministra sem qualquer peso (de falta de peso, valha a verdade, não podem acusar o futuro titular da pasta) e cuja imagem de marca, comentava-se nos circuitos socialistas antes ainda da tomada de posse, era a incompetência.
Escolheu-a e manteve-a, mesmo que após Pedrógão não tivesse quaisquer condições políticas para continuar. Graças à sua cobertura, os meios de combate aos incêndios foram reduzidos de forma drástica quando vinham aí condições meteorológicas extraordinárias. O sangue de mais de 100 portugueses está nas suas mãos e nenhuma das suas lágrimas o conseguirá limpar.
Relativamente à Esquerda, sempre tão gulosa a aproveitar as crises, manteve-se impávida e serena em todo este processo. O Bloco pediu chuva. O PCP, que nos últimos anos pediu a demissão de Passos Coelho, Paulo Portas, Miguel Relvas, Maria Luís Albuquerque, Nuno Crato e tantos outros, desta vez achou que ninguém tinha de se demitir.
Sustentar um Governo não é ser seu carneiro.
Quanto a Assunção Cristas, que vá à merda. Cínica e hipócrita, não tem legitimidade para exigir um pedido de desculpas seja a quem for. Nada fez pela floresta enquanto esteve no poder a não ser permitir a plantação indiscriminada de eucaliptos aos seus amigos. Estivesse o hoje moribundo Passos Coelho no poder e as coisas teriam sido ainda piores.
Ninguém pode falar. Ninguém. E António Costa pode falar ainda menos do que os outros. Chegou a altura de se calar. E de fazer o que até agora nunca quis. Nesse ponto, por uma vez, o estacionador em lugar de deficientes teve razão quando se dirigiu ao país.

Comments

  1. joão lopes says:

    Asim sim:o interior de Portugal foi criminosamente abandonado,ostracizado pelo poder politico nos ultimos 30 anos.Mas tambem muitos portugueses viraram costas ao seu proprio pais(a praia,o centro comercial é que interessa,o concerto do tony,etc).Proponho até transferir uma boa parte das arvores de Lisboa para o interior,e plantar nas av.novas ou na quinta da marinha,eucaliptos até a borda das casa.E todo o lixo domestico/de obras ou outros devem ser abandonados em plena av. da liberdade.Sim,porque lisboa é Portugal e o resto é paisagem.Pois assim seja.P.S-a agua de castelo de bode,cheia de cinza vai para lisboa.bom proveito,alfacinhas picuinhas.

    • Acho que o Parlamento, apesar de ser em Lx, está cheio de deputados do PAÍS INTEIRO, ou estarei enganado? Como tal, os alfacinhas são culpados do quê, mesmo? Que o povo seja burro e disciplinado a votar sempre nos mesmos?

      • Denis,
        A culpa é sempre dos outros, neste caso dos alfacinhas

        Rui SIlva

        • joão lopes says:

          repito.o proximo “escandalo” vai ser a agua cheia de cinza de castelo de bode.e um escandalo já existente , o rio Tejo que todos os dias é atacado por descargas ilegais.já para não falar das alfaces da golegã ,produzidas em 15 dias.agora,olham ou não para o interior?

  2. Mas durante as tropelias do PS (pelas mãos de Costa) nunca ninguém disse nada , estava tudo bem até que acontece a tragédia.
    Depois da tragédia, aqueles que deviam ter falado ( nomeadamente o cidadão médio nas urnas de voto) começam a distanciar-se e a indicar culpados como se não tivessem sido coniventes.
    Após esta tragédia virá outra. E já estão aí todos os sinais a recomendar medidas . Mas qualquer sondagem diz que o zé povo está feliz com o governo.
    Quando e se a tragédia bater à porta , ninguém sabia de nada.
    A próxima tragédia pode ser uma tragédia económica . mas ninguém quer ver, ninguém quer tomar medidas atempadamente. Neste momento com factores favoráveis como sejam:
    -Petróleo barato
    -Exportações razoáveis para o nosso historial
    -Taxas de Juro baixas
    -Empréstimos garantidos pelo BCE
    -Turismo favorável beneficiando dss alterações à legislação do AL e à instabilidade do Norte de África.
    -Entrada de Milhões de Euros pelo Portugal 2020.

    O que é que se faz para baixar o nosso défice, cujos juros são SÓ 8MM de euros anuais ?

    Entretêm-se a tomar medidas partidárias como:
    -reposição das Reformas Vitalícias de T.C. Públicos
    -Aumento das subvenções aos partidos políticos ( a democracia tem custos !)

    e outras medidas eleitoralistas como:

    -diminuir horário da função pública que não aguente trabalhar tanto tempo como os privados.
    -Reposição de Salários e benesses como progressão das carreiras, etc, etc.

    Estamos agora a deixar criar as condições para o próximo desastre económico , ao invés de medidas preventivas, e ninguém parece preocupar-se.
    Basta a temperatura aumentar ( neste caso subida de taxas de juro ou fim do Quantitative Easing ) para o desastre acontecer.
    Veremos como agora , os que deviam ter feito qualquer coisa a culpar um qualquer Passos Coelho que terá de recuperar do desastre, à custa do sofrimento dos mais pobres , como sempre.
    Esses de que falo, ao lerem estas verdades reagem com impropérios, ofensas pessoais, graçolas e classificam o mensageiro como Fascista, Salazarento,reaccionário, capitalista e outras classificações que neste momento não me lembro mas dentro em pouco aqui serão plasmadas.

    Rui Silva

    • Rui Naldinho says:

      A parte que eu mais gostei foi esta:

      “…um qualquer Passos Coelho que terá de recuperar do desastre, à custa do sofrimento dos mais pobres , como sempre.”

      Lá conseguiste dizer uma verdade, ó Silva!
      Custou-te, mas lá te fugiu a boca para a verdade.

      Digo-te eu:
      – Pois é, assim não custa nada, bater nos mais pobres. Como tu mesmo escreveste.
      – O dificil mesmo, é recuperar o país à custa dos mais ricos.

      • Ana A. says:

        Pois foi aí mesmo que eu me detive também, e por isso subscrevo totalmente o seu comentário, Rui Naldinho!
        (peço desculpa por me apoiar no seu “trabalho”, mas reconheço-lhe qualidades de tribuno que eu não possuo.) 🙂

        • Rui Naldinho says:

          Não, Ana. Eu de tribuno não tenho nada. Na melhor das hipóteses sou um indignado. Indignado com quem trata este povo, incluindo eu próprio, como se fôssemos todos estúpidos.
          Nunca me verá a defender um partido. Agora, sei o que não quero para mim e nem para os meus. Nunca ninguém me verá a defender António Costa, no plano político. Até porque o PS, de social democrata já tem muito pouco. Quando muito tolero o Costa. Mas, para correr com a direita do poder, tenho de me agarrar a qualquer coisa.
          Já que não podemos acreditar em nenhum, ao menos que possamos rejeitar os piores.

          • Ana A. says:

            Rui, – tribuno – no sentido de “representar” e “falar” em nome dos mais fracos e sofredores, clamando por Justiça!

          • Carlos Correia says:

            “Rui Naldinho”:
            Obrigado pela verdade e eloquência do(s) seu(s) discurso(s).
            Vale a pena ler e reler!
            Abraço

          • Rui Naldinho says:

            Nao, Carlos Correia. Agradeço-lhe o elogio, mas eu não sou eloquente, nem pretendo chegar aí.
            Eu sou um dos muitos portugueses como você, a pensar. Uma maioria silenciosa que não embarca em discursos moralistas ou nacionalistas de pin na lapela, … porque olha à sua volta e vê sempre os mesmos a engordar, a viver acima das suas possibilidades, sim, que esses é que comem o “filet mignon”, e não nós. Que não quer ser tratado por estas elites deste país, como uma espécie de patego.
            Há um ditado popular que diz mais ou menos isto:
            “Eu vim do campo, mas não sou tolo!”
            É só isso.

      • antonio Lourenço Antunes says:

        Aqui no observador os posts sao cada vez mais ridiculos os almeidas os pintos a lixeira pafiana esta a tomar conta do blog e a torna-lo um vasadouro

    • Paulo Marques says:

      “O que é que se faz para baixar o nosso défice, cujos juros são SÓ 8MM de euros anuais ?”
      “, os que deviam ter feito qualquer coisa a culpar um qualquer Passos Coelho que terá de recuperar do desastre”

      Queixa-se do aumento da dívida e que é preciso um Coelho para a aumentar muito mais e garantir que não recupera? É isso?

      • O Paulo Marques você tem algum problema cognitivo ?
        se você tem uma dívida e quer baixar o serviço da dívida o que é que tem de fazer ?
        Se você além de ler , se der ao trabalho de entender o que leu , concluirá que o que eu digo é que ninguém faz nada para evitar o próximo “Passos Coelho” , cujas condições os nossos políticos estão a criar, na sua caça ao voto. E quando o “incendio” estalar , pessoas como você vão queixar-se desse novo “Passos” como se queixaram de Mário Soares em 1977 e 1983. Isto deve ser incompreensível para si que já tinha decidido na sua cabeça que a Bancarrota se devia ao euro.

        Rui Silva

        • Paulo Marques says:

          O Passos Coelho fez o que você diz? Não. A gerigonça fez? Sim.
          Há maneiras melhores e mais economicamente recomendáveis, sãs, e tradicionais? Indubitavelmente.

  3. Passámos do bode expiatório da exMAI para o do PM? Todos os outros PM e MAI anteriores levam o rabinho lavado com água de rosas.

    Concordo com o conteúdo, Costa tem imensa responsabilidade nisto, mas não é o único e todos os argumentos que se apresentem contra eles são curtos se não contarmos com todos os argumentos contra todos os outros. A “irmã” Cristas também teve hipótese de apostar na formação e não o fez, mas não a vejo aqui retratada. Por que razão? Porque teve a sorte de não ter tido nenhum incêncido com perda de vidas humanas? Mas houve pessoas que perderam tudo, só lhes faltou perderem isso, a vida! Todos os anos há. E a elas, este artigo não lhes faz juz. Apenas isso.

    Continuem a colocar o dedo nas feridas, que gosto.

  4. José Peralta says:

    Ricardo Ferreira Pinto

    “Nesta tragédia dos incêndios, em que todo um país deixa andar durante décadas, ele é o principal responsável. Porque é o primeiro-ministro. Mas não só”.

    Você é o mais acabado exemplo, da incongruência, da inconsistência, da incoerência e… da mais desbragada, tresloucada e irracional manifestação de ódio, a qual, está logo no título e na foto do “post” !

    Primeiro, diz “que todo um país deixa andar durante décadas”, para de seguida rematar, “inteligente” e brilhantemente, que o principal responsável… é o Costa !

    Muito conveniente, para aliviar a sua “bílis” mas eu não gosto que um qualquer Ferreira Pinto queira fazer-me passar por estúpido ! (Parafraseando um outro primeiro-ministro, Pinheiro de Azevedo (o 3.º) : “É uma coisa que me chateia, pá ! Vá bardamerda, pá” !)-

    E, por isso, para sua informação, sr. Pinto, desde o 25 de Abril, de Palma Carlos a Passos Coelho, passaram dezassete, repito, DEZASSETE primeiros-ministros, sendo António Costa o 18º !

    E, para si, não há dúvidas ! Ele é “o principal responsável” !!!!!!!

    Tome cuidado, sr. Pinto ! Não morda a língua. Pode ficar envenenado…

    • Rui Naldinho says:

      Ò José Peralta, não leve as coisas tão a peito.
      Passe o exagero do Ricardo F. Pinto, ele gosta de entrar à toureiro no Aventar, “António Costa tem as mãos sujas de sangue”, com aquela foto dumas mãos ensanguentadas, ainda por cima com luvas de cirurgia, a ideia que ele pretende transmitir é a da “responsabilidade politica da tragédia”. E essa responsabilidade, goste-se ou não, é sempre de quem está no exercício do Poder. A não ser que tenha acabado de tomar posse, o que não é o caso.
      Evocar todos os nossos antepassados, mesmo os primeiros ministros, para disseminar a responsabilidade politica de um evento desta natureza por outros, é o mesmo que dizer:
      Nascemos tortos (1143 d.C.) e nunca nos endireitaremos (2017 d.C.)..
      O único reparo que eu tenho a fazer ao artigo é que a foto poderia ser outra. Esta, por exemplo:
      https://www.jn.pt/nacional/interior/pegada-de-sangue-ao-fugir-da-morte-8851515.html

      • José Peralta says:

        Rui Naldinho

        Eu achei por bem fazer uma mera referenciação “histórica”, nada exaustiva, que demorou cinco minutos de consulta à Wikipédia, para situar o post do sr.Pinto, no tempo ! E só a partir do 25 de Abril de 1974…

        Porque para o sr. Pinto, durante estes últimos 43 anos, parece não ter havido tragédias e mortes em consequência delas, não houve pessoas que, durante a vigência p(M)afiosa, morreram ou ficaram com incapacitação permanente, “legionellas” e etc., não morreram Bombeiros em incêndios e salvamentos, não houve suicídios por causa da devastadora destruição do tecido social, nunca vista, quer se queira quer não, antes da “gerência” da páfia.

        E nessas tragédias, onde estão a “responsabilidade política de quem está no exercício do Poder”, e as “mãos sujas de sangue” ? Até agora, “limpinhas e higienizadas” !

        “Arranjaram” até um bode expiatório, para manter tranquilas as sujas consciências, porque para trás e para a frente, “no pasó nada”, não houve um BES, uma SLN, um Banif, as moradias na Coelha, de uma das quais até “desapareceu” a escritura e o dono não se lembra onde a pôs, os amigos, as influências e os compadrios…

        A si talvez não lhe pareça, mas estou do mesmo lado da “barricada” em que o Rui se encontra, (pelo menos, a avaliar pelo que escreve !) e pelos mesmos motivos : Apoio a Geringonça (através de um dos partidos, que não o PS…) para que nos próximos (muitos) anos não tenhamos outra “caranguejola”, um “outro passos coelho” ignóbil, mentiroso, canalha, de bandeirinha na lapela como um insulto, a destruir a ténue réstea de esperança e estabilização que a Geringonça gerou, porque eles “andam por aí” !

        E ontem na A.R., para quem ainda tem dúvidas, mas recta intenção, bem se viu quem são os abutres , sempre os mesmos “aproveitadores de tragédias” para a sua repugnante “acção política” .

        E também por isso, é que não percebo a sua tentativa de “adocicar” o post do sr. Pinto ! Se “ele gosta de entrar à toureiro” então eu posso “entrar à matador”…

        Ele que se “aguente”…

  5. Carlos Silva says:

    A culpa é da PaF?

    Sim, até parece que foi a direita que nomeou o principal causador da catástrofe nacional: O Incompetente Rui Esteves.

    «Despacho n.º 567/2017 – Diário da República n.º 7/2017, Série II de 2017-01-10
    Administração Interna – Gabinete do Secretário de Estado da Administração Interna

    Designação em Comissão de Serviço, do licenciado Rui dos Santos Martins Esteves, no cargo de Comandante Operacional Nacional, do Comando Nacional de Operações de Socorro da ANPC»
    http://www.aenfermagemeasleis.pt/2017/01/10/rui-dos-santos-martins-esteves-nomeado-comandante-operacional-nacional-do-comando-nacional-de-operacoes-de-socorro-da-anpc/

    «Rui Esteves ordenou a saída do Grupo de Reforço para Incêndios Florestais do teatro de operações, contrariando o comando distrital. O incêndio de Mação, em julho, consumiu 18 mil hectares de floresta.» – http://observador.pt/2017/10/19/ex-comandante-da-protecao-civil-desviou-meios-do-grande-incendio-de-macao/

  6. Carlos Correia says:

    O sr. Rui Esteves deve ter argumentos mais que suficientes para justificar a retirada de um teatro de operações e entrada num outro mais explicável ou percebível. Os militares chamam a isto estratégias. Correu mal num lado e bem no outro? Já são outros “quinhentos”…

    • José Peralta says:

      Carlos Correia

      Até agora, que eu saiba, ainda ninguém falou de um tal coronel Joaquim Leitão, presidente da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) um sinuoso “tátebitáte” que, inquirido incisivamente pela Sandra Felgueiras num “Sexta às 9”, sobre as suas controversas nomeações, só conseguiu gaguejar tentando justificar-se sem o conseguir !

      E o que ficou patente, é que a ele se deve a nomeação do incompetente Rui Esteves como Comandante Nacional Operacional (CONAC) que “acumulou” com o de director de um aeródromo, função que já exercia ; e que depois, procedeu à substituição arbitrária da maioria dos Comandantes Distritais (CODIS), alguns com pouca ou nenhuma formação em Protecção Civil, ao contrário dos CODIS substituídos, alguns com alguns anos de função !

      Quanto ao Rui Esteves, os “argumentos” que “aparenta” ter, parecem mera fuga para a frente, porque “estratégias”, não teve nenhumas ! Antes, completa ausência delas, total descoordenação na cadeia de comando, “apagão” (por iniciativa do 2.º CONAC) durante horas, na “fita do tempo”, o que indicía tentativa de fuga à responsabilidade.

      Tudo isto, tem sido relatado pela Comunicação Social ! Mas as dúvidas e as perguntas, permanecem no ar…

      • José Peralta says:

        Carlos Correia

        Joaquim Leitão, finalmente deu à costa : Soube agora pela televisão que acaba de pedir a demissão !

  7. mete mais tabaco, pafioso says:

    post porco. se calhar conseguia fazer capas na sábado, este direitola do ricardo.

  8. A repeitição do filme de 1928 vai acabar em farsa, o regresso do desejado PPC vai ser uma bela palhaçada… mas, não sei se o autor é de Coimbra, se for mostra que as tradições nunca morrem e que os mesmos erros se repetem porque sim….

  9. Ernesto says:

    “Nesta tragédia dos incêndios, em que todo um país deixa andar durante décadas, ele é o principal responsável. Porque é o primeiro-ministro”

    Por essa ordem de ideias, quem é o maior responsável por todos estes factores que vou passar a elencar?

    – Défice mais baixo de toda a nossa democracia.

    – Confiança dos consumidores Portugueses nos níveis mais altos de sempre.

    – Recuperação de rendimentos pelos mais carenciados e fustigados pelo governo PAF, que tinha negado fazê-lo( ver aqui: http://geringonca.com/2017/04/01/dia-das-mentiras/)

    – Aumento do salário mínimo nacional

    – Término da sobretaxa(aquela que a PAF tentou, com um embuste, dizer que ia ser um espanto, mas que depois se confirmou que era só um embuste!)

    – Recuperação do número de beneficiários do RSI, que os teus amigos tiraram porque havia gente a “viver acima das possibilidades”

    Queres ver que o grande responsável é o passos coelho, ou espera, já sei, é a TINA!

    Vai-te mas é lamber por baixo pá!

    Já agora, e por ter mencionado o “viver acima das possibilidades”, aconselho vivamente o autor desta merda de posta, a escrever e opinar sobre este artigo:

    http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/bolsa/detalhe/dividendos-agravam-divida-das-cotadas

    É que quando a bolha rebentar, já estou a ver a quem vão pedir sacrifícios! Cabrões, filhos da puta!

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s