Lenocínio ideológico

Quando um alto dirigente partidário afirma que as “maiorias podem ser feitas com todos os partidos” não falta à verdade. Porque é verdade que as maiorias podem ser feitas com todos os partidos. Aliás, essa é uma conveniência aritmética que não se aplica apenas à política e ao governo do Estado, mas a qualquer situação em que se verifique a necessidade de, a qualquer preço, atingir um determinado objectivo. É o velho princípio segundo o qual os fins justificam os meios. Mais antigo que Maquiavel. Mais antigo que Platão. Mais antigo que a mais antiga profissão do mundo. No caso vertente, a afirmação afigura-se como uma declaração de princípios segundo a qual esses mesmos princípios são susceptíveis de leilão, vendendo-se, portanto, à melhor e mais adequada oferta. Faz sentido.
Há ainda, como é evidente, uma certa vitalidade nisso. Uma verdade. E até, por estranho que pareça, uma Ética – aquela que nos trouxe até aqui, a este paraíso apocalíptico.

Ser o eixo, contudo, ser o ponto imóvel que faz movimentar todo o Universo, não é o mesmo que ser uma roda livre que fugiu da carroça, em movimento acelerado e caótico rumo a lugar nenhum.

Sobre a degradação do SNS

sns.jpg

Fotografia: Lusa

Ao contrário de Marques Mendes, que será, porventura, o cidadão português mais bem informado da actualidade, eu não sei se o SNS está pior ou melhor do que no tempo da Troika. Não tenho números ou dados estatísticos que me permitam chegar a uma conclusão clara e objectiva sobre o problema. Nem sei sequer se o que se passa hoje no SNS resulta das políticas deste governo ou dos seus antecessores.

Contudo, não me interessa saber se, estatisticamente, o SNS está pior ou melhor que no tempo da invasão pirata neoliberal, à qual nos submeteram as mesmas pessoas que participaram na fabricação da crise artificial que colocou a economia mundial de rastos, e da qual os mais ricos emergiram mais ricos, e os mais pobres, sem surpresa, mais pobres. [Read more…]

Boas notícias que chegam de Istambul

Erdogan bem tentou, mas a repetição do escrutínio apenas veio aprofundar os números da derrota eleitoral. Que seja o princípio do fim para o autoritário presidente turco.