O privilégio da Psicologia

Mariana Seabra da Silva

Em Portugal, o acesso a serviços de Psicologia é pautado pela pertença a determinados grupos sócio-económicos, sendo, indubitavelmente, regido por um sistema social que beneficia pessoas com um estatuto sócio-económico mais elevado, excluindo e impossibilitando o mesmo a indivíduos que vivam em situações e condições de vida desfavoráveis.

O sistema público de acesso a estes serviços é composto apenas por mil psicólogos a nível nacional, o que parece ser um número reduzido quando se olha para os números de portugueses e portuguesas que consomem ansiolíticos e anti-depressivos, para as taxas de suicídios nos jovens, mulheres e forças de segurança, assim como para as taxas de violência doméstica e femicídio. Na prática, significa que pessoas com maior capacidade económica têm mais possibilidades de conseguir pagar consultas de Psicologia, ou serem acompanhadas em psicoterapia, por longos períodos de tempo. Por outro lado, indivíduos com menor capacidade económica, vêem-se, cada vez mais, colocados de parte no que respeita ao acesso a serviços de Psicologia, uma vez que as consultas tendem a rondar os quarenta ou cinquenta euros.

As filas de espera para consultas de Psicologia, a escassez de psicólogos e psicólogas no Serviço Nacional de Saúde, a falta de investimento em políticas públicas de saúde mental e prevenção das perturbações mentais são uma realidade bem viva que perpetua as diferenças sociais e económicas entre os indivíduos das diferentes classes sociais.

Como é que se quebra um sistema tão estruturado que mantém este ciclo diferenciador entre as pessoas? Nos dias de hoje, a Psicologia é um privilégio de poucos. Privilégio daqueles que têm um quinhão para investir na sua saúde e bem-estar. No entanto, a maioria fica à sua mercê, a tentar gerir os problemas diários, sem qualquer apoio ou suporte psicológico. A Psicologia deveria ser um direito à nascença, para todos e todas, sem excepção.

Assim, é fundamental a contratação de mais psicólogos para o SNS, não só nos cuidados de saúde primária, como nos cuidados continuados e paliativos, bem como nas organizações sociais de cariz comunitário, a criação de equipas multidisciplinares em instituições escolares e o desenvolvimento de um programa nacional de promoção de bem-estar e saúde mental.

Imagem retirada do site https://www.sns.gov.pt/

Covid-19: porque morrem tão poucos na Alemanha?

AL

Na Alemanha, no momento em que escrevo isto, existem cerca de 15 mil infectados com o novo coronavírus. É o quinto país com maior número de infectados, atrás da Itália e do Irão, na casa dos 18 mil, de Itália, que ultrapassou os 41 mil, e da China, que ainda detém o recorde de 81 mil infectados.

Quando olhamos para o número de mortes por covid-19, contudo, a disparidade é gritante. Em Itália morreram 3405, na China 3132, no Irão 1284 e na vizinha Espanha perderam a vida 833 pessoas. Na Alemanha, o número de vítimas mortais não vai além das 44. O que explica esta disparidade? Objectivamente, não sei. Não tenho dados que me permitam lá chegar. Mas desconfio que o gráfico em cima poderá explicar alguma coisa.

Sobre a degradação do SNS

sns.jpg

Fotografia: Lusa

Ao contrário de Marques Mendes, que será, porventura, o cidadão português mais bem informado da actualidade, eu não sei se o SNS está pior ou melhor do que no tempo da Troika. Não tenho números ou dados estatísticos que me permitam chegar a uma conclusão clara e objectiva sobre o problema. Nem sei sequer se o que se passa hoje no SNS resulta das políticas deste governo ou dos seus antecessores.

Contudo, não me interessa saber se, estatisticamente, o SNS está pior ou melhor que no tempo da invasão pirata neoliberal, à qual nos submeteram as mesmas pessoas que participaram na fabricação da crise artificial que colocou a economia mundial de rastos, e da qual os mais ricos emergiram mais ricos, e os mais pobres, sem surpresa, mais pobres. [Read more…]

Mário Centeno: aqui está o link para a Grande Entrevista

realizada ontem por Vítor Gonçalves e emitida pela RTP3. Aqui onde? Aqui. 🙂
mario_centeno_RTP3_11NOV2015

Fundos comunitários e investimento público

Mais uma demonstração de que sem invenstimento público nem os fundos comunitários servem para coisa alguma:

Mas a verdade sobre os fundos comunitários, que é ocultada aos portugueses, é bem diferente. Até 31 de Março de 2011, Portugal não tinha utilizado 7.071 milhões € de fundos comunitários que a U.E. tinha posto ao dispor do País até a essa data; dito de outra forma, até ao fim de Março de 2011, Portugal só tinha conseguido utilizar 44,8% dos fundos comunitários programados para serem utilizados no período compreendido entre Janeiro de.2007 e Março de 2011.

Ler o restante artigo do Eugénio Rosa.

Politiquices e desvarios…

Passa o Orçamento Geral do Estado para 2010, como já toda a gente percebeu, documento mestre de toda a política do governo para o ano que vem. Mas há outros assuntos que a Oposição encara como importantes, tem opinião, mas com o sacrílégio de não ser exactamente o que Sócrates pensa.

E a vitimização é imediatamente agitada, não passou o Código Contributivo, o tal que não representava aumento de impostos, mas que afinal, segundo o governo, representa uma perda de receitas de 800 milhões de euros! Pode lá ser !

Estranhíssimo, o BE junta-se a outros partidos na Assembleia, o PSD e o CDS, fazem maioria só para embaraçar o governo, acordos contra natura, estamos disponíveis para encontrar as melhores soluções para o país desde que sejam as nossas. E a gente a pensar que na AR os partidos estão lá é para se juntarem e negociarem.

Tudo “ajustes de contas” com o passado ( leia-se com o animal feroz), exaltou a política de investimento público, criar mais emprego, modernizar o país e retirar Portugal da crise.

E a gente a julgar que Sócrates ” o magnífico” já tinha feito tudo isto, segundo se podia deduzir dos seus muitos e longos discursos!

Afinal, não, tal como desconfiávamos…