O atentado terrorista contra o estúdio da Porta dos Fundos e a farsa da luta contra o politicamente correcto

Há cinco anos, a 7 de Janeiro de 2015, fomos todos Charlie. A sociedade ocidental insurgiu-se em massa contra a intolerância do fundamentalismo islâmico, que tentou silenciar a liberdade de expressão do histórico Charlie Hebdo, e fez ouvir a sua voz.

Cinco anos depois, na véspera de Natal, a sede da Porta dos Fundos é atacada com cocktails molotov, num atentado perpetrado por uma organização terrorista de extrema-direita, que, tal como os seus homólogos islâmicos, justifica os seus actos com a defesa de valores religiosos, ironicamente num dos dias mais importantes e sagrados para o cristianismo. 

Estes terroristas, ultraconservadores como os seus pares da Al-qaeda e do Daesh, organizados num gangue que dá pelo nome de Comando de Insurgência Popular Nacionalista, da Grande Família Integralista Brasileira, são apenas mais um bando de grunhos, ideologicamente alimentados pelo autoritarismo fanático de Jair Bolsonaro, qual ayatollah, que não se cansa de instigar o ódio e de promover a violência contra quem não alinha pelo mesmo diapasão do fascismo evangélico.

Importa recordar que esta é a mesma extrema-direita que se apresenta como paladina da luta contra o politicamente correcto. A tal que passa a vida a falar numa censura que não existe, quando o seu objectivo único é silenciar quem não alinha na narrativa fascista dos Bolsonaros e dos Breitbarts, e que decidiu sair do armário para vomitar o seu ódio contra a democracia. A extrema-direita que quer ser livre para insultar os alvos do seu ódio primitivo, como as feministas ou a comunidade LGBTI, mas que não admite uma sátira inócua que vise os seus ídolos religiosos. Ou até admite, já que, no último Natal, a mesma Porta dos Fundos retratou Jesus como um party animal devasso, e nem por isso os terroristas saíram à rua com cocktails molotov.  Porque a alegada luta contra o politicamente correcto, no Brasil como em Portugal, não passa de uma farsa, engendrada para servir os interesses daqueles que pretendem abater a democracia. Ou do que resta dela.

Para quem achava que Haddad era um perigo para a sociedade brasileira, e que Bolsonaro seria um mal menor, talvez seja hora de encarar os factos. O Brasil caminha, a passos largos, para se transformar numa Arábia Saudita ou num Irão, dominado por fascistas e fanáticos evangélicos. E aqui, meus caros, não existe meio termo: ou estamos com a democracia, ou estamos com os terroristas.

Comments


  1. Do Haddad sabia-se que tinha uma matilha corrupta por trás.
    O Bolsonaro talvez acabe nisso, mas da dimensão do puteiro PT, dificilmente.


  2. Todos os anos a Porta dos Fundos satiriza Jesus, aquela figura central naquele conjunto de livros de ficção, que nos é apresentado como um perigoso anarquista, contra sistema, contras as leis, sempre contra a política vigente, que o regime levou a tribunal, mas lavando as suas mãos, porque o povo, aquele que se dizia adorá-lo, preferiu no último momento salvar o confesso assassino Barrabás.

    Todos os anos a Porta dos Fundos satiriza Jesus por alturas do Natal, e já fez dele bêbado e vadio, mas excluindo o recorde mundial de “Nao Gosto” no Youtube nada de mais tinha acontecido. Aconteceu este ano. Porquê? O que mudou afinal?
    Aconteceu a tomada de posse em Janeiro de um fascista apoiado por uma seita fundamentalista religiosa.


  3. Atacar a porta ou matar gente tem uma diferença qualquer.

    A diferença entre os Natais é simples: a bandalheira começa a ter resposta…e a esquerdalhada enerva-se.
    O processo de ‘normalização da paneleiragem’ está ameaçado…e a esquerdalhada diz-se vítima da extrema direita.
    Quanto ao feminismo, sempre fingem ignorar como a prostituição floresce, como nunca se viu em tempo algum.

    • Paulo Marques says:

      Ó Menos, diga lá onde vive para lhe aquecer o inverno, que isto está um frio que não se pode. Sempre se vai habituando à temperatura que o espera na eternidade.
      A incompetência só é defesa em processos de destituição americanos, pá.

    • POIS! says:

      Ora não, pois!

      O processo está ameaçado? Que desilusão! Havia a séria expetativa de virmos a obter finalmente um JgMenos normal, mas a coisa, segundo parece, gorou-se.

    • João Almeida says:

      Para o fascista/misógino/homofóbico do JgMenos: Sou o que a sociedade convencionou chamar de “heterossexual”, mas se um dia eu tiver um filho, gostaria que ele fosse homossexual! Porque, para mim, os verdadeiros homens são aqueles que fazem sexo com outros homens (era assim a definição de homem com H grande na antiga Grécia, civilização que deu origem ao Ocidente)! Mas se ele for heterossexual, aceito a sua opção, já que sou tolerante para com a heterossexualidade, mesmo que ela não exista (a ciência já provou que não existe) –> https://life.dn.pt/saiba-que-nao-existem-pessoas-heterossexuais-diz-ciencia/

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.