Monita

santoinacio-2

“Acredito que o branco que eu vejo é preto, se a hierarquia da Igreja assim o tiver determinado”.
Inácio de Loyola

 

Inácio de Loyola (1491-1556) fundou a Companhia de Jesus, juntamente com outros seis companheiros, em Montmartre, a 15 de Outubro de 1534. Desse grupo fundador fez parte um português, de nome Simão Rodrigues de Azevedo, que veio a ser, em 1546, o primeiro Provincial da Província portuguesa da Companhia de Jesus.

[Read more…]

Sim, estamos todos sujeitos

bombs

Desde o dia em que Durão Barroso decidiu associar Portugal à invasão terrorista do Iraque, sob o pretexto da erradicação de armas de destruição maciça que afinal não existiam, que o nosso país ganhou o seu lugar no radar dos fundamentalistas islâmicos. Estávamos em 2003, dois anos haviam passado desde o 11 de Setembro e, nos dois anos seguintes, Madrid e Londres seriam palco de violentos atentados terroristas. Na estação de Atocha, em Março de 2004, morreram 191 pessoas e 2050 ficaram feridas. No metro de Londres, em Junho de 2005, morreram 56 pessoas e cerca de 700 ficaram feridas. Portugal escapou milagrosamente à barbárie jihadista. Já o Iraque, incomparavelmente mais violento hoje do que antes da invasão, assiste a atentados terroristas com uma cadência quase semanal. O último foi no passado Domingo, num estádio de futebol em Bagdade. Morreram mais de 40 pessoas mas o Facebook não se encheu com bandeiras do Iraque. [Read more…]

Ainda bem que eles estão a combater o Daesh

Airstrikes

Faz-te sentir seguro, não faz?

Dano colateral

Salvo raríssimas e bem explicáveis excepções, quem morre nos ataques terroristas é a classe média. O léxico militar chama-lhe “dano colateral”.

Porquê?

A mediatização avassaladora dos acontecimentos trágicos de Bruxelas, que já tinha ocorrido em Paris, Madrid, Londres e, como ignorá-lo?, Nova Iorque, tem vários propósitos. O primeiro desses propósitos é Comercial, bem entendido, e já aqui começa a fazer-se alguma luz sobre a realidade mais ampla com que nos confrontamos. Mas existe igualmente um objectivo catártico na torrente “informativa”, actuando a mediatização intensiva dos actos de guerra como processo de luto, de mitigação do medo e conversão da morte num objecto artificial, exterior à consciência individual, ritualizado nas velinhas postas no chão, nos monumentos instantaneamente iluminados, no solene protocolo de Estado, no “Je suis qualquer coisa” que logo toma conta dos cartazes e das redes sociais.

[Read more…]

Em Bruxelas como em Bagdad, em Paris como em Cabul

TERRORISMO

Madrid, Londres, Burgas, Paris, Ancara, novamente Paris e agora Bruxelas. O terror em larga escala, com a assinatura dos fundamentalistas islâmicos, insiste fazer parte do quotidiano do Velho Continente.

Não existe desculpa possível para a barbárie. Argumentações exclusivamente baseadas no imperialismo norte-americano ou no apetite voraz do capitalismo selvagem não chegam para explicar o fenómeno, apesar de desempenharem o seu papel. Afinal de contas, por onde circulam os milhões que financiam o terrorismo? Quem vende as armas? Quem lhes compra o petróleo e as obras de arte que não são destruídas para a fotografia como vimos em Palmira? E onde estão os mecanismos para controlar os terroristas de fato e gravata? Existem? Serão eles tão eficientes como a paranóia securitária exportada pelos terroristas de Estado norte-americanos, que parece crescer na exacta mesma medida que o terror? [Read more…]

O longo epílogo capitalista

Abespinham-se quando as suas verdades são postas em causa pelas verdades dos outros mas borrifam-se para o modo como as suas são construídas, mesmo quando o são à custa do respeito pelos outros. Outros que não se reduzem aos que usam os ignorantes/desesperados que se fazem explodir. Não falo só de bombas, mas do capitalismo, que também directamente as alimenta, e da sorridente subjugação de tudo quanto é humano em que assenta a sua lógica. Também lhe podem chamar globalização financeira, terciarização, terceiromundização, precarização, colonização, parasitação, animalização, filhadaputização. Não há inocentes mortos, há indecentes vivos. E carne viva para canhão. Resta-nos evitar as manhãs, as aglomerações e as horas de ponta.

Atentado em Bruxelas: alguém ouviu o alerta da Central Geral Sindical de Serviços Públicos?

Brussels

A Europa vive um novo dia de pânico e sobressalto. O duplo atentado de hoje em Bruxelas choca, revolta, mas não surpreende. Pelo menos a mim e à Central Geral Sindical de Serviços Públicos belga, que tinha alertado recentemente para falhas detectadas nos protocolos de segurança do aeroporto de Zaventem. A fazer lembrar os múltiplos avisos que a administração Bush recebeu e ignorou no início da década passada, que alertavam para a possibilidade de um ataque terrorista de grande dimensão, que poderia envolver aviação civil. Resta-nos o luto e sentimento de impotência perante a cobardia do método e a falta de respostas dos nossos responsáveis políticos, incapazes de conter a fúria terrorista mas sempre atentos à ameaça imaginária de uma Rússia imperialista, que tudo o que queria era continuar jogar o jogo do capitalismo.

Acordo UE-Turquia


É pena que o acordo entre a UE e a Turquia tenha sido precedido de um ataque à bomba em Ankara.

 

A torcer o pepino

©BBC Asia

A 1 de Julho de 2015, entrou em vigor, em Inglaterra, uma lei, genericamente conhecida como “Prevent Duty” (Dever de Prevenção), que obriga directores, professores e funcionários das escolas dos diferentes graus de ensino a relatar às autoridades qualquer manifestação de uma possível radicalização das crianças e adolescentes. O objectivo é lutar contra o terrorismo desde a mais tenra infância e promover “os valores britânicos”. Na prática, qualquer membro da comunidade escolar está obrigado por lei a denunciar qualquer acto, frase, sinal, por dúbio que possa parecer-lhe, de que as crianças e adolescentes estão em contacto com terroristas.

O primeiro caso, largamente noticiado pela comunicação social, aconteceu com um rapaz de dez anos, muçulmano, de Lancashire, que, numa composição, escreveu que vivia numa “terrorist house”, quando pretendia escrever “terraced house”. O engano valeu-lhe a visita da polícia, no dia seguinte. Entraram-lhe em casa, fizeram-lhe perguntas e inspeccionaram-lhe o computador. De nada valeu à família indignar-se contra o professor, que apenas tinha feito aquilo a que a lei o obrigava. “Ele não tem medo de escrever, de usar a sua imaginação”, ainda frisou a família. Bem, veremos se isso se mantém a partir daqui. O caso não foi mais além, já que apenas se conseguiu provar que o miúdo não relia os textos antes de entregá-los ao professor. [Read more…]

Charlie Hebdo, um ano depois

CH1

Deus, uma AK-47 e o olho que tudo vê. Religião, terror e medo. Quase um ano após o atentado, o mundo é um lugar ainda mais inseguro. Pena que alguns terroristas continuem a ser recebidos de braços abertos no Ocidente.

Isto conta como terrorismo?

Era tudo mentira. Professor admite que inventou ataque de apoiante do Daesh” [DN]

Natal, tempo de paz e muitas pistolas

armas_america_michele_fiore
É possivelmente um desvio psíquico insanável e inultrapassável o que afecta a percepção do ridículo nos Estados Unidos da América. A candidata ao Congresso Michele Fiore, há que dizê-lo, fez um postal de Natal ternurento, fofinho e carinhoso…
Entretanto, as armas caseiras mataram tanta gente nas últimas três semanas como os terroristas desde… 2001. Apanhem esses bandidos!

O dia em que eu podia ter explodido o Estádio Municipal de Braga (se eu fosse um terrorista)

Estádio

Após os atentados em Paris, alguns governantes portugueses fizeram declarações públicas no sentido de tranquilizar a população. Rui Machete afirmou “ter esperança” que o país se mantivesse fora dos radares do terrorismo, apesar da ausência de garantias absolutas de segurança, enquanto Calvão da Silva afirmava a existência de um “máximo grau de atenção” e reiterava que os portugueses podiam “confiar nas forças preventivas, de segurança e de informação”.

Depois do episódio que vivi ontem, acho que o melhor mesmo é alinhar na esperança de Rui Machete porque não só não existem garantias absolutas de segurança como o nível de vulnerabilidade é muito superior àquilo que alguma vez imaginei. Sorte a dos mais de 10 mil adeptos que ontem marcaram presença no Estádio Municipal de Braga que eu não sou terrorista. Porque se fosse, com a ajuda da permissividade de alguns elementos da segurança do recinto, bem que podia ter mandado tudo pelos ares. Confuso? [Read more…]

“Sitting ducks”

Entristece-me e revolta-me o patético espectáculo, que a televisão diariamente nos oferece, de Paris polvilhada de soldados na sua pose de alvos passivos, peões de uma estratégia absurda de políticos com necessidade de mostrar testosterona e afirmar a sua virilidade.
Na verdade, não é preciso ser especialista para se perceber que quadricular uma cidade desta envergadura e ocupá-la com forças militares cria mais riscos que os que evita, não dissuade terrorista nenhum – antes o avisa – e, sobretudo, é usar desadequadamente tropas que estão longe de ser apropriadas para tarefas de segurança e ordem pública, objectivos muito mais adequados às várias modalidades de policias, elas sim, preparadas para o efeito. Só no caso de uma operação especificamente militar deveriam ser as forças armadas activadas. [Read more…]

Ser ou Não Ser:

isis_terrorist_john_cole© John Cole

O tempo e os ódios

Santana Castilho*

Já se disse muito sobre o fanatismo religioso, que reduz a zero séculos de civilização. A barbaridade que Paris acaba de viver, mais uma, fez-nos retomar o tema, mantendo-se, na maior parte das análises, o foco apenas apontado ao fanatismo religioso: de um lado os “maus”, do outro os “bons”. Talvez devêssemos ampliar o campo das análises, para responder a perguntas que deveríamos estar a formular, com o intuito de intervirmos, de modo mais eficaz, nas nossas escolas e na nossa sociedade.

Comecemos por recordar algumas, apenas algumas, de tantas outras barbaridades recentes, cujos autores pertenciam às comunidades que atacaram:

[Read more…]

Verdades que podem incomodar os mais fanáticos

Esmagar o Daesh é uma prioridade absoluta. Mas se as armas forem a resposta, e até pode ser que sejam, o discurso vingativo apenas nos pode pôr de pé atrás. Da última vez que nos venderam esse remédio para a dor contribuímos para o caos de onde se ergueu este monstro. Uma das respostas da Europa aos assassinos deve ser reafirmar o valor da solidariedade, recebendo as primeiras vítimas da sua loucura ainda com mais determinação. Os que tentam, na Europa, virar a consternação com a carnificina contra os refugiados que nos procuram são, queiram ou não, cúmplices políticos da matança, ajudando o Daesh a impor a sua agenda de ódio.

Daniel Oliveira “Não tememos, não cedemos, não odiamos” @Expresso

Podes sempre pedir desculpa Machete

Terrorismo: Machete “tem esperança” de que Portugal seja “poupado“. [Expresso]

Guerra e paz? Educação! Mas, sem deixar de fazer a GUERRA

O silêncio das teclas tem monopolizado o meu teclado. Por mais que tente, não consigo encontrar coerência na reflexões sobre a problemática do terrorismo. Hoje, ao fazer um minuto de silêncio com os miúdos, dei por mim a desejar que eles possam ter direito a um futuro de liberdade e em segurança.

Procurei pensar no que poderia ser feito para resolver o problema. Pensei nas armas que Espanha e outras Espanhas vendem à Arábia Saudita, que depois as fornece ao DAESH.

Pensei nas vantagens estratégicas que Israel tira da instabilidade no médio oriente, algo que lhe permite manter a lógica da guerra permanente.

Pensei no petróleo necessário ao modo de vida ocidental que, dividido entre grupos de árabes, será sempre mais “controlado” do que num contexto de união de todos os povos árabes.

E até me lembrei das bestas quadradas que, nos Açores, avançaram para o ataque ao Iraque.

Mas, por agora penso que há duas coisas muito mais urgentes:

  • atacar o DAESH em FORÇA e com todas as bombas que cada um de nós conseguir suportar;
  • desenhar um projeto de propaganda à escala europeia que permita levar aos jovens árabes uma mensagem diferente, algo que lhes apresente um sentido para a vida, que consideram perdida. Mais escola?

E, mesmo correndo o risco deste post não ter servido para nada, pelo menos servirá para a manifestação de apoio aos Anonymous.

Obra da internet

Como é que um jornalista canadiano que nunca esteve em Paris acaba na primeira página de um jornal espanhol, com a legenda “Um dos terroristas” debaixo da foto do seu rosto?

Foi “obra da internet”, mas também podia ter sido do demo.

Assim aconteceu por obra e graça do jornal ultraconservador (o adjectivo é meu) La Razón, que não teve pejo em usar uma foto manipulada a partir de uma selfie do jornalista Veerender Jubbal. Onde havia um ipad, passou haver o Corão. E por cima da camisa passou a estar um colete de bombista. O tom de pele é perfeito para a mistificação e pronto, é só pôr a circular pelas redes. Daí até que um jornal preguiçoso e desonesto faça uso da imagem é só meia dúzia de shares. [Read more…]

Um Estado não rebenta com os seus cidadãos.

E, no entanto, continuam a chamar-lhe estado. Que de Islão nada tem.

“Sympathy For The Devil”

Pleased to meet you
Hope you guess my name
But what’s puzzling you
Is the nature of my game

 

A música que importa

“Imagina que não há países,
Não é difícil se tentares,
Nada por que matar ou morrer
E nada de religiões
Imagina todas as pessoas
A viver a sua vida em paz

Podes dizer que sou um sonhador
Mas não sou o único a sonhar
Espero que um dia te juntes a nós
E o mundo seja uno e apenas um”

John Lennon, Imagine, 1971
[adapt.]

O que responder?

voltaire statue

Voltaire, Dicionário Filosófico, excertos do artigo “Fanatismo”:

Resumindo, todos os horrores de quinze séculos podem ser renovados num só, desde as pessoas sem defesa chacinadas aos pés dos altares, dos reis esfaqueados ou envenenados, um vasto Estado reduzido a metade pelos seus próprios cidadãos, desde a nação mais belicosa até à mais pacífica dividida pela espada desembainhada entre o pai e o filho, os usurpadores, os tiranos, os executores, os parricidas e os sacrilégios violando todas as convenções divinas e humanas pelo espírito da religião: cá está a história do fanatismo e dos feitos.

Não há outro remédio a esta maldita epidemia que o espírito filosófico, que espalha, passo a passo, os costumes dos homens e que impede os acessos do mal. As leis e a religião não chegam para lutar contra a peste das almas. A religião, longe de ser um alimento salutar, torna-se um veneno nos cérebros infectados. Os miseráveis inspiram-se sem cessar no exemplo de Aod que assassinou o rei Églon; de Judith que cortou a cabeça de Holopherne enquanto dormia com ele; de Samuel que desfez o Rei Agag; do padre Joad que assassinou a sua rainha etc. etc. Eles não percebem que estes exemplos, que são respeitáveis na Antiguidade, são abomináveis no tempo presente: eles põem a sua loucura na própria religião que os condena.

O que podemos responder a um homem que te diz que prefere obedecer a Deus que aos homens e que em consequência disso ele está certo de merecer o céu por te matar?

Os líderes dos fanáticos, que colocam os punhais nas suas mãos, são uns velhacos maliciosos. Eles assemelham-se ao Velho da montanha que, diz-se, deu às pessoas fracas uma pequena amostra do paraíso, prometendo-lhes uma eternidade de tais prazeres, desde que eles matassem todos aqueles que ele lhes ordenasse. Em todo o mundo só uma religião não foi conspurcada pelo fanatismo, a dos literatos chineses. Quanto aos filósofos, em vez de serem infectados por essa pestilência, eles foram um remédio contra ela pois o efeito da filosofia é compor a alma e o fanatismo é incompatível com a tranquilidade. Relativamente à nossa santa religião ter sido tão corrompida por estes infernais impulsos, é a loucura dos homens que se deve culpar.

O autodenominado Estado Islâmico

acaba de reivindicar os ataques de ontem.

O terrorismo não vencerá.

Screenshot_2015-11-14-09-29-49-1

Atentados terroristas em Paris

ataque_franca

Pedro Pereira Neto

Em França, um conjunto de eventos de gravidade e consequência significativas, em contexto europeu, estão em curso.
Começo por destacar a expressão “em contexto europeu”, pois infelizmente, por acção ou omissão nossa, cívica, a realidade extraordinária desta noite em Paris é… a realidade diária de diversos países nos quais as nações europeias têm interesse e intervenção.

Em segundo lugar, impressiona-me sempre pela negativa a facilidade com que eventos desta natureza revelam o verdadeiro carácter de cada um e de cada uma. Em alguns e algumas, suscita solidariedade, preocupação, disponibilidade para apoio. Noutras e noutros, infelizmente, legitima e permite afirmar com toda a naturalidade o pior da sua visão generalizadora, desinformada, discriminatória e profundamente xenófoba. Já li, por exemplo, relações inacreditáveis este esta situação e a ajuda a refugiados neste momento em curso. Tudo serve para exercitar o músculo do nosso racismo escondido.

FInalmente, o principio de abordagem é, para mim, sempre o mesmo: a quem beneficiará isto no medio prazo? O que tornará mais fácil ou aceitável que seja feito? De que liberdades ou de que partes do Estado de Direito se pretende que nos disponibilizemos a abdicar?

É importante ter presente esta recorrência histórica: quanto mais organizados são os eventos, menos plausível é que tenham a autoria que corremos a atribuir-lhe. E é de lucidez, e não de emotividade, que as reacções a situações de extremo devem ser feitas.

E que tal reactivar a Rede Bombista?

RB

Cónego Melo e Ramiro Moreira: o líder espiritual e o terrorista

Isto não está nada fácil para o recém-formado Tea Party português. O investimento financeiro é brutal, dos jornais de campanha às redes de clones no espaço virtual – aproveito para deixar as minhas condolências à família e amigos babões de Maria Luz, o mundo da prostituição política ficou por estes dias mais pobre, uma verdadeira tragédia – os comentadores de serviço têm sido incansáveis a espalhar a mensagem de medo e a demonizar a possibilidade de uma alternativa de esquerda, a narrativa atingiu níveis inimagináveis, onde a obscenidade e o absurdo andam de mãos dadas, até o Assis fez o frete deu o ar da sua graça e o melhor que conseguem é subir 2% numa sondagem que apenas vem comprovar que, se as eleições fossem hoje, PS, BE e CDU continuariam com maioria parlamentar. Deve doer. [Read more…]

Peter Boone, o terrorista ultraliberal que pôs a economia portuguesa de joelhos

Boone

É hoje notícia que Peter Boone, economista, terrorista financeiro e colunista no blogue Economix do New York Times, foi constituído arguido pelo Ministério Público português por manipulação de mercado, uma acusação que remonta a 2010 e a uma série de artigos que foi escrevendo anunciando a catástrofe das finanças lusas. Enganou-se no diagnóstico? Nada disso! Até ajudou a acelerar a sua concretização. Até porque, nisto dos mercados, pouco interessa a saúde das economias e das instituições, que o digam os EUA e o Lehman Brothers. Interessa, isso sim, a voracidade da escumalha liberal que coloca países inteiros de joelhos para satisfazer a sua ambição extremista de lucros sem olhar a meios, que não se obtêm pela via da produtividade mas pela especulação terrorista. E o jihadista Peter Boone lucrou, e bem, com a nossa desgraça: um fundo de risco do qual era administrador – Salute Capital Management – lucrou cerca de 820 mil euros com a desvalorização das Obrigações do Tesouro Português numa única negociação de dívida pública. [Read more…]