4 de Maio de 2021 – A noite de horror dos Pablos

É preciso algum cuidado na análise aos resultados de ontem, em Madrid, de Isabel Ayuso. A sua vitória esmagadora não é uma vitória esmagadora do PP. Não. Nem é apenas uma derrota esmagadora de um Pablo, o Iglesias. O 4 de Maio ficará para a história da política espanhola como a noite de horror para dois Pablos. O Iglesias e o Casado. Por razões diferentes.

A cosmopolita Madrid derrubou de forma implacável um dos seus representantes. Pablo Iglesias é um produto dessa Madrid cosmopolita, moderna e jovem. Foi a partir de Madrid que Iglesias partiu rumo à conquista da esquerda espanhola. E foi em Madrid que se transformou naquilo a que hoje o apelidam muitos dos que acreditaram na banha da cobra que lhes vendeu, o “podemita”. E ser um “podemita” em Espanha é tudo menos positivo. Ser um “podemita” não é ser um militante ou apoiante do Podemos. Não. É ser alguém que traiu os seus eleitores, que traiu o ideal que, supostamente, defendia e representava. É o “podemita” que se transformou no inquilino de um luxuoso condomínio habitacional dos arredores de Madrid, que vivia no meio daqueles que tanto criticou, cujos vizinhos alimentam o voto franquista do Vox. É ser tudo aquilo que antes tanto criticou aos seus adversários.

A mesma cosmopolita Madrid que votou Ayuso mas não vota Pablo Casado. Porque lhe falta a ele o que ela tem para dar e vender: carisma e “huevos”. Isto escrito por alguém que não vai muito “à bola” com a senhora. Continuo a ter muitas dúvidas na estratégia de Ayuso na gestão da pandemia (a mesma estratégia, confesso sem qualquer hesitação, que lhe permitiu construir este resultado histórico). Aliás, ao dia de hoje, Madrid continua a ser um barril de pólvora quanto ao número de infectados e ao número de doentes nas UCI. Porém, mal ou bem (o futuro o dirá), Ayuso fez algo que em política é essencial mas que se tornou raro: escolheu um caminho e foi por ali fora sem pestanejar. Escolheu manter Madrid minimamente aberta, decidiu colocar-se ao lado dos comerciantes da sua região e dizer que não se pode combater uma pandemia matando com a cura. Enquanto que nas restantes regiões de Espanha o comércio estava fechado e as regras de recolher obrigatório eram (ainda são) duras, em Madrid eram flexíveis. Se nas Baleares fechava tudo (ou quase) às 17h, em Madrid fechava às 23h (ou mais). São opções. Que só o futuro dirá qual a mais correcta.

Se sobre o outro Pablo não vale a pena gastar mais caracteres, já sobre o Pablo Casado é diferente. Os próximos tempos vão ser decisivos para Pablo Casado (PP). O único momento alto na sua liderança foi o discurso em que arrasou o VoX. Antes e depois disso, pouco ou nada. Uns fogachos aqui, outros ali e mais nada. Pouco. Muito pouco. E não consegue, eleitoralmente, fazer grande mossa a Sanchez (PSOE). Como se não lhe bastasse a sombra da liderança do PP Galego soma agora a sombra da liderança de Ayuso. Ou saca de um coelho da cartola ou será ele a ser “sacado” da liderança do Partido Popular.

A vida não está fácil para os Pablos…

Nota Final: Por último, as eleições espanholas (Catalunha e agora Madrid) são, igualmente, um aviso à Iniciativa Liberal. Depois do descalabro na Catalunha, o Ciudadanos conseguiu o que parecia impossível: piorar ainda mais com a hecatombe de Madrid. Se o VoX nasce da direita saudosista do PP, o Ciudadanos nasce à custa dos eleitores da direita moderada do PP. Só que, depois de um arranque entusiasmante, transformou-se numa coisa que não era nem carne nem peixe. Uma espécie de “politicamente correcto” a surfar a onda do momento. Primeiro implodiu e agora desapareceu e não parece que possa ressuscitar. Que a Iniciativa Liberal (que pensou ser uma espécie de Ciudadanos à portuguesa) olhe, estude o que aconteceu e aprenda. Caso contrário, acabará por seguir o mesmo caminho rumo ao precipício. O eleitorado quer clareza e coragem (os tais “huevos”). Meias tintas já temos para dar e vender.

A vida não está fácil para os Pablos…

Comments

  1. Filipe Bastos says:

    Ah, o Iglesias. Em 2014, fui ver, disse dele isto:

    “Ouvi um tal Pablo Iglesias, que até é um euromamador, mas fala como um político e não um pulhítico.

    Por exemplo, diz ele: se a vasta maioria da população anda de transportes públicos ou em viaturas modestas, por que raio hão-de os seus ‘representantes’ andar de cu tremido em brutos Mercedes? Se gostam de carrões que os paguem do bolso deles!”

    Como constata o Moreira de Sá, o Iglesias tornou-se naquilo que criticava. Previsível? Claro. Só a ânsia, o desespero de mudança podia esperar mais de um betinho eurochulo.

    O Iglesias é o arquétipo da esquerda que a direita passa a vida a caricaturar: oportunista, hipócrita, vendida. Caviar. É por isto que a esquerda não passa da cepa torta: maus exemplos. De um lado ditadores e facínoras; do outro chulos e trafulhas.

    Continua a não existir uma verdadeira 3ª via.

  2. Luís Lavoura says:

    Que significa “huevos” em castelhano? (Além de significar “ovos”, quero eu dizer.)

  3. Luís Lavoura says:

    São opções. Que só o futuro dirá qual a mais correcta.

    O futuro não dirá nada. Trata-se de uma questão de preferência política. O povo madrileno, claramente, prefere a estratégia de Ayuso. O Fernando, eu, ou o povo português temos o direito de também preferir, ou de não preferir. Não há estratégia correta, há apenas preferências.

    Ayuso seguiu a preferência do povo, o que, em princípio, numa democracia é o que se deve fazer.

  4. Luís Lavoura says:

    Que a Iniciativa Liberal (que pensou ser uma espécie de Ciudadanos à portuguesa) olhe, estude o que aconteceu e aprenda.

    Acho um excelente conselho.

    Entretanto, não me parece que a Iniciativa Liberal jamais pudesse ser “uma espécie de Ciudadanos à portuguesa”, porque a política espanhola tem a questão autonómica, a qual divide mesmo forças políticas que de resto são iguais.

    Eu há uma dezena de anos estive num encontro de liberais ibéricos. Havia muitos grupos de liberais espanhóis, e eles passaram todo o tempo a discutir entre si, nos corredores da conferência, se eram pró ou contra a independência da Catalunha. Esse era um assunto que os dividia brutalmente, muito mais do que as diferentes visões do liberalismo.

    Quero eu dizer que o Ciudadanos, muito mais do que a sua visão da política (pretende ser um partido liberal), se define basicamente por ser anti-independência da Catalunha. E isso, nenhuma Iniciativa Liberal poderá jamais imitar…


  5. Dizem que o poder corrompe e quanto absoluto, tanto mais absoluta é a corrupção.
    Seguir a preferência do povo é que é bom! Portanto, os Trumps e Bolsonaros e Erdogans é que são o suprassumo da barbatana.
    Compreendi-te…

  6. Nascimento says:

    “É o “podemita” que se transformou no inquilino de um luxuoso condomínio habitacional dos arredores de Madrid, que vivia no meio daqueles que tanto criticou, cujos vizinhos alimentam o voto franquista do Vox. É ser tudo aquilo que antes tanto criticou aos seus adversários.”
    É verdade. Nada a dizer em relação a isso. Podia e devia ter comprado uma barraca, de madeira preferencialmente para parecer Ambientalista e Amigo dos pobres. Não o fez e estragou a ” Imagem”. A Imagem é tudo. Sempre foi. Em politica então é mortal. Já o seu amigo de lutas anteriores, esse, está bem e recomenda-se em Mas Madrid. Em politica é sempre bom esparregar. Não é?Pois.
    Acontece , não sei porquê, que há dias em a puta da memória me assalta de repente,e, aí vou eu…
    Assim de repente ,não me Alembro de um tipo que levasse tanta porrada ( aqui vou eu para linguagem ordinária… desculpem, sim?) dos Mérdia nestes ultimos anos.
    Um tipo a quem um filho da puta de um ministro do interior do PP mandou espiar a ele e ao seu partido, sem mandato judicial. Alembra-se?
    Um tipo acusado de ser pago por Chavez,Maduro
    ( curioso ,também o Melanchon não foi?) etc. Provas? Ora, Nos mentideros das putas jornaleiras, foi e é um fartote …as Provas? Bem Fresquinhas! Mas, até hoje? Nada. Rien.
    A não ser um ressábiado advogado que teve tempo de antena e como foi posto a andar do Podemos , desatou a especular… foi giro que o Artista Advogado quando confrontado pelos juízes meteu a viola no saco embora houvesse um juiz querer levar tudo para julgamento por Suspeitas!
    É por isto que eu suspeito que vai começar a 2ª parte da Fiesta ( os castelhanos são danados no que toca à selectividade… com certos juízes então é uma maravilha). É só ver o caso catalão. Continuando.

    E o que dizer de um tipo que vê constantemente a sua casa a pinchada, ameaças de morte ou ainda envelopes com balas em plena campanha eleitoral? E o que dizer no próprio dia da votação, a sua esposa Montero, a ser atacada (enquanto aguardada para votar) ,por um nazi filho da puta jornaleiro ligado ao VOX , um nojo, chamado Negre ? E o mais curioso é que toda a gente acha isto Normal!
    Mas, este gajo roubou alguém? é odiado por toda a pandilha porquê? Eu não votaria nele, a não ser por obrigação, caso estivesse ele contra alguém do maior partido corrupto de Espanha o PP (ou não há Barcenas,ou Esperanza Aguirre , etc?).
    Quero ver agora que ele vai embora quem a Espanha vai Odiar mais.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.