4 de Maio de 2021 – A noite de horror dos Pablos

É preciso algum cuidado na análise aos resultados de ontem, em Madrid, de Isabel Ayuso. A sua vitória esmagadora não é uma vitória esmagadora do PP. Não. Nem é apenas uma derrota esmagadora de um Pablo, o Iglesias. O 4 de Maio ficará para a história da política espanhola como a noite de horror para dois Pablos. O Iglesias e o Casado. Por razões diferentes.

A cosmopolita Madrid derrubou de forma implacável um dos seus representantes. Pablo Iglesias é um produto dessa Madrid cosmopolita, moderna e jovem. Foi a partir de Madrid que Iglesias partiu rumo à conquista da esquerda espanhola. E foi em Madrid que se transformou naquilo a que hoje o apelidam muitos dos que acreditaram na banha da cobra que lhes vendeu, o “podemita”. E ser um “podemita” em Espanha é tudo menos positivo. Ser um “podemita” não é ser um militante ou apoiante do Podemos. Não. É ser alguém que traiu os seus eleitores, que traiu o ideal que, supostamente, defendia e representava. É o “podemita” que se transformou no inquilino de um luxuoso condomínio habitacional dos arredores de Madrid, que vivia no meio daqueles que tanto criticou, cujos vizinhos alimentam o voto franquista do Vox. É ser tudo aquilo que antes tanto criticou aos seus adversários.

A mesma cosmopolita Madrid que votou Ayuso mas não vota Pablo Casado. Porque lhe falta a ele o que ela tem para dar e vender: carisma e “huevos”. Isto escrito por alguém que não vai muito “à bola” com a senhora. Continuo a ter muitas dúvidas na estratégia de Ayuso na gestão da pandemia (a mesma estratégia, confesso sem qualquer hesitação, que lhe permitiu construir este resultado histórico). Aliás, ao dia de hoje, Madrid continua a ser um barril de pólvora quanto ao número de infectados e ao número de doentes nas UCI. Porém, mal ou bem (o futuro o dirá), Ayuso fez algo que em política é essencial mas que se tornou raro: escolheu um caminho e foi por ali fora sem pestanejar. Escolheu manter Madrid minimamente aberta, decidiu colocar-se ao lado dos comerciantes da sua região e dizer que não se pode combater uma pandemia matando com a cura. Enquanto que nas restantes regiões de Espanha o comércio estava fechado e as regras de recolher obrigatório eram (ainda são) duras, em Madrid eram flexíveis. Se nas Baleares fechava tudo (ou quase) às 17h, em Madrid fechava às 23h (ou mais). São opções. Que só o futuro dirá qual a mais correcta.

[Read more…]

Crónicas do Rochedo 45: Aqui está o efeito Ayuso

No passado dia 17 de Abril escrevi uma crónica com o título “A carteira é quem mais ordena ou o efeito Ayuso“. A crónica mereceu uma audiência surpreendente e eu, enquanto seu autor, levei porrada de criar bicho na respectiva caixa de comentários. E porquê? Porque escrevi que Isabel Diaz Ayuso iria esmagar a concorrência e ter um resultado histórico.

Um anónimo com nome de apóstolo comentou que eu não era sério na análise. Um outro acabou por ir em “Paz”. Nem voltei a falar no tema. Eu sabia que bastava esperar por hoje. Afinal… Ayuso conseguiu ter ainda mais votos do que aqueles previstos em Abril. A fazer fé em todas as sondagens à boca das urnas publicadas às 19h de hoje, Ayuso sozinha vai ter mais deputados que toda a esquerda junta e terá mais de 43% dos votos (numa das mais participadas eleições de Madrid). O segundo partido mais votado é o PSOE com 18%. Em terceiro o Más Madrid com 16%, em quarto o VOX com 9,2%, em quinto o Podemos com 7,9% e por último o Ciudadanos com 3%. Se isto não é esmagar… Ayuso foi buscar votos ao Ciudadanos (depois de quase desapareceram na Catalunha, repetem o feito em Madrid) e ao PSOE. As razões já estão explicadas no meu outro post (link acima).

A minha opinião sobre Isabel Diaz Ayuso não é a melhor (como referi há muito num dos PodAventar) mas não reconhecer que é corajosa e arrojada seria pouco sério da minha parte. O problema é que o efeito Ayuso não se fica por Madrid. Nalgumas comunidades autonómicas existem movimentos que querem a mesma gestão da crise pandémica que Ayuso seguiu. O que está a tornar complicada a vida para o PSOE em comunidades como as Baleares, por exemplo. Quem ficou, também, com a vida mais complicada é o actual presidente do PP. Ayuso vale mais votos que ele. Já Pablo Iglésias cometeu um erro tremendo. Estava confiante que Madrid o receberia de braços abertos e conseguiria evitar uma vitória de Ayuso e da direita em Madrid. Pode regressar ao seu “chalet” de 700 mil euros num dos bairros mais exclusivos de Madrid e, quem sabe, escrever as suas memórias políticas enquanto olha para os seus vizinhos, eleitores de Ayuso e do VoX. O “Pablo Podemita”, como lhe chamam por aqui, representou o pior da esquerda caviar em todo o seu esplendor.

Quando 16 pontos dá direito a título, será que 15 pontos também pode?

O título da notícia do ECO reza assim: “Sondagens colocam Rio 16 pontos abaixo de Costa“. Um valor que me surpreende. Sendo Rio um verdadeiro zero à esquerda enquanto líder do PSD (e da oposição) a surpresa é Costa só estar 16 pontos na frente.

Só que o título podia ser outro: “Chega de André Ventura já só está a 15 pontos do PSD de Rio”. E isto sim, é surpreendente e assustador. O problema de Rio ser o presidente do PSD não é o de ser uma garantia de vitória para Costa. Não. É o de estar a tornar o PSD tão insignificante que até o Chega se está a aproximar. Dirão alguns que não passa de uma sondagem e de um momento. Foi o que pensaram os do Partido Popular em Espanha sobre o VOX e agora, nas últimas sondagens, aparece o PP com 19% e o VOX com 15%.

Ou os militantes do PSD se organizam e tiram de lá o Rio ou vão todos ao fundo com ele. Neste momento o PSD é o Titanic da política portuguesa e o maestro Rio continua a tocar. Valha-nos Deus…

 

(cartoon palmado AQUI)

Madrid: Um prenúncio de morte

Pablo Iglésias acaba de anunciar que é candidato a Madrid. O que vai fazer o PSOE? A geringonça espanhola está pela hora da morte…

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Madrid: Um prenúncio de morte
/

Corruptos na prisão

Francisco Correa, um desses “empreendedores” que a trupe liberal-fascista venera, montou uma complexa rede de corrupção e tráfico de influências que envolvia políticos, governantes e autarquias governadas pelo PP espanhol, uma espécie de Pàf do país vizinho, ainda que mais inclinado para o autoritarismo. Felizmente para os espanhóis, o corrupto foi condenado a 51 anos de prisão, juntamente com o antigo tesoureiro do PP, Luis Bárcenas, condenado a 33 anos, e mais uma série de Pàfs espanhóis.

Estou mesmo muito feliz pelos espanhóis. E ao mesmo tempo invejoso. É que, por cá, ser político, banqueiro ou empresário corrupto ainda é um crime que compensa. O Sócrates e o Isaltino ainda estiverem presos uns meses, é certo, mas a justiça portuguesa tem sérias dificuldades em meter e manter criminosos de colarinho branco na cadeia, o que é uma pena, já que o lugar deles é precisamente aquele. Apesar da trabalheira que seria substituir mais de metade do hemiciclo e dos autarcas deste país.

Sócrates e Relvas reeditados em Madrid

CC.jpg

Fotografia@El Boletin

Sócrates fez cadeiras ao Domingo, Relvas teve equivalências a várias cadeiras da Universidade da Vida, muito popular no Facebook, e Cristina Cifuentes, líder do governo regional de Madrid, obteve um mestrado com notas falsificadas, avança o El Diario, citado pelo Expresso.

A investigação do jornal espanhol revela que a classificação do trabalho final do mestrado, “Não apresentado”, foi alterada para “Muito bom”, dois anos após a conclusão dos estudos da conservadora, e acrescenta que Cifuentes raramente ia às aulas e terá feito exames em datas diferentes dos demais alunos.  [Read more…]

Catalunha – Madrid impõe a ditadura

O PP, o PSOE e o Cuidadanos acordam para fazer aplicar o art.º 155 da Constituição de Espanha, prevendo-se a ocupação policial e militar para a destituição do governo democraticamente eleito da Catalunha, impondo a ditadura com ocupação policial e militar!
No século XXI, nas Democracias ocidentais, deveria ser impensável invocar o primado da lei e do Estado Democrático quando a lei, mesmo a constitucional, viola um dos mais basilares Direitos Fundamentais, inscrito tanto na Convenção Internacional sobre Direitos Económicos, Sociais e Culturais, como Convenção Internacional sobre Direitos Cívicos e Políticos, o Direito à Auto-determinação!

rajoy

O Direito à Auto-determinação pressupõe a autonomia, abrangendo auto-responsabilidade, auto-regulação e livre-arbítrio de um ser humano ou colectividade, opondo à heteronomia definida por Kant -sujeição do indivíduo à vontade de terceiros ou de uma coletividade.
Neste caso da Catalunha, [Read more…]

Banha da cobra

Parece que Paulo Portas botou por aí “oração de sapiência”. Tanto bastou para que jornalistas sortidos ficassem em estado de êxtase e com o sistema endócrino desatinado. Nunca compreenderei a adoração que leva os fiéis a queimar incenso aos pés deste vendedor de banha da cobra, deste homem de vão saber, tratando-o como o mais profundo dos pensadores.

Valha a verdade, esta veneração diz mais sobre os crentes que sobre o seu ídolo. Quem ainda tem paciência e estômago para frequentar jornais percebe isto muito bem.

Atirar lama para o ar, para não se enlamearem sozinhos…

Confesso que ainda não percebi de onde partiu a tentativa de envolvimento de Assunção Cristas nesta história do BES. Muito provavelmente do PSD, que enterrado até à lama, não quer ficar sozinho da fotografia. Obviamente que a senhora era ministra do governo e como tal solidária e responsável pelas decisões tomadas. Mas o governo tinha um Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, a ministra das finanças era Maria Luís Albuquerque. Serão obviamente os primeiros responsáveis pela resolução do BES, a par do governador do Banco de Portugal. E sim, porque o governo era de coligação, o CDS/PP não se pode eximir às responsabilidades, mas tinha líder na altura, se estão recordados era até uma liderança irrevogável. Assunção Cristas era uma dos 8 vice-presidentes do partido. Terá a sua quota-parte, mas não pode ser colocada no mesmo patamar que outros com maior e mais directa responsabilidade no assunto…

PP de Rajoy ganha sem maioria

eleições espanha 2016

Infografia: El Mundo

O jornal El Mundo disponibiliza uma ferramenta para fazer coligações. Vai ser muito útil a partir de amanhã, num país onde nenhum partido conseguiu chegar à maioria por si mesmo.

Quanto aos resultados, apesar da corrupção à volta do PP, este foi o partido mais votado, tendo obtido um melhor resultado eleitoral comparativamente à eleição de 2015.

Tempos estranhos estes, onde políticos atolados em escândalos conseguem ganhar eleições.  [Read more…]

Lava Jato

O esquema explicado.

Nuno Melo, nem hoje, nem nunca

foto@globalimagens

foto@globalimagens


Apesar de ter todas as condições internas para ser o futuro líder do CDS/PP Nuno Melo afasta-se da corrida à liderança do seu partido. Confesso que nem tomei muita atenção aos argumentos apresentados porque sempre achei que assim seria.

Nuno Melo não vai ser candidato agora, nem nunca à liderança do CDS. Esta é a minha convicção. Ainda bem que o próprio tem consciência das suas próprias condicionantes. Infelizmente muitos não tem esta lucidez. A ambição tolda a muitos o bom senso e o pensamento. Penso que faz bem apoiar Assunção Cristas, mas também não lhe restaria outra opção.

E com esta nova liderança parece-me que o partido vai afastar-se da linha PP centrando-se mais no plano ideológico do que foi no passado o CDS. Um partido menos liberal e mais democrata-cristão.

Governo Rajoy imita as piores práticas do PàF

PP

O Ministério do Interior espanhol usou a sua conta no Twitter para fazer propaganda eleitoral e promover Mariano Rajoy, colando o líder do PP a Adolfo Suarez e ao histórico momento da transição democrática. Estes PàFs espanhóis tendem a confundir os recursos do Estado com os dos seus partidos, como de resto foi acontecendo por cá com os seus parentes políticos: Paula Teixeira da Cruz usou dirigentes públicos para servir a campanha do PàFPires de Lima seguiu-lhe os passos e até o sítio do Governo publicou um documento manifestamente imparcial intitulado 4 anos de credibilidade e mudança. A uns como a outros, de pouco lhes adiantaram as manobras: venceram o escrutínio mas perderam o poder absoluto, o único que conhecem e com o qual sabem governar. Hoje chegou ao fim a hegemonia da central de negócios do bloco central espanhol. A nossa vez chegará.

Ciudadanos e Podemos ” à porta ” do governo espanhol

espanha

A sondagem do ” El Pais “, publicada hoje, relativa às eleições gerais espanholas marcadas para 20 de Dezembro é muito interessante comparada com os resultados das últimas eleições legislativas em Espanha.

Esta sondagem dá uma perda de mais de 80 deputados para o PP do actual presidente do governo, Mariano Rajoy. O PSOE, de Pedro Sánchez, também aparece em perda, mas mais moderada, com menos 10 a 15 deputados.

Mas a grande surpresa são os dois novos partidos, os Ciudadanos, de Albert Rivera, que poderá chegar quase aos 90 deputados e o Podemos, de Pablo Iglesias, que poderá ter mais de 45 deputados. A mesma sondagem diz-nos que o conjunto dos outros partidos de esquerda poderão alcançar 40 deputados.

[Read more…]

PaF não é Madrid

Sim, não somos a Grécia, mas poderemos ser como Madrid? Quem teve mais votos? Quem governa?

O eleitoralismo aqui ao lado

Governo espanhol apresenta proposta de OE 2016 de onde se destaca o aumento da despesa na Educação, em políticas activas de emprego e nas transferências para Catalunha (10%). E claro que a ascensão do Podemos e do Ciudadanos não tem nada a ver com isto.

Ventos que sopram de Espanha

Touro ESNo dia a seguir ao pedido de demissão da ministra da saúde espanhola, alegadamente envolvida no caso Gurtel, um caso de corrupção que envolve alguns dirigentes de topo do PP, Mariano Rajoy foi ao hemiciclo espanhol dizer aos deputados e ao país que “a maioria dos políticos são decentes” e que “a Espanha não está corrompida”.

Eu não conheço a realidade espanhola o suficiente para me poder pronunciar mas é interessante verificar que, como aqui, existem ministros que pedem desculpa. Claro que, neste caso, o pedido desculpa de Rajoy aproxima-se mais dos pedidos de desculpas de alguns papas pelas heresias eclesiásticas praticadas por alguns dos seus pares do que dos motivos que levam ao mesmo comportamento por cá, regra geral relacionados com incompetência e experimentalismos ocasionais. Sempre muito comovente.

[Read more…]

Está tudo bem

estamos à espera que o CDS diga se está dentro ou fora. De resto, sem Ministro das Finanças, sem Ministro de Estado, por acaso líder de um dos partidos da coligação, está tudo a correr dentro do que é normal.

Se calhar a relação precisa de um tempo – estamos a pensar falar com a Maria ou então consultar o Borda d’água.

passoscoelho

Não me demito

E vocês?

Portas, o esperto

Diz  a canalhada aqui pela terra, que espertos são os cães. Que a qualidade humana equivalente é a inteligência.portas

Palpita-me, por isso, que Paulo Portas se enganou na porta. Mas, que é esperto, ai isso é. Só tem um problema – como se julga esperto, pensa que os outros são burros.

Em jeito de legenda desta imagem, poderia dizer que na sexta o governante do meio falou, o da direita, sorridente esperou por domingo. E disse que, pela velhinha – a da esquerda – iria até ao fim do mundo. Parece que, afinal, o mundo tem fim e bem próximo, tal a celeridade da viagem do Portas. Foi de zero a cem em menos de uma semana – zero cortes nas aposentações até ao, vamos a isso, a todo o vapor. Obviamente, todos sabem que cortar nas aposentações e ainda por cima com efeitos retroactivos é uma inconstitucionalidade tão gritante que até o Marques Mendes, se conseguir subir acima de um banco, conseguirá ver.

Claro que ninguém voltou atrás – claro!

O CDS e o PP, com Portas, nunca voltam atrás: eram pelos contribuintes e são responsáveis pelo maior aumento nos impostos de há memória. Agora, eram pelos velhinhos, mas vão às reformas sem qualquer problema. Sempre o soubemos. Nós e eles – só é pena haver tanto povinho esperto que não vê o que esta gente tem em mente. Será que no Fórum para trocar cromos se conseguem trocar alguns destes?

“Este presidente es un delincuente”

                      Manifestação em frente à sede do PP (Madrid), esta noite – Foto: Cristóbal Manuel – El País

Se um partido no governo decreta que todo o solo do país é urbanizável, como fez o Partido Popular (PP) de Aznar em 1998, e empurra o país para a construção de um enorme “império do tijolo”, é natural que as empresas construtoras fiquem gratas.

Em 2013, na ressaca da grande borbulha imobiliária, com milhares de casas vazias e um crescente número de cidadãos despejados, aparecem por fim os livros de contabilidade do PP, com a prova inequívoca daquilo que já há muito se suspeitava. Entre 1990 e 2009, os tesoureiros registaram centenas de recebimentos vindos de grandes empresas (construtoras, sobretudo, mas não só) – aproximadamente 7,5 milhões de euros, já sem falar nos donativos ainda em pesetas – e uma longa série de pagamentos a altos cargos do partido, incluindo o actual presidente do governo, Mariano Rajoy. Pagamentos jamais declarados ao fisco, se é que é preciso acrescentar.

A história, investigada pelo diário El País, rebentou hoje, e a esta hora há várias manifestações espontâneas frente às sedes do PP de todo o país. Correm rumores de que já foram feitas algumas detenções. De manifestantes, claro.

Passos Coelho em castelhano

Isto é nojento, Passos Coelho. Andam a plagiar-te. Processa-os. Cobra direitos de autor ou exige Olivença de volta. Não deve chegar para salvar a economia portuguesa, o Gaspar não deixa, mas sempre é uma ajuda na balança económica.

Sê empreendedor: regista a patente, empacota, embrulha e exporta. A indústria da mentira espera por ti.

Assim vai a direita em terras de Espanha

Uma montagem em que a ainda ministra da Defesa aparece neste despropósito foi publicada por esta senhora, Francisca Pol Cabrer, vereadora do PP.  Desconhece-se a propriedade do peito utilizado. A senhora do PP já se demitiu e pediu desculpa. No meu  tempo as franquistas eram mais estilo opus dei. Volta Franco, fazes falta à moral e aos costumes das tuas devotas.

Ganhamos!

Não sei se com acento se sem acento – sei que ganhámos! Ou ganhamos se preferirem. Eu nunca me dei muito bem com as convenções temporais – o ontem e o hoje, depois de se ter filhos, transformam-se de uma maneira que a palavra futuro conjuga-se, quase sempre, no pretérito perfeito e muitas vezes no condicional, mas enfim…

 

Quanto ao que vos queria dizer – GANHÁMOS! Ou GANHAMOS!

E ganhamos porque tivemos a capacidade de movimentar e mostrar na rua o que de facto não queríamos: foram os de esquerda e os de direita.

Os que vão a todas e os que nunca tinham ido. FOMOS TODOS!

Exigimos, pois, que se possa dar o passo seguinte.

 

Ele está a ser dado – o PCP e o BE já chegaram à frente.

 

O  que vai fazer o PSD? E o PP?

Eleições Europeias:

Antigamente não perdia uma destas por nada deste mundo. O José Freitas bem sabe que era assim. Arruadas, almoços, jantares, debates, comícios e outros “santoinhos” da campanha eleitoral.
A carne e o lombo assado eram uma das minhas companhias. Fosse com batata assada ou com arroz branco pegajoso. O que importava era enganar a fome e preparar as forças para o resto da caminhada. Vejam lá, até corri o país de lés a lés. Ainda imberbe e sem carta, palmava sorrateiramente o VW Polo dos papás só para participar nas caravanas. Antes ainda, na pré-adolescência, participei no “roubo” de uma camioneta de passageiros da Resende só para um comício no Palácio de Cristal. O condutor, o falecido e saudoso amigo Pedro Resende, tinha uns 15 anos mas guiava a carripana como poucos. Era no tempo em que se colava cartazes e colocava pendões. Depois veio a profissionalização da coisa e assim se perdeu metade da piada.
Aos gritos de P-P-Dê-P-S-D e noutra fase P-P, P-P, com regresso a casa mas já no tempo do P-S-D, P-S-D. Lembro o “Sá Carneiro amigo, o Povo está contigo” tinha eu 6/7 anos e o “Prá frente Portugal com o Freitas do Amaral” e ainda “Cavaco vai em frente tens aqui a tua gente” sem esquecer o “Para o que der e vier temos Lobo Xavier” rapidamente alterado: “Para o que der e vier não contes com o Xavier”.

Agora só obrigado participo. Foi o que aconteceu hoje. Para fazer a vontade à patroa e cumprir, tardiamente, a minha obrigação para com o Aventar, rumei à Fundação Cupertino de Miranda para o jantar com o Paulo Rangel. Felizmente, eram tantos e tantas, mas mesmo tantos e tantas, que não consegui passar da porta. Só consegui ouvir qualquer coisa sobre Sá Carneiro e o Porto. Por isso, peguei na “Maria” e toca a pousar o rabo numa cadeira da cervejaria “Dupark” mesmo ali ao lado. Que delícia de presunto e magnifico bife!
Pois, ficou o Aventar a perder. É que eu, agora, só se for eleições locais. As restantes não me dizem nada, não há um só líder que me chame, que me faça correr a minha rua quanto mais…