A encenação, afinal, era à direita

O spin da direita funcionou e o alegado controle da comunicação social por parte da esquerda, sem surpresas, revelou-se mais um embuste bem sucedido da direita. Durante semanas, lemos e ouvimos deputados-cronistas, senadores de Domingo a noite e profissionais do spin, todos a insistir na mesma tecla: o OE22 seria aprovado, sem dúvida alguma, e as difíceis negociações em curso não passavam de uma encenação. PCP e BE estavam, literalmente, no bolso de António Costa. Um esquema bem montado que está aí para nos recordar que os radicais da direita trauliteira passista nunca foram embora. Rangel, como outros antes dele, é apenas a sua mais recente barriga de aluguer. Mas a crise política tem um e apenas um culpado. Chama-se António Costa. Foi ele que não quis aceitar os termos dos partidos de esquerda para garantir o seu apoio. A ver vamos, se a esquerda ainda vai a tempo de sacar um coelho da cartola até Quarta-feira.

Comments

  1. Alexandre Barreira says:

    ……..o BE e PCP não querem eleições antecipadas….e o OE vai passar por uma “unha negra”……….está escrito no vento…..!!!

  2. JgMenos says:

    A macaquice não terminou.
    A macacada está em modo de propaganda.
    Normalizar as aberrações esquerdalhas é o tema.

    Aos saudosistas do PREC desejo todo o sucesso; outros se recordarão da paga que ficou em dívida.

    • POIS! says:

      Pois tá bem!

      Que comentário mais macacão!

      Até mete contabilidade macaca! “da paga que ficou em dívida”?
      Bem…se há dívida não houve paga; se existiu paga, nada ficou em dívida…

      Fico por aqui, antes que dê a V. Exa. alguma macacoa.

    • Paulo Marques says:

      Pois, eu estou em dívida ao SNS por me manter os dois pais, com condições que davam pouco lucro para tratar no privado.

      • POIS! says:

        Sim, mas podia utilizar a chamada “liberalásia”: ir à sua vidinha e fingir que eles nem existem.

        E fica tudo resolvido! Viva a liberdade! Abaixo a opressão do Estado!

  3. Luís Lavoura says:

    a crise política tem um e apenas um culpado. Chama-se António Costa. Foi ele que não quis aceitar os termos dos partidos de esquerda

    Mas então é obrigação de António Costa aceitar os termos que o BE e o PCP lhe sugiram? Sejam quais forem esses termos, ele tem a obrigação de os aceitar? Mas então, afinal, quem é o partido maioritário e que está no governo? Não são o BE e o PCP, pois não?

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.