Presidenciáveis e o momento

Todos os candidatos que estão no terreno foram questionados sobre o que fariam, na situação presente, se fossem presidentes. De Henrique Neto, Maria de Belém e Marcelo Rebelo de Sousa ficamos a saber que “ah e tal, é preciso decidir, patati-patatá, o país e os portugueses e as portuguesas, a bem dizer, isto é muito importante e tal e coisa”. Mais palavra menos palavra. Edgar Silva e Sampaio da Nóvoa responderam que, nesta situação não teriam dúvidas e indigitariam António Costa como 1º ministro. Bom, já temos dois candidatos que sabem e que querem, o que devem e não têm problemas em tornar pública a sua posição sem calculismo nem conversa de inconseguimento.

Um homem às Direitas… em Leiria

Um homem às direitas

Viver não custa.O que custa é saber ensinar a viver

símbolo da liberdade que todo candidato deve respeitar

A flor da liberdade

Ontem escrevi sobre o dever da heresia, por causa de vários políticos andarem a correr para o cargo de Presidente da República. Não há texto em que eu não tenha escrito sobre o debate da hecatombe que deveria percorrer todo o país. Fala-se de tudo, vive-se como se entende, gastam-se as poupanças em divertimentos, o crédito é o rei do dia-a-dia, os debates são sempre entre candidatos e pela televisão que vemos e ouvimos calmamente desde a cama. Não há comícios nem desfiles para apoiar o candidato preferido. Ninguém fala das suas preferências: resultaria num sortilégio, como cumprimentar alguém antes do seu aniversário, dá má sorte…

O que pretendemos do próximo Presidente, é apenas debatido na Assembleia da República ou nas reuniões de pessoas do mesmo partido. Do que se fala, é de louvar os candidatos. É raro que, esse pretendente à mais alta magistratura da Nação, sai à rua para esclarecer pontos obscuros do seu programa. Portugal é infantil: [Read more…]

Cheque dentista – guerra aos desdentados

3 200 dos 7 000 dentistas  existentes aderiram livremente ao esquema, que tem permitido que crianças e idosos recebam cuidados médicos.

 

Como seria de esperar, já há quem esteja contra o sistema, porque só permite três visitas ao dentista por ano, que os níveis etários baixem para dar acesso a mais utentes, que os cheques sejam pagos em tempo e que o valor aumente.

 

E o rabinho lavado com água de azeitonas, como se diz lá na Beira?

 

Para metade dos dentistas este esquema é importante, pois são os que passaram a ter trabalho,  mas a outra metade, só vê nisto mais uma forma de facturação. Se levam cem euros por uma consulta,  como vão eles trabalhar por quarenta euros? Podiam deixar esse nicho de mercado para os colegas mais jovens, mas isso é coisa que  não encaram.

 

Neste país, mesmo as boas medidas governamentais e, esta, é uma boa medida do governo Sócrates, beliscam sempre uns senhores muito importantes que acham que o direito de exercerem a profissão é só deles, o governo tem que atender às suas reinvindicações, tal como o Júdice acha que as três maiores empresas de advogados deveriam ser sempre ouvidas pelo governo e, na função pública, acham que devem ganhar mais, ter mais férias, trabalharem menos horas, que o comum dos portugueses. Porquê? Porque sim!

 

É esta a guerra que se desenvolve entre dois candidatos à Ordem dos Dentistas, um defende a coutada, outro defende os que precisam de trabalho. Afinal, como em todas as Ordens!