Todos ao monte

Eu vou à farmácia e à funerária, tudo no mesmo dia, num conjunto de iniciativas na área da saúde. Claro que também sou adepto, do SPORTING CLUBE DO PORTO & BENFICA. Sou, também, um fã do Jorge Lopetegui Vitória (sim, do Rui Barros também, apesar dele ser do tamanho de outra candidata).

marcelofutebol

Os espelhos da Nação

Por A. Coelho de Carvalho

Futebol, corrosão da Democracia

Recordando um escrito meu, que ninguém quis publicar desde há uns 6 anos, volto a perguntar:

Não será já tempo de reflectirmos a sério sobre o impacto corrosivo do futebol, não só no Desporto como na nossa vida de cidadãos de um país por nossa culpa adiado?

Desde há milhares de anos, em todo o mundo, brincar com objectos que saltem é das primeiras brincadeiras das crianças. Esta naturalidade está na base da popularidade do futebol. Como também há uma latente semelhança entre o futebol e os desafios de amor (as jogadas entendidas como carícias e os golos como orgasmos…) todos passámos a adorar o jogo, a jogar ou a ver jogar…
Foi então que houve quem se aproveitasse da nossa paixão. Primeiro directores dos clubes, depois comerciantes, políticos e, por osmose, donos dos jornais, das rádios e das televisões, construtores civis e negociantes mafiosos.

[Read more…]

Futebol e Austeridade

“Vários clubes aumentaram os gastos no mercado de transferências.

Em tempo de crise, o futebol continua sem apertar o cinto.”

Que comentários há a fazer?

Anda o ZÉ-Povinho a apertar o cinto e a lutar pela sobrevivência… Podemos engolir isto facilmente?

E não se faz nada…

Lutador dos sete ofícios

Portugal é um país muito pequeno, uma espécie de aldeia à escala planetária. Não me surpreende a presença duma pessoa em vários momentos da vida cívica até porque a cidadania lusa já teve melhores dias. A experiência vai-me mostrando que as pessoas que fazem as associações recreativas são as mesmas que estão no folclore, nas associações de pais, na igreja, nos clubes, nos partidos, nos sindicatos…

Alguma direita tem procurado apontar o dedo a quem aparece na rua a protestar contra algo, nomeadamente quando se trata de pessoas ligadas ao PCP e ao BE. Desta feita trata-se da luta contra as portagens no Algarve e o BE é o bombo da festa. Parece-me excessivo que um partido ou uma organização tenham que mandar nos seus membros, quando estes actuam numa outra condição. Parece-me estranho que alguma direita, sempre tão liberal, ache que o presidente do meu partido tenha que ter opinião sobre o que eu faço no clube de futebol da minha terra ou naquilo que faço na minha comunidade, por exemplo, como elemento de uma associação de pais.

Esta transparência e divisão de “tarefas” não é uma condição da democracia? O que sugere Helena Matos?

Que cada um dos cidadãos só possa ter um papel na sociedade? Ou que, no caso de ter mais do que um, tenha de fazer uma declaração de interesses? É isso que sugere? Que traga na lapela um pin de cada uma das suas funções?

Será que teremos este tipo de considerações para os cargos de chefias de empresas, na promiscuidade entre as empresas e o estado, entre os partidos e a comunicação social? Os de confiança

Fica a sugestão para o Blasfémias.