Poesia de Abril – Abril Sempre

Abril Sempre

Abril de calor,
Abril da frieza,
Abril de fervor,
Abril da pureza.
Abril da chuvada,
Abril de saudade.
Abril camarada,
Abril liberdade.
Abril que é verdade.
Abril solto, Abril suado,
Carregado de paixão;
Abril sem entrave,
Fraterno e inebriado:
Abril revolução!
Abril do passado,
Abril do presente:
25 de Abril Sempre!

Fotografia retirada do site: abrilabril.pt

Celebrar o Dia da Liberdade – 25 de Abril

Celebro, sim, sem qualquer mas, grato, sempre e muito, ao MFA, os militares que nos conduziram ao fim da ditadura moribunda do Estado Novo e nos ofereceram, através do seu programa, a Liberdade, individual e associativa, e a Democracia.
Quem diz celebrar este dia com “ah, mas o PREC” ou com “ah, mas só com o 25 de Novembro”, não está ainda preparado para sentir que o MFA, que mais tarde se dividiu, é certo, foi quem nos ofereceu a possibilidade de tudo o que nós fizemos após 25 de Abril de 1974.
Foi o 1º Dia, o primeiro Dia da Liberdade, após 48 anos de ditadura e é apenas esse dia que neste Dia celebro sem reserva alguma.
E celebro sim, com a Grândola que o João Mendes já colocou e com a marcha “A Life on the Ocean Wave”, de Henry Russel, adoptada como Hino do MFA!

Imagens de Abril: 25 de Abril – Dia da Liberdade – 1979

Imagens de Abril: 25 de Abril – Dia da Liberdade – 1978

Na 5.ª Feira, o Aventar estará lá com todos vós


O Aventar associa-se à manifestação «Todos pela Liberdade». Na quinta-feira, às 13.30 h, estaremos lá. Na Assembleia da República. Connosco, a maior parte dos blogues que defende a liberdade e a democracia. O Gabriel diz quem são.
O Aventar é um blogue plural, que reune gente de Esquerda e gente de Direita mas que, no essencial, defende a Liberdade. Penso que é isso que está em causa. Pessoalmente, posso não me identificar nada com alguns desses blogues, mas, neste momento, isso é secundário. Neste momento, o objectivo é só um e está acima de todos.
Convergência estratégica? Seja, se assim se quiser chamar. O texto do Manifesto é bem claro. Ninguém quer dar mais poder ao Presidente da República. No fundo, é dar o mesmo poder que se deu a Jorge Sampaio quando dissolveu a Assembleia da República. Março já está aí.