O lobby da estupidez

João Caupers, o novo presidente do Tribunal Constitucional (TC), ainda agora entrou e já se lhe indica a porta de saída.

Em 2010, aquando da aprovação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, o agora novo presidente do TC afirmou, entre outras coisas, numa crónica afixada na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa que, e cito, “A minha tolerância para com os homossexuais não me faria aceitar, por exemplo, que a um filho meu adolescente fosse “ensinado” na escola que desejar raparigas ou rapazes era uma mera questão de gosto, assim como preferir jeans Wrangler aos Lewis [sic] ou a Sagres à Superbock”. Portanto, João Caupers acha comparável gostar de diferentes marcas de cerveja com gostar-se de pessoas do mesmo sexo. Quem nunca acordou de manhã a pensar “hoje apetecia-me mesmo uma Tagus”? Ou então “hoje apetecia-me mesmo fazer sexo oral a um camionista na EN14”? Se não fosse suficiente, Caupers posicionou-se “contra” o lobby gay (ter um presidente do TC com crenças em teorias da conspiração era tudo o que precisávamos neste momento), afirmando que os homossexuais gozam de um estatuto de protecção especial, ao contrário dos “vegetarianos” que, diz João Caupers, existem em maior escala em relação aos homossexuais.

O novo presidente do TC carece de inteligência emocional, é notório. Quantas vezes não fomos já atacados pelo “lobby gay”? Quantos de vocês nunca estiveram sossegados na vossa casa, no silêncio da noite, e o “lobby gay” sempre a chagar-vos a cabeça? Quantas vezes já não fomos, todos nós, assediados pelo “lobby gay”, que nos sussurrava interiormente: “dirige-te ao glory hole na estação de serviço de Pombal” ou “encontra-te com aquele senhor matulão em Monsanto” …? Quantas vezes? É a chatice do “lobby gay”. Muitas vezes estamos a descansar depois de um longo dia de trabalho e… zás!… lá está o “lobby gay” em cima de nós a pedir sexo anal ou que coloquemos o strap-on. [Read more…]

Violação por decreto

rape

Uma menina de 20 anos foi encontrada em sua casa na companhia de um rapaz (não descobri informação quanto à idade dele, mas presumo que seja de faixa etária próxima) de uma religião diferente.

De imediato, foi convocado um conselho tribal de cidadãos, daqueles de tipo medieval, onde se decidiu multar os jovens enamorados, que, pelos vistos, aguardavam a sentença amarrados a árvores. Cada um deles teria que pagar 25,000 rupias (cerca de 290 euros) pelo hediondo crime de enamoramento por alguém de uma tribo que não a sua. [Read more…]

Henrique Raposo, a direita salta-pocinhas

Este texto de Henrique Raposo constitui mais um momento de delírio de uma certa direita não-pensante.

Se eu fosse completamente acéfalo, descobriria, em primeiro lugar, que a recuperação dos impropriamente chamados subsídios de férias e de Natal depende de os funcionários públicos aceitarem a necessidade de que é importante separar “o trigo do joio da Administração Pública.” Se é assim, exijo a reposição dos meus subsídios, uma vez que reconheço essa necessidade. Diante desta declaração pública, espero ver um acrescento substancial na minha conta bancária, no máximo, até amanhã.

Para explicar aos que considera ignaros, dá o exemplo dos gastos supérfluos do concelho do Alandroal como um dos motivos para que os funcionários públicos tenham sofrido os cortes que sofreram. Curiosamente, apesar de apresentar alguns números, Raposo limita-se a fazer perguntas, não tendo a certeza de que o referido concelho tenha, efectivamente, funcionários a mais. Não acredito que um governo responsável se limitasse a cortar sem ter a certeza de que esse corte era necessário. Recuso-me a acreditar que um responsável político pudesse pensar qualquer coisa como “Bem, se calhar, há alguns municípios que têm funcionários a mais e, diante dessa probabilidade, não vamos estudar o assunto e vamos cortar os salários dos funcionários públicos.”

No último parágrafo, a loucura de Raposo chega ao ponto de dizer que a compra de casas e os próprios subsídios de férias dependia de dinheiro pedido ao estrangeiro. Nem uma palavrinha para os muitos dislates de vários governos que desperdiçaram subsídios europeus, destruíram tecido produtivo, inventaram parcerias públicas de interesse privado ou tiraram dos impostos para dar bancos que faliram por má gestão. A culpa é, evidentemente, dos funcionários públicos e não de quem anda, há anos, a servir-se do Estado.

Felizes os pobres de espírito, que deles será o governo do país.

A Inteligência Saiu à Rua

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=14575136&server=vimeo.com&show_title=1&show_byline=1&show_portrait=0&color=00adef&fullscreen=1&autoplay=0&loop=0

Linha do Minho, Agosto 2010. (podia ser noutro sítio qualquer)