A amabilidade para os negócios

Imagem: Reuters

Hoje mesmo, à margem da Conferência de Segurança de Munique, em entrevista à ARD, o primeiro canal de televisão alemão, a directora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, sai-se com estas:

tagesschau.de: Mas qual é o seu conselho concreto para mudar para melhor a situação nos países do Sul da Europa de forma rápida e sustentável?

Lagarde: Eu proponho o seguinte: Em primeiro lugar, actualmente só o sector privado pode trazer investimento e emprego para estas regiões. Para isso, são necessárias algumas reformas. Por um lado, é preciso flexibilidade, para que as empresas tenham incentivos para contratar novos empregados, porque sabem que não estão num colete-de-forças. Um país como Portugal mostrou que isto realmente funciona.

A segunda área, em que ainda há muito a fazer, é aquilo a que chamo a amabilidade dos países para os negócios. Há países do Sul da Europa – a Grécia, por exemplo – onde os processos de falência demoram nove vezes mais do que na Irlanda. Tais procedimentos têm de ser acelerados. Há países que já provaram que isso é possível – como Portugal, por exemplo. Se, como jovem empresário em Lisboa, você sabe que pode criar a sua empresa em cinco dias, em vez de num mês, isto é um claro incentivo a que as coisas mudem para melhor.

Que lhe dizemos, leitores? Que não foi bem isso que melhorou a situação???

 

 

 

A caminho da felicidade

escravos, china, 2010

Quando o honrado empresário português tiver todas as leis para despedir, sem indemnização, o colaborador com quem embirrou pela manhã, quando o subsídio de desemprego encolher de vez e se reduzir a meia-dúzia de meses, quando tivermos um milhão de desempregados, esta espécie de gente continuará a pedir mais flexibilidade nos despedimentos, porque sim, porque só assim se criarão novos postos de trabalho, e todos serão contratados a prazo pelo novo salário mínimo de 200 euros, e o desemprego baixará.

Então as multinacionais deslocalizarão umas fábricas para Portugal e algumas economias emergentes, esclavagistas e asiáticas, tremerão com a ameaça da nossa concorrência.

Já faltou mais.