Eu apoio Passos Coelho

Quem se confessar distraído e curto de finanças poderá sempre contar com a minha compreensão, porque gosto de me sentir acompanhado. Possuo uma capacidade de desorganização demasiado humana e, portanto, imperfeita e sou, muitas vezes, obrigado a fazer alguns malabarismos financeiros para que o mês não fique mais comprido que o salário. Também eu não sou um cidadão perfeito. É por isso que compreendo Passos Coelho.

Também tolero a dificuldade do primeiro-ministro em explicar-se: uma pessoa, às vezes, dá uma resposta apressada e, depois, tem de andar uns tempos a tentar endireitar aquilo que nasceu torto. Primeiro, não sabia que tinha de pagar e pensou que havia obrigações opcionais. Como essas explicações não podiam ser aceites pelo Direito e eram malvistas pelos que pagaram à Segurança Social, é natural que Passos Coelho, humanamente, tenha tentado disfarçar, fazendo de conta que havia “chicana política” ou invejas ou mesmo mau-olhado. Finalmente, não restaram senão a verdade ou a verosimilhança sob a forma de distracção e de falta de dinheiro.

Devo dizer que a crónica de Vasco Pulido Valente acabou por contribuir para que a minha tolerância para com Passos Coelho aumentasse ainda mais. Na realidade, as pessoas que passam pelas juventudes partidárias são, muitas vezes, as crianças-soldado da política, obrigadas, desde pequeninas, a alombar com as armas da demagogia e da conspiração, ficando, para sempre, deformadas e, portanto, incapazes de dizer a verdade ou de governar um país.

É por isso que Passos Coelho poderá sempre contar com o meu apoio para deixar de ser primeiro-ministro, porque faz tanto sentido colocar um jotinha a governar o país como oferecerem-me um lugar de cirurgião. É que pode morrer gente, senhores!

O desemprego visto pelo jotinha

De toda a estupidez, servilidade e desonestidade que poluem violentamente a quase totalidade da nossa Assembleia da República, nada me irrita mais do que os jotinhas pró-austeridade que fazem o papel de caixinha patética de ressonância dos patrões dos seus patrões. Irrita-me porque são jovens, irrita-me porque acham que falam em nome dos jovens e irrita-me sobretudo porque são a prova de que a classe política insiste na incapacidade de se renovar e continua a produzir lixo, carreiristas e lambedores de botas à custa do erário público. Estranho conceito de mérito.

Dei com o chefe das camadas jovens laranjas, um rapaz caro de manter num pais sem dinheiro para pagar salários, a falar sobre o desemprego em Portugal. Ver um jotinha, principalmente um que exerce funções de deputado, a falar sobre desemprego, causa-me sempre alguma confusão. Fica no ar a sensação de não saber muito bem do que está a falar. Não só porque nunca esteve desempregado, mas principalmente porque joga num campeonato diferente no que toca ao acesso ao emprego, já que fez a sua carreira nos corredores da jota, serviu as pessoas certas e agora é mais um deputado sem experiência nenhuma para o ser apenas e só porque a meia-dúzia que manda no PSD o escolheu para o lote de “seleccionáveis” no qual os partidos políticos nos permitem votar.

[Read more…]

Quem votou neste Presidente e nesta maioria

não tem nada a dizer? Que silêncio tão barulhento…

For the ‘mini boys’?

JSD quer criar ‘mini jobs’ para universitários