Porto Canal e mística portista

 manutencaoArmindo de Vasconcelos

O “Porto Canal”, a estação de televisão que mais se aproxima do meu conceito de projecto para a informação privilegiada de um clube, mostra como o FC Porto contornou certas tentações, de que o canal Benfica TV é o exemplo acabado com o apanágio da chicana e do insulto. E isso faz toda a diferença!

Se me disserem que a Benfica TV, entretanto, inverteu este rumo desde que deixei de vê-la, então considero o que escrevi como registo histórico, removendo-a do presente.

É óbvio que o aberrante, por vezes, pode divertir-nos. A mais execrável conduta pode lançar-nos um sorriso no olhar. Temos esta particularidade de rir – ou sorrir – de tudo aquilo que, ainda que sórdido ou dramático, só pode ser visto à luz da caricatura. Eu próprio gozei imenso com aquela invenção pré-histórica de “transmitir” os jogos do Benfica com círculos num tabuleiro, que se mexiam, alegadamente mostrando o desenrolar do jogo que corria ao lado, na SportTV ou num canal generalista. Burlesco, no mínimo, como burlescos se tornavam alguns lugares comuns do insulto ao FC Porto, durante essas transmissões, mesmo quando o adversário não era o dragão. [Read more…]

A reportagem da TVI sobre o ensino privado, versão grupo GPS

Dizem que é uma espécie de gordura de estado: milhões a voar para ilegalidades várias, inspecções feitas com pré-aviso, ligações com actuais deputados e muitos reformados da política, o Grupo GPS é um caso de sucesso no enriquecimento em Portugal.

Alcançado como de costume: com o dinheiro dos seus impostos.

TVI – Reportagem completa sobre os colégios GPS

Já está disponível – rigorosamente a não perder.

Momento Zandinga

Governo atribui quebra de passageiros nos transportes públicos ao aumento da fraude

O Mapa Azul Marinho

digitalizar0001

No seguimento daquel’outro que ligava Angola e Moçambique, já temos um novo Mapa imperial, desta vez facilmente denominável de Mapa Azul Marinho. O problema estará na disponibilidade que outras potências, em primeiro lugar a Espanha, demonstrarão quanto à aceitação deste delírio de grandeza. Num país onde a compra de dois, repito, dois submarinos – normalmente deveriam ser uns seis ou oito – é pasto fértil para as vacas sagradas da politiqueirice caseira, não deixa de ser uma bastante original “anexação”. Há uns cento e poucos anos, vibrava-se sempre que uma nova unidade – ver imagem acima – era incorporada na Armada. Hoje os tempos são outros.

Vamos a ver se não temos um Ultimatum dentro de algum tempo. O pior é que desta vez não terá a ver com uma vaga reivindicação de um espaço jamais ocupado. Aquele mar – encerrando um maná de riquezas futuras – já foi nosso e poderia voltar a sê-lo, se estivessemos entregues a outra gente. O problema é exactamente colocado assim: SE.

Essa é que é essa.

TVI – As Escolas do Grupo GPS

Uma reportagem de serviço público! Nada poderá ficar como estava depois da reportagem de hoje sobre os colégios GPS! Custa-me, sempre, perceber como estes FILHOS da PUTA se governam às nossas custas!

Não ter vergonha na cara

Há pouco, estava Maria de Lurdes Rodrigues, na SICn, a falar sobre Educação.

Polícias passarão a usar mamas anti-balas

Implantes salvam mulher de tiros à queima-roupa

Ulrich diz que os bancos aguentam, ai, aguentam, aguentam!

Bancos precisam de 474 milhões para prevenir perdas na construção e imobiliário

Senhor Primeiro Ministro. Pedimos paz duradoura

Não sei como devo endereçar-me a si. Temos pensamentos diferentes, somos de ideologias desencontradas: o senhor é democrata neoliberal, eu sou socialista materialista histórico; o senhor deve ter sentimentos de fé, eu já os tive; o senhor é economista e entende de fórmula para converter a água em vinho e da multiplicação dos peixes e do pão como é referido no Sermão do Monte que os cristãos usam como parábola para se orientar na vida; o senhor governa, eu sou governado; o senhor e eu somos portugueses e comemoramos a restauração da autonomia de Portugal para se governa só, sem estrangeiros que assumam um poder que não é devido. O senhor diz que o nosso país está em falência e no bordo da rutura, mas o senhor também sabe os imensos esforços, porque tem vivido entre os esforçados todos os seus anos de vida, dos soldados de Portugal e do povo português para se libertar de um governo unitário que acreditava apenas no pai da nação, o ministro Salazar, e abandonava a fórmula trinitária dos cristãos que moram no nosso Estado, até cair.

[Read more…]

Estranho

Porque não vi ontem o Banco Alimentar no Mini Preço?

Segredo do Pai Natal descoberto!

Afinal, os gnomos são um mito: os ajudantes do Pai Natal são estivadores.

Revolucionar o estado passa por revolucionar os partidos

O Partido Comunista Português realizou este fim-de-semana mais um Congresso que acompanhei com alguma atenção e onde jcp_congresso002confirmei uma ideia contrária à vendida pela comunicação social: os jotinhas comunistas são de facto espectaculares. Foram várias as intervenções de grande qualidade, com conteúdo e que mostram que eles não brincam em serviço. Continuam a ter uma reflexão política de grande qualidade e, ao que vejo, em quantidade. Com uma vantagem – ali ninguém anda atrás de uma nomeação para uma empresa pública!

Mas Henrique Monteiro, no Expresso, pega no encontro de outra maneira – vai buscar a tese do Partido de funcionários, algo a que o Daniel Oliveira já respondeu e bem. Há uma relação de grande proximidade entre o PCP e o mundo sindical (todos o sabem) e, nessa medida, uma parte muito significativa dos quadros sindicais da CGTP são também militantes e dirigentes do PCP. Mas também é do conhecimento público que há uma enorme diferença entre esta gente e outra, que militando no PS, do PSD e no CDS, procura ascender socialmente, tenta encontrar o emprego e o salário que um percurso normal não lhe daria. E é aqui que a nossa revolução ou refundação ou seja lá o que for, tem que acontecer – nos Partidos! [Read more…]

Simplória Demagogia, Bésame Mucho!

Cartaz 11Há certos espíritos dobrados sobre si mesmos, a boca autocolada à pilinha-pombinha, num círculo fetal perfeito fecal, que insistem em revisitar o passado como se a respectiva reescrita a martelo e a respectiva releitura marreta fossem passíveis de operacionalização. Não são. Por exemplo, algures por Março de 2011, houve efectivamente uma alma peregrina, com as mãos sujas de comissões atrás de comissões em razão do seu poder, alma aliás sobre a qual decidi nunca mais escrever, que baseou toda a sua pré-campanha e campanha eleitorais na afirmação aflitiva do que não faria, daquilo a que se recusaria, caso fosse reeleito: governar com o FMI. Tipo: um gajo está teso, endividado até ao caralho-sem-pescoço, mas faz peito e diz ao testa-de-ferro dos credores: «Pá, devo-te cem. Ganho trinta. Vai-te foder, mas nem penses que conto com a tua ajuda para te pagar.»

Estou para saber como é que a Argentina não resistiu a disponibilizar-se para o FMI que veio destruir ainda mais o que estava debilitado. Estou para saber como é que mesmo o Brasil não foi capaz de passar sem a mesma disponibilidade, já longínqua, para que o FMI viesse cagar leis, pareceres e medidas, como conselheiro e messias autorizado por Brasília. O que é que estava na cabeça dos gregos, dos irlandeses, dos argentinos, dos brasileiros? Como puderam disponibilizar-se para governar com o FMI?! [Read more…]

Uns sabem, outros não

O Ministério da Privatização do Ensino Público, vulgo da Educação, decidiu centralizar os dados de carreira dos seus funcionários, operação com uns bons anos de atraso e que até poupa umas horas de trabalho a muita gente, incluindo os visados, os professores.

Claro que assim terá finalmente possibilidade de saber exactamente quem gere em termos de pessoal, o que se chama entrar na normalidade.

Vai daí mandou um mail a todos os professores, solicitando que via net colocassem os seus dados. Sucede que como a informática e o estado funcionam assim, um tolo mandou um endereço https ir parar a um endereço http.  Nada de estranho. Estamos em Portugal.

Anormal é o meu sindicato, da Fenprof, me spamar com um mail avisando que podia ser uma tentativa de phishing, o que é de infoburro para baixo, e sendo de senso comum nem vou perder tempo a explicar porquê.

Os professores, ao longo da última década, foram obrigados a tornarem-se infoincluídos, o que faz todo o sentido. O meu SPRC mesmo assim insiste em mandar-me o seu jornal em papel, a somar ao da Fenprof, em pdf não porque deve ficar muito caro. Podia contar mais estórias, a [Read more…]

Os governos querem fechar a Internet

Estão numa reunião, à porta fechada, a discutir o futuro da Internet. Mais informação aqui (em inglês).

Abandono escolar: uns desistem, outros aldrabam

escolaDavid Justino descobriu que os jovens prolongam a escolarização quando o desemprego aumenta, o que parece ser inquestionável, face aos números apresentados. Logicamente, quando havia mais emprego e a escolaridade obrigatória terminava no ensino básico, havia mais jovens a abandonar a escola, sendo que, na opinião de David Justino, se tratava “de um abandono sem que os jovens adquirissem as competências mínimas para uma inserção qualificada no mercado de trabalho.”

Se estas conclusões de David Justino fazem sentido, em grande parte, é necessário ver, por outro lado, que o mercado de trabalho não costuma estar disposto a absorver qualificações de que não necessita, o que quer dizer que as baixas habilitações literárias de muitos dos estudantes que abandonaram a escola foram consideradas suficientes para quem lhes quis dar emprego.

Na actual conjuntura, por várias razões, incluindo as aduzidas por David Justino, os jovens tenderão a prolongar a sua escolarização e a retardar a busca de emprego. Qual assaltante emboscado, o antigo ministro da Educação diz que é tempo de saltar ao caminho dessa juventude: “faça-se um esforço por proporcionar uma escolarização qualificante, mantendo a aposta no ensino vocacional, independentemente do modelo mais ou menos alemão ou mais ou menos compulsivo, apesar das carpideiras …” [Read more…]

Trezentos e Sessenta e Três Mil Euros

adro-igreja-ruilheÉ quanto disseram na última Assembleia de Freguesia de Ruílhe (Braga) que iria custar a renovação do adro da igreja;
a obra, laica, ficará concluída em 2013, poucas semanas antes das próximas eleições autárquicas. No entanto, a ponte para Arentim, sobre o rio Este, “ficou ainda mais frágil com as cheias do passado dia 26 de Outubro“, está já sem tráfego automóvel há alguns meses mas, dizem, “a passagem a peões mantém-se..” (sic, com reticências e tudo).
Interrogo-me como foi possível – e ainda bem que foi! – encontrar esta Junta de Freguesia 363.000 euros numa época tão austera e severa. Sentido de humor ou apenas má despesa pública?

Esta história dava um filme

Destino de grande parte dos submarinos alemães feitos até hoje. U-134 sob ataque da RAF em 8 de Julho de 1943.

Destino de grande parte dos submarinos alemães feitos até hoje. U-134 sob ataque da RAF em 8 de Julho de 1943.

Não tenho pretensões a compreender nada do que se segue. Mesmo nada.

[Read more…]

Passa hoje

São colégios privados, totalmente financiados pelo estado, ou seja, pagos por todos nós. Só este ano receberam de financiamento, qualquer coisa como 25 milhões de euros. Foram construídos de Norte a Sul do país, onde supostamente, as escolas públicas já não podiam receber mais alunos. Mas, na realidade o que uma equipa da TVI encontrou no terreno é completamente diferente. Fomos encontrar escolas públicas subaproveitadas, com salas vazias, à espera de alunos que foram transferidos para os colégios privados. O «Repórter TVI» mostra-lhe também um retrato do que se passa nesses colégios, com professores a serem ameaçados de despedimento, denúncias de manipulação de notas, professores que se sujeitam a humilhações. Ao todo são 26 colégios, todos do Grupo GPS, que tem como consultores, deputados e Ex-Secretários de Estado que depois de deixarem o cargo, passaram a trabalhar para o grupo. «Dinheiros Públicos, Vícios Privados» é uma reportagem da jornalista Ana Leal, com imagem de Gonçalo Prego e montagem de Miguel Freitas

Varsóvia, 1946

Michael Nash_Varsovia_1946

Fotografia de Michael Nash.