Uma Estalada Muito Bem Dada

A campanha “Papel por Alimentos”, lançada há um ano pelo Banco Alimentar Contra a Fome, recolheu mais de três mil toneladas de papel, que converteu em 300 mil euros em alimentos, mais prioritariamente leite, atum e azeite.

Felizmente as pessoas não se revêem nos comentários que por todo o lado escutamos ao longo do último mês.

Mistério: Quem é Artur Baptista da Silva?

Alguém com esse nome (será verdadeiro?) deu uma longa entrevista a Paulo Tavares da TSF na qualidade de coordenador de um programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.  E antes disso ao jornal Expresso e ao programa Expresso da Meia-Noite, na SIC-N.

A TSF  já veio esclarecer que “perante dúvidas surgidas ao início da tarde de hoje sobre a idoneidade de Artur Baptista da Silva“, vai retirar do site da estação o ficheiro áudio contendo a entrevista com o suposto economista supostamente ao serviço da ONU. Contactámos o jornalista da TSF, que informou estar a aguardar um desmentido oficial por parte das Nações Unidas (por que não veio antes?…). Certo é que o entrevistado, que tem um currículo que também ele suscita muitas dúvidas, tem também um discurso que, duma assentada, gerou muitos esclarecimentos relativamente à devastação dos países sob assistência financeira internacional.

RTP Porto #3

Sabiam que o Centro de Produção Norte da RTP (rádio e televisão) foi, de todas as estruturas do universo RTP, a que mais pessoal reduziu ao longo dos últimos anos?

Só no último plano de saídas voluntárias, executado em finais de 2011, saíram 10% dos trabalhadores do Centro, deixando várias áreas de apoio técnico completamente desguarnecidas e a obrigarem os trabalhadores que ficaram a esforços suplementares consideráveis.

O Pai Natal e o Menino Jesus

menino jesusO PAI NATAL E O MENINO JESUS

Tenho de começar por dizer que não gosto do Pai Natal.
Desde que entrou na minha vida, já lá vão mais de vinte anos, que aos poucos a minha aversão ao personagem, foi crescendo.
Também não será para admirar. O Pai Natal chegou e destronou o meu Menino Jesus. Arrumou-o para um canto de uma gaveta, dentro de uma caixa velha, e não se ouviu mais falar dele.
Com a chegada do Pai Natal, começaram as desavenças natalícias lá por casa. E, pelo que ouço dizer, em muito mais casas por esse mundo fora.
O Pai Natal que na altura começou a andar lá por casa era um Pai Natal rico. O meu Menino Jesus, era um Menino Jesus pobre. Só por aí comecei eu a não gostar do velho de barbas e vestido de vermelho. Começou a luta dos ricos contra os pobres, e o rico ganhou. Não é que tenha ganho grande coisa, mas ganhou. Ganhou pelo menos o lugar que o Menino Jesus sempre tinha tido em minha casa. E com essa vitória começaram a desaparecer os valores que até então nos tinham norteado.
No tempo do meu Menino Jesus, e porque ele, coitadinho, era pobre, [Read more…]

O Relatório das Nações Unidas

Oiça esta entrevista ao Coordenador do Observatório Económico e Social das Nações Unidas para a Europa do Sul. A sério. Oiça uma vez e, quando acabar, oiça de novo.

O meu pedido para este Natal (a ver se é desta…)

natal xmas_big
Natal! Ah! Finalmente chegou esta época especial em que tudo está feliz, em paz e muitos corações com mais de 12 anos se enchem de hipocrisia. É uma época em que felizes drogados moribundos e sorridentes sem-abrigo enregelados entram pelas casas quentinhas de toda a gente através das televisões em reportagens especiais de natal, entremeados por publicidade incessante a perfumes promovidos por estrelas de cinema a fazerem papéis ridículos…

Este esmagador mundo económico parece destinado a deturpar, ao longo dos anos, todos os valores, pesos e medidas, mantendo uma aparência de verdadeira preocupação com o seu próximo ao mesmo tempo que mascara o seu mais profundo egoísmo. Mas o período especial “deste” natal consegue ultrapassar tudo. Irrita-me. Irrita-me quando as pessoas ficam chateadas por terem de ir jantar – “obrigadas” – à casa de um fulano ou sicrano de família que não gostam, porque é natal e no natal têm de se estar com a família. E porquê tudo isto? Porque é natal!

Então, que se foda o natal! Ninguém liga nada a isto do natal.  [Read more…]

Moro No Porto

Sou um privilegiado

Quase todos os transportes públicos da Grande Lisboa vão estar paralisados no dia 25, dia de Natal, em cumprimento da greve aos feriados que se iniciou a 1 de Novembro

No Porto, só os STCP o farão.

Biblioteca do Gigante

gigante
Detesto os monopólios, os grandes grupos que sufocam e esmagam os pequenos até não mais terem concorrência. É assim em diversos sectores da economia e os exemplos não são tão poucos como isso.
Já ando para escrever este post há algum tempo. Mais precisamente desde a escolha dos manuais escolares do ano passado, em que nos eram dados a escolher manuais de 3 ou 4 editoras diferentes. Olhando com atenção, todas elas pertenciam ao Grupo Porto Editora. Um dos tais monopólios de que falava acima.
Terá sido mais ou menos na mesma altura que tomei contacto com um contraponto daquilo que é hoje a Porto Editora. A Biblioteca do Gigante, da Lusoinfo, é um projecto excelente direccionado para crianças dos 4 aos 6 anos, ou seja, para o pré-escolar. E para além da qualidade, que me tem permitido muitas horas de lazer com as miúdas, o que me chamou a atenção foi o facto de ser um projecto de uma pequena editora que mostra que, apesar das políticas públicas que teimam em destruir o tecido económico produtivo português, há muita coisa boa que continua a fazer-se em Portugal.
Em breve publicarei sobre outros projectos. Projectos que têm tudo para dar certo e que espero que dêem – assim chamarei a este conjunto de posts.

Feliz Natal e um fantástico 2013

O Aventar, com quem escreve, com quem comenta, com quem aparece para ler foi parte de mim no último ano.2feliznataljp

A Todas e a Todos desejo um fantástico Natal e um 2013 cheio de coisas boas!

À falta de competência para escrever mais e melhor deixo nas palavras de Manuel António Pina o que vos quero dizer.

Obrigado por estarem por aqui!

A canção dos adultos

Parece que crescemos mas não.
Somos sempre do mesmo tamanho.
As coisas que à volta estão
é que mudam de tamanho.

Parece que crescemos mas não crescemos.
São as coisas grandes que há,
o amor que há, a alegria que há,
que estão a ficar mais pequenos.

Ficam de nós tão distantes
que às vezes já mal os vemos.
Por isso parece que crescemos
e que somos maiores que dantes.

Mas somos sempre como dantes.
Talvez até mais pequenos
quando o amor e o resto estão tão distantes
que nem vemos como estão distantes.
Então julgamos que somos grandes.

E já nem isso compreendemos.

Mas a culpa da crise não era do Estado Social, dos salários milionários dos funcionários públicos, dos portugueses que viveram todos acima das possibilidades e dos grevistas que não devem protestar mesmo que lhes apertem os testículos num torno?

Buraco do BPN pode chegar aos 7 mil milhões de euros: Reportagem Especial (SIC Notícias)

O que é a greve (a propósito da greve da CP)

Greve_des_24_heures_1907_pour_une_durée_de repos_dominicale_de_24h_photo_Agence_Rol

Paris, 1907 – Greve de 24 horas em luta pelo direito ao descanso semanal de Domingo

Em Paris, na antigamente denominada Place de Grève (onde depois de 1789 vários foram guilhotinados), os trabalhadores juntavam-se para encontrar trabalho à jorna, por vezes agrupados por ofícios. Assim, fazer greve (faire grève) significava apresentar-se na dita praça parisiense para tentar arranjar trabalho. No final do século XIX, os grevistas franceses lutavam ainda pela redução do tempo de trabalho – reivindicação que remontava aos comecinhos de Oitocentos, quando na Escócia se tentou reduzir as horas de trabalho diárias para dez horas, e depois para oito. Em Inglaterra, as mulheres e as crianças conquistaram o direito a trabalhar apenas dez horas em 1847. [Read more…]