Contratar Professores com o cheque-ensino

Lá das Américas, sempre ouvi dizer, nem bons ventos, nem bons casamentos.

Se calhar, não era das Américas, mas para o caso dá jeito que seja. É só seguir em frente e no meio do Atlântico podemos encontrar meia dúzia (de nove) de rochas. Inspirados no ponto de partida e nas americanices resolvem tentar contratar uma professora, de Leiria, por oitenta euros por mês.

Não deixa de ser irónico que isto aconteça quando Nuno Crato volta a colocar em cima da mesa o cheque-ensino. Ao que parece o país está falido e é preciso cortar na Educação, na saúde, nos apoios sociais… Certo?

Errado! Se não há dinheiro para a escola pública, como é que há dinheiro para o privado?

Isso até poderá ser um detalhe menor, dirão alguns. O importante é que cada família possa escolher a escola para os seus filhos.

E se todos os alunos, por exemplo de Vila Nova de Gaia, quiserem ir para a Escola Secundária Almeida Garrett ou para a Secundária de Valadares, as duas escolas públicas com mais nome na praça? Quem é que vai escolher quem? Serão os alunos a escolher a escola ou será que cada escola vai escolher os seus alunos?

E de onde vem o dinheiro que vai ser dado aos privados? Do financiamento da Escola Pública que ficará, claro, para os desgraçados e para os mais pobres. Ou passa pela cabeça de alguém que entre um aluno do Bairro do Cerco e um outro da Foz, o Colégios do Rosário vai escolher o primeiro?

A avançar esta medida do cheque-ensino a oferta do ensino privado irá crescer de forma assustadora e teremos um mercado da educação em pleno. Claro que pouco importa a forma como este tipo de processo levou a Suécia e a Dinamarca para patamares brutais de insucesso.

O fundamental está à vista – estragar a Escola Pública e transferir rendas públicas para os bolsos dos grupos privados. Quem sabe, assim poderemos repetir a proposta Açoriana.

Continuo convencido que esta gente, de extrema-direita, não suporta as conquistas de Abril. Acho que lhes continua a fazer confusão que o filho do operário possa ser Doutor!

Comments

  1. É de Espanha que o ditado fala e percebe-se porquê, afinal eles são tão parecidos connosco, até nos vícios.

    Tentar contratar um professor por tão parca verba não me espanta, o que me espanta verdadeiramente é haver quem aceite. Afinal a oferta não é uma imposição mas a sua aceitação não pode ser entendida por menos do que resultante da livre e espontânea vontade de quem o faz.

    Senão vejamos, por esse preço poder-se-á fazer algo mais gratificante, por exemplo, na caixa de um supermercado, na reposição de uma qualquer prateleira de uma grande superfície ou na limpeza de casas. O que impede verdadeiramente um professor desempregado de preferir antes estas atividades? Eu não sou professor, mas posso dizer que por esse dinheiro não aceitaria nunca o cargo. Mais depressa iria para outra profissão mais bem remunerada. A não ser que haja alguma outra vantagem que eu neste momento não consigo descortinar.

    Diga-me uma coisa, o que é isso da escola “pública”? É aquela organização que dá aos portugueses a educação que a Constituição entende como direito fundamental, ou é um organismo do Estado, composto por funcionários públicos que o pretende fazer? É que temos tido muito deste último, tudo o resto é “privado”, daí a confusão quando diz que “não há dinheiro” para a escola pública.

    É que eu pertenço à quase silenciosa maioria que paga os seus impostos, e posso dizer-lhe que não são poucos, e que quando confrontado com a escola “pública” tratou logo de contar os tostões para ver se ainda dava para a “privada”. E assim tem sido em quatro dos últimos oito anos. E sabe porquê? Porque a escola a tempo inteiro, as atividades de enriquecimento curricular, o ensino da lingua inglesa, a participação gratuita no desporto escolar, o ensino da música e de um instrumento à escolha, o cumprimento escrupuloso dos programas curriculares, a quase total ausência de absentismo ao trabalho por parte de professores e funcionários, a ausência de greves, estabilidade do corpo docente e não docente, a segurança, a vigilância do espaço da escola, o cuidado na confeção dos alimentos, enfim, todo um conjunto de questões que ainda agora não estão resolvidos na escola “pública”, já o estão na privada sectária faz mais de 20 anos. E já ouvi dizer que mais barato, apesar das contas camufladas e das habilidades contabilísticas a que tenho assistido.

    Portanto, quando pergunta de onde vem o dinheiro para financiar a escola privada, eu dou-lhe já a resposta: DO MEU BOLSO! Não é do financiamento da escola que eu não quero, é mesmo dos meus impostos. E já agora, se porventura se cruzar com o Sr. Crato, diga-lhe de minha parte que “muito obrigado” por se ter lembrado de mim desta vez, por ter olhado para quem faz melhor como o exemplo a seguir por todos, “públicos” e privados, e não o contrário.

    Acha mesmo que o Colégio do Rosário é o exemplo que pretende destacar? Porque não fala antes da maior parte dos outros colégios de “média gama”? É aí que andam a maior parte dos filhos da classe média que ainda conseguem pagar duas vezes o seu ensino. É que na mesma cidade desse colégio, que aliás é merecidamente um dos melhores, a todos os níveis, lembro-me de quatro ou cinco onde a capacidade instalada é muito superior à utilizada.

    Eu não me admiraria muito se, após este anúncio feito pelo ministro, se estes se preparassem para receber os novos alunos que irão, voluntariamente, espantem-se, escolher estes colégios em vez dos “públicos”. E se bem estou a ver o que irá acontecer com alguns desfavorecidos que conheço, a sua condição não será determinante para mudarem, finalmente, os seus filhos para um ambiente mais coincidente com o que desejam.

    A medida que agora anunciam é mais justa para as famílias, isto é indesmentível. Mais, dará a possibilidade de as pessoas continuarem na escola “pública” se assim o desejarem. E dará um impulso à escola “privada”, ainda bem!

    Vamos passar a poder comparar e ver o que é melhor para nós. Mas todos, pobres e desfavorecidos, classe média, e ricos.

    O único problema que vejo de difícil resolução é o dos funcionários públicos. Mas para estes só posso recomendar duas alternativas, aliás o que habitualmente recomendo a quem trabalha em setores com risco de desemprego no país:
    – INVISTAM na escola estatal, se acham que têm alguma hipótese de serem bem sucedidos,
    – PROCUREM outra entidade patronal se virem que a atual não vos serve, ou
    – DESISTAM da profissão se virem que não têm hipótese de competir.

    É o exercício que eu faço todos os dias quando vou trabalhar para o meu patrão… privado, claro.

    • Meu caro João, começo por agradecer o seu texto, excelente e gerador de mais reflexão. Obrigado. Quanto ao conteúdo, se me permite, uma provocação:
      – nesse colégio “médio” do Porto, como seria feita a escolha dos alunos? Como responde a esta pergunta?
      Ou passa pela cabeça de alguém que entre um aluno do Bairro do Cerco e um outro da Foz, o Colégios do Rosário vai escolher o primeiro?
      JP

    • EXº SR. JOÃO,
      A SUA AFIRMAÇÃO SÓ MERECE 2 RESPOSTAS: 1º- NOTA-SE QUE REVELA CARATERÍSTICAS DE PATO BRAVO; QUE CARECE DE FORMAÇÃO PESSOAL E DE INFORMAÇÃO ATUALIZADA; QUE DESCONHECE QUE OS COLÉGIOS PRIVADOS SÃO SUBSIDIADOS PELOS MEUS IMPOSTOS, COM VERBAS SUPERIORES À ESCOLA PÚBLICA; QUE AS ANTIGAS PROVAS DE AFERIÇÃO, OU OS ATUAIS EXAMES SÃO FEITOS (CONTRA À LEI), À PORTA FECHADA, ONDE OS PROFESSORES ESCREVEM AS RESPOSTAS NO QUADRO… DAÍ O ALTO GRAU DE SUCESSO… ISTO JÁ FOI PROVADO PELO ME AO QUAL PERTENÇO…
      SÓ PARA SUA INFORMAÇÃO E DE OUTROS “IGUALMENTE MAL INFORMADOS”, JÁ PERTENCI A COLÉGIOS PRIVADOS E VI O QUE LÁ PASSA… UMA VERGONHA! POR ISSO, FIZ OUTRAS OPÇÕES DE VIDA….MAS OS PAIZINHOS MERECEM…. POIS É MAIS FÁCIL METER A CABEÇA NA AREIA PARA NÃO SE CHATEAREM… E ASSIM, OS FILHOS FICAM TODO O DIA NA PRISÃO, PORQUE OS PAIS DESCARTAM AS SUAS RESPONSABILIDADES DE PAIS……

      • EXº SR. JOÃO,
        A SUA AFIRMAÇÃO SÓ MERECE 2 RESPOSTAS: 1º- NOTA-SE QUE REVELA CARATERÍSTICAS DE PATO BRAVO (MAS PATO BRAVO NÃO TEM CURA…………. VIVE NO CHARCO, COM VISÕES DE GRANDEZA…) ; QUE CARECE DE FORMAÇÃO PESSOAL E DE INFORMAÇÃO ATUALIZADA; QUE DESCONHECE QUE OS COLÉGIOS PRIVADOS SÃO SUBSIDIADOS PELOS MEUS IMPOSTOS, COM VERBAS SUPERIORES À ESCOLA PÚBLICA; QUE AS ANTIGAS PROVAS DE AFERIÇÃO, OU OS ATUAIS EXAMES SÃO FEITOS (CONTRA À LEI), À PORTA FECHADA, ONDE OS PROFESSORES ESCREVEM AS RESPOSTAS NO QUADRO… DAÍ O ALTO GRAU DE SUCESSO… ISTO JÁ FOI PROVADO PELO ME AO QUAL PERTENÇO…
        SÓ PARA SUA INFORMAÇÃO E DE OUTROS “IGUALMENTE MAL INFORMADOS”, JÁ PERTENCI A COLÉGIOS PRIVADOS E VI O QUE LÁ PASSA… UMA VERGONHA! POR ISSO, FIZ OUTRAS OPÇÕES DE VIDA….MAS OS PAIZINHOS MERECEM…. POIS É MAIS FÁCIL METER A CABEÇA NA AREIA PARA NÃO SE CHATEAREM… E ASSIM, OS FILHOS FICAM TODO O DIA NA PRISÃO, PORQUE OS PAIS DESCARTAM AS SUAS RESPONSABILIDADES DE PAIS……

        2º- ESPERO ESTAR CÁ PARA VER QUANTOS ALUNOS DE FAMÍLIAS DESFAVORECIDAS E DESEMPREGADAS IRÃO ENTRAR NESSES “TÃO PRESTIGIADOS” COLÉGIOS DE “CLASSE ALTA”, À QUAL O SR. DIZ PERTENCER!!! E MAIS, QUANTOS ALUNOS COM MULTIDEFICIÊNCIA TERÃO LUGAR JUNTO DE TÃO IMPORTANTES JOVENS, PROTEGIDOS EM CAIXAS DE VIDRO “INQUEBRÁVEL”, E DE FAMILIAS ASSIM TÃO ABASTADAS MAS TÃO MAL FORMADAS QUE IGNORAM COMPLETAMENTE O DIREITO À DIFERENÇA!!!
        … AS ESCOLAS PÚBLICAS TÊM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL QUE, EM CONJUNTO COM TODA A COMUNIDADE EDUCATIVA, ACOLHEM, PROTEGEM, ENSINAM, EDUCAM E ACARINHAM, ALUNOS DESFAVORECIDOS E COM MULTIDEFICIÊNCIAS, ASSIM COMO APOIAM AS SUAS FAMILIAS!!!
        PARA SUA INFORMAÇÃO, A ESCOLA PÚBLICA ALÉM DOS DEVERES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ATRAVÉS DOS MÉTODOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DO ENSINO/APRENDIZAGEM, DESEMPENHAM UM SEM NÚMERO DE TAREFAS DE APOIO SOCIAL E DE INTEGRAÇÃO .

        COMO JÁ REPAROU SOU MUITO DIRETA! POR ESSE MOTIVO, SERIA UM ENORME PRAZER RECEBÊ-LO UM DIA, NO GABINETE DE APOIO AOS PAIS E ALUNOS COM CARÊNCIAS ECONÓMICAS OU OUTRAS… ONDE VOCÊ REFERE “AINDA” NÃO PERTENCER… MAS O MUNDO GIRA E NUNCA PÁRA!!!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.