Diálogo de Woody Allen com os seus dois clientes portugueses a propósito de um filme sobre um sítio

(com palavras roubadas à obra do próprio Woody e, para nossa desgraça, às declarações do político português)

ou LUSITANA LOUCURA ou O ARTISTA E OS BIMBOS

“Nunca!” – gritou Luís Filipe Meneses, ao saber que Paulo Portas queria encomendar a Woody Allenn um filme sobre Lisboa. “Isso é uma manifestação intolerável de centralismo! O filme deve ser sobre o Porto e, digo mais, sobre o Douro, Braga e Guimarães e talvez outras cidades médias do Norte.”

Visto isto, o candidato à Câmara do Porto avisou o mundo sobre a sua intenção de se dirigir a Nova Iorque e tentar dissuadir o cineasta de aceitar a oferta do vice-primeiro português aprovando, em seu lugar, a sua. Informado, Woody Allenn lembrou que “a vocação de um político de carreira é fazer de cada solução um problema” e, ao saber quem o procuraria, resolveu esconder-se desabafando: “a única coisa que lamento na vida é não ser outra pessoa”.

Localizado pelo telefone e ouvindo os planos do portuense, desencadeou uma crise de hipocondria e, rindo histericamente, lá foi respondendo “se quiseres fazer Deus rir, conta-lhe os teus planos” e, desligando o telefone, sentenciou: “mas que mundo este. Poderia ser maravilhoso se não fossem certas pessoas”. Mas Allenn subestimou o empenho dos dois candidatos a mecenas. Assim, foi surpreendido por ambos – sim, por ambos – à saída de um dos seus concertos noturnos de clarinete, num bar da sua cidade.

Esbugalhando os olhos, descobriu ali que “a vida divide-se entre o horrível e o miserável!”. Mas não podia fugir. Ouviu, pois, em estado pré-cataléptico, os dois visitantes, que se atropelavam nos seus lamentáveis argumentos. Com a ajuda de músicos amigos, lá conseguiu ir-se afastando, murmurando garantias de que ia pensar no assunto.

Chegado à segurança morna do lar, encostou a cabeça no regaço da companheira e, entre nervosos soluços, lá foi explicando: “apesar de tudo, há coisas piores que a morte. Se alguma vez passaste a noite com dois políticos de direita portugueses (vendedores de seguros, no original), então sabes do que estou a falar (…) quero voltar para o útero; qualquer útero (…) porque não fala Deus comigo? Se, ao menos, ele tossisse!”.

woodyallen

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.