Polícias passarão a perseguir criminosos com foguetes

163107_153367804715542_100001269708830_297412_5212164_nConfesso a minha ignorância e respectiva perplexidade: se bem percebi, ser polícia, segundo a lei, não corresponde a desempenhar uma profissão de risco e de desgaste rápido. Tal situação levou a que a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) tenha lançado um debate e uma petição.

Recentemente, explicaram-me que os profissionais de qualquer área são parte interessada e, portanto, suspeita e descartável. As opiniões dos polícias sobre a sua própria profissão devem, portanto, ser ignoradas. Se assim for, não vale a pena suscitar debates ou criar petições, uma vez que são manifestações meramente corporativistas.

Partindo, então, do princípio de que não haverá alterações legislativas, cabe aos polícias aproveitar a lei que existe. Assim, e tendo em conta que é considerada de risco elevado qualquer actividade que envolva o fabrico, transporte e utilização de explosivos e pirotecnia, proponho que os polícias passem a perseguir criminosos recorrendo a foguetes.

É evidente que o primeiro foguete será de aviso, devendo os seguintes ser apontados ao(s) meliante(s) em fuga. As armas de fogo serão mais fiáveis no que se refere à pontaria, mas, com o foguetório policial, o país ficará, com certeza, a ganhar em animação, com foguetes de lágrimas a pontuar a captura de foras-de-lei.

Para além disso, esta situação contribuirá para o relançamento da economia, uma vez que os fabricantes de material pirotécnico não terão mãos a medir, especialmente se houver alguma explosão na fábrica. Como se isso não bastasse, será necessário inventar novos coldres para o transporte dos foguetes, o que beneficiará, decerto, a indústria dos curtumes.

Comments

  1. testes says:

    essa do primeiro foguete ser de aviso, só contaram pra você

  2. Rui Moringa says:

    Também pasmo e m`espanto com esta “coisa” do risco, ou seja do dinheirinho a extorquir aos contribuintes por causa de exercerem uma profissão de polícia.
    Há muitas profissões que têm riscos ambientais que podem dar origem a cancros, nomeadamente. Não têm subsídios de risco. O que haveria de ser feito era aumentar a taxa de desconto para a segurança social porque há a probabilidade de reforma mais cedo, ou seja por incapacidade
    Mas quando se decide ir para policia é empiricamente sabido que é uma profissão com riscos. Parece estranho pedir um subsídio fingindo desconhecer que previamente se sabia desse risco. Parece pouco decente. E os militares não pedem subsídios de risco?!!!!
    Bem isto parece chegar ao ponto da sem vergonhice em muitos sectores da sociedade portuguesa..

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.