Garganta funda

Confesso: quando ouço as “análises” de Marques Mendes, eivadas da sua irreprimível vocação de bufo, nasce em mim uma náusea que, tenho a certeza, é tão ampla que se deixa partilhar por gente muito diversa, podendo chegar a incluir os próprios governantes. Uma bosta é uma bosta, seja quem for que a olhe e cheire. As declarações sobre a venda do Novo Banco ( “ao que pude apurar”, como costuma bolsar a criatura enquanto agita a breve pata, de dedos abertos, sobre a mesa) fazem-me lembrar as possibilidades pedagógicas de umas boas e camilianas bengaladas. Pensar isto eu, que sou um homem de paz!…

Comments

  1. José Chorão says:

    Já somos dois a sentir um enorme asco por esta amostra de gente. E quando digo “amostra” não me refiro à dimensão física do energúmeno e sim à sua dimensão ética.
    É bem representativo do partido que desgoverna este pobre país.

  2. Rui Moringa says:

    Há gente que já não quero sequer ouvir porque fazem mal ao espírito. Esse senhor é um deles. Não ouço. Ainda temos essa liberdade. Poderia referir outros e outras, mas não vale a pena ir citar, não merecem sequer.
    É preferível desligar a TV e ouvir os sons da natureza. Até se poupa dinheiro.


  3. Que grande melga!

    Não há cú que aguente este gajo!

  4. Manuel says:

    “bolçar” sff!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.