Business as usual?

Lembram-se deste flop, faz agora um ano, em que um fuzileiro lança um drone e este cai directo no Tejo? Trata-se de um AR4 Light Ray da empresa Tekever, cujo CFO é Rodrigo Adão da Fonseca (RAF), homem da blogosfera (O Insurgente) que tem uma ligação de longa data com o actual  Ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco (JPAB), que remonta a 2010 quando assumiu funções de assessor do então líder da bancada parlamentar do PSD e coordenou a moção estratégica de JPAB nas internas do PSD. Após a vitoria de Pedro Passos Coelho,  JPAB abandonou a liderança parlamentar social democrata e RAF deixou de ser seu assessor, sem que tal o colocasse em situação de ruptura ideológica com o PSD. Pelo contrário.

Contudo, a história de JPAB e RAF não terminou por aqui. Três meses após a chegada de JPAB à liderança do Ministério da Defesa Nacional (MDN) em Junho de 2011, RAF foi convidado para director-executivo da Edisoft e da ETI, funções que acumulou com a direcção-financeira da EID. Todas estas empresas integravam o universo Empordef. Privatizada a Edisoft,  em Abril de 2013, RAF abandonou as funções no sector público para saltar para director financeiro da Tekever, em cuja condição viajou com a comitiva de JPAB ao Dubai Air Show, sete meses mais tarde.

Para além desta já longa história de, vá lá, proximidade, a Tekever não se limita hoje a fornecer drones que se despenham no Tejo, no que ao erário público diz respeito. O exército usa uma versão que funciona do drone da empresa, que levou a que a mesma ministrasse uma formação para o efeito em Julho de 2013. Com a Marinha, a Tekever assinou dois protocolos de colaboração científica e industrial. Já a GNR e PSP usam também os drones da empresa, sendo que no caso da última foram assinados dois ajustes directos no valor de 206 mil euros no final de 2013.

Nada disto é novo, e sobre estes o outros negócios que gravitam em torno do ministro Aguiar-Branco escreveram Gustavo Sampaio e Vítor Matos na edição de 26 de Março da revista Sábado, de onde foi extraída a informação presente nestas linhas. A única nota que quero deixar diz respeito ao quão comovido fico quando me deparo com o que determinadas personalidades dizem ou escrevem sobre as supostas promiscuidades dos socialistas que se encostam ao poder e ao Leviatã estatal para depois se verem envolvidos em ligações tão suspeitas quanto nebulosas. Como é apetitoso o pote estatal. Até para quem quer privatizar tudo.

*****

P.S. Aguiar-Branco voltou a integrar a Tekever na comitiva que participa, a partir de hoje, na Feira Internacional de Defesa e Segurança que se realiza no Rio da Janeiro. Será que ainda lhe arranjam uma avença quando o mandato no MDN terminar no Outono?

Comments

  1. Rui Silva says:

    Realmente este episódio hilariante…
    Fartei-me de rir.
    É a “ciência nacional” no seu melhor.

    cumps

    Rui Slvla

Trackbacks

  1. […] Continua, com vídeo… […]

  2. […] bênção a 38 novos gestores públicos, algo que de resto não deve causar grande admiração vindo de alguém que até arranjou bons cargos a antigos assessores em empresas públicas sob a sua …. Sem que ninguém se […]

  3. […] José Pedro Aguiar-Branco (ministro da Defesa cessante): negócios pessoais com funções governativas parecem misturar-se. Nomeou ex-assessores para funções chave em empresas públicas que posteriormente transitaram para …; […]

  4. […] Uns vão directos ao mar, mas dão de comer a muito boa boyzada gente. Outros há que azucrinam a vida das pessoas em sítios onde não deviam estar, tipo aeroportos, como este imbecil e outros antes dele. Um dia pode correr mal. E os drones, neste planeta cada vez mais orwelliano, tendem a crescer e a multiplicar-se. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.